7 de dezembro de 2019
Mesmo com o som do Espaço Favela em maior evidência, o público não desanimou e subiu no palco.

Mais uma vez, a Coca Cola foi um dos grandes patrocinadores do Rock in Rio. Com um dos maiores espaços entre as marcas, o espaço fazia do público o protagonista da experiência. Assim como em 2017, o espaço possuía instrumentos como bateria, guitarra, baixo e teclado. A banda era formada pelo próprio público! Se você sabia tocar algum desses instrumentos, era só chegar lá cedo e se inscrever.

Se você não sabia, não tinha problema! Também havia um grande karaokê (se você não sabe cantar, também não tinha problema, afinal, era muita gente cantando junto). Para quem não queria fazer nada disso, também tinha a opção de subir e apenas ficar dentro do estande, e curtir o show de camarote. Para os que queria ficar do lado de fora, a equipe da Coca Cola contratou a galera do Fit Dance pra por todo mundo pra dançar!

Mia uma vez, o Espaço Coca Cola foi um dos mais animados. Porém, houve um pequeno problema: o Espaço Favela, que era ao lado, estava com a música mais alta, então atrapalhava o som do Espaço. Na próxima edição, seria uma boa colocarem um mais afastado do outro, pra garantir que o público de um palco possa curtir o som, sem ser atrapalhado pelo outro.

Mesmo com esse detalhe, o público dançou muito durante os 7 dias de festival (além do evento teste, que também contou com a galera do Fit Dance). Em 2021, esperamos vocês novamente, Coca Cola

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Luísa Aranha

Luísa tem 21 anos, é carioca, estudante de publicidade e apaixonada por música. Acompanha a indústria desde os 12 anos por hobbie, mas essa brincadeira acabou se tornando em algo sério, e atualmente ela deseja seguir sua carreira profissional na área.

Previous FEBRE: Feira de Bruxaria e Esoterismo de Paquetá traz diversas atividades entre os dias 5 e 6 de outubro
Next Rock in Rio 2019: Itaú renova parceria de sucesso com o festival

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

Homofobia e futebol: uma discussão que precisa sair do armário

23 de fevereiro de 2017
Close