Voltando a focar na guerra principal após a morte de Carl (Chandler Riggs), o décimo primeiro episódio da oitava temporada de “The Walking Dead”, intitulado “Dead or Alive Or” coloca pontos finais em certas tramas e prepara o terreno para o episódio seguinte. 

Atenção: a matéria possui spoilers do décimo primeiro episódio da oitava temporada de “The Walking Dead”. Leia os outros reviews aqui.

O foco da série volta a ser a guerra principal, entre Negan (Jeffrey Dean Morgan), os Salvadores e Rick (Andrew Lincoln), e o grupo já conhecido. No final do episódio anterior, ficou claro que essa rivalidade estava longe de acabar, mas no episódio nem Rick e nem Negan aparecem direito. Afinal, alguns ganchos ainda precisam de esclarecimento. E é isso que o episódio vem apresentar.

Enquanto Michonne (Danai Gurira) e Rick seguem para Hilltop já que não há mais Alexandria ou Reino, temos Daryl (Norman Reedus), Tara (Alanna Masterson) e Rosita (Christian Serrados) também tentando chegar lá, a pé, mas com os sobreviventes de Alexandria. Entre eles, está Dwight (Austin Amelio), que vira alvo do ódio de Tara, ainda pela morte de sua namorada, e que acaba retornando aos Salvadores após a mesma tentar matá-lo. Claro que a atitude inconsequente da jovem poderia trazer consequências para todo o grupo, então a atitude de Dwight é feita pensando no coletivo. Contudo, é um plano arriscado, pois quando Negan souber da traição do mesmo – já que outros já sabem – certamente ele morrerá. A cena também serviu para mais uma vez entrar a questão do perdão, já amplamente discutida nessas oito temporadas.

O Padre Gabriel (Seth Gillians) é quem certamente se dá mal nesse episódio. Depois de fugir com o Doutor Carson (R. Keith Harris) e constatar que está praticamente cego, os dois entram em um embate entre ciência e fé que é desgastante e que não traz nenhuma relevância para a narrativa. Mas, de toda a forma, o destino dá uma volta forte no padre, fazendo com que Carson termine morto e o mesmo volte a ser capturado pelos Salvadores. Agora, ele passa a trabalhar com Eugene (Josh Mc Dermitt), que reaparece apenas para, mais uma vez, trair seus amigos. Dessa vez, o plano aposta em uma munição infectada, e partiu justamente do egoísta que ainda não morreu. Mas, por que Eugene ainda não morreu mesmo?

Após o grupo conseguir chegar em Hilltop, Maggie (Lauren Cohan), Carol (Melissa McBride) e Enid (Katelyn Nacon) ficam sabendo da morte de Carl. Para a última, a notícia é quase fatal, afinal os dois estavam começando a construir um relacionamento juvenil. Assim, os roteiristas pontuam a narrativa sobre a morte de Carl, apenas deixando abertura para que a menina possa viver seu luto, e manifestá-lo, nos próximos episódios. Ainda em Hilltop, fica aberto a crise que assola a comunidade, com muitos moradores, muitos “reféns” e uma guerra ainda a ser lidada.


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Júlia Cruz

Acredita ser uma criação do Projeto Leda enquanto espera o Doutor com a sua Tardis. É apaixonada por cachorros, gosta de acender incensos, observar estátuas e tomar café. Descobriu que tudo é passível de crítica e desconstrói os enredos das mais de cem séries que já viu, para os leitores da Woo Magazine.

Previous Crítica: Por Trás dos Seus Olhos
Next O poder da escrita terapêutica

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close