As séries médicas costumam fazer sucesso no meio do público, algumas se eternizando e sendo assistidas ao redor do mundo, como “Grey’s Anatomy”, E.R”. e House”, e outras que surgem para tentar quebrar com a medicina moderna. É o caso de “The Knick”, criação de Jack Amiel e Michael Begler, protagonizada por Clive Owen.

ATENÇÃO: CONTÉM SPOILERS!

Na trama, o hospital Knickerboxer é referência na Nova York do século 20, com inovações médicas e bons profissionais. Entre eles, se destaca o cirurgião chefe John Thackery (Owen), que além de ser um tanto inerente, luta contra o vício em cocaína e ópio, na época utilizados como sedativos de uso legal. No mesmo hospital está o doutor Algernon Edwards (Andre Holland), um jovem negro graduado em Harvard que tenta conseguir seu espaço entre médicos brancos e de maioria racista.

Na época, certas discussões não eram tão abrangentes quanto são hoje. Não se falava de racismo, feminismo e lutas minoritárias. E havia quem tivesse pensamentos bárbaros, mas era protegido pela impunidade da época. É o caso do doutor Everett Gallinger (Eric Johnson), que não só era racista como cometia insultos gravíssimos ao doutor Edwards. Porém, protegido pela supremacia masculina branca do período, o antagonista conseguia sair como certo perante aos outros médicos da trama.

Um dos grandes absurdos que a série retrata é a esterilização de jovens, nos auge dos seus 18 anos, que eram delinquentes e haviam saído do reformatório. Em sua maioria negros, esses rapazes eram esterilizados pelo doutor Gallinger, sobre o argumento de que a raça, de negros e marginais, não traria nada de útil ou correto caso fosse reproduzida. Gallinger não trabalhava sozinho, e sua atitude era vista como correta, ainda que fosse um absurdo.

As mulheres da época serviam ao sistema patriarcal de casar e ter filhos, mas nunca trabalhar, o que “The Knick” mostrou corretamente com três personagens femininas que dariam início a pequenas revoluções feministas. Na trama, a Irmã Harriet (Cara Seymour), uma freira católica e que auxilia o orfanato vinculado ao hospital, sofre sanções no âmbito religioso por realizar abortos em mulheres.

Uma dessas mulheres é a diretora do Knickerboxer, Cornelia Robertson (Juliet Rylance), que além do machismo que sofre por parte de seu marido e sua família, acaba tendo uma gravidez fora do casamento. O que na época era um escândalo, piora com a possibilidade dessa criança não ser branca, além de que possivelmente afetaria no papel de Cornelia como diretora, pois muitos ali não a consideravam própria para a função.

Além delas, uma figura importante para a trama é a enfermeira Lucy Elkins (Eve Hewson), que foi criada numa família religiosa – não aceitam qualquer tipo de promiscuidade antes do casamento – e sofre constantes assédios por parte dos médicos do The Knick. Elkins é constantemente criticada por trabalhar e ser solteira.

The Knicker - Knickerboxer

Outro ponto mostrado na série é como as burocracias sociais só afetam mulheres e não homens, pois muitos ali são casados e possuem relacionamentos extraconjugais, mas em nenhum momento são julgados por isso. Outra crítica pertinente é como o racismo da época não permitia a presença de negros em um hospital do nível do Knickerboxer, fazendo com que o doutor Edwards criasse, no porão do hospital, um atendimento para todos aqueles que eram impossibilitados de serem atendidos no The Knick.

No fim, a trama era uma grande crítica ao racismo da época, principalmente no âmbito médico, que não deveria fazer distinções de sexo ou raça. As grandes doenças da época, como a peste negra, afetavam a todos independentemente de suas características e o que deveria ser lidado como uma maneira de erradicar essas doenças, era deixado de lado por questões pessoais de preconceito e intolerância.

“The Knick” foi cancelada após duas temporadas. Talvez pela sua baixa audiência, pois não era tão conhecida, ou pela narrativa lenta que não conseguia prender o espectador nos momentos necessários, ainda que tenha sido bem avaliada pela crítica. As duas temporadas podem ser assistidas em serviços de streaming.


Sympla

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Júlia Cruz

Acredita ser uma criação do Projeto Leda enquanto espera o Doutor com a sua Tardis. É apaixonada por cachorros, gosta de acender incensos, observar estátuas e tomar café. Descobriu que tudo é passível de crítica e desconstrói os enredos das mais de cem séries que já viu, para os leitores da Woo Magazine.

Previous Resenha: Amityville – O Livro de terror baseado em fatos
Next A subjetividade dos clássicos do Cartoon Network – Parte 1

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close