Connect with us

Hi, what are you looking for?

Geek

The Umbrella Academy

Imagine que a Torre Eiffel simplesmente descolasse seus quatro pés das fundações e saísse por aí aterrorizando o mundo! E que pra detê-la somente seria possível com a ajuda de sete crianças nascidas exatamente no mesmo dia e horário, mais precisamente às 23h38, momento no qual Tom “Brigador” Gurney nocateou a Lula Alienígena de Rigel X-9. E essas sete crianças são comandadas por Sir. Reginald Hargreeves, conhecido como “O Monóculo”, um alienígena mascarado de empresário milionário que adotou essas crianças especiais com o objetivo claro de treiná-las para salvar o mundo de ameaças desconhecidas.

Seja na literatura, nos quadrinhos ou no cinema, de tempos em tempos surgem histórias completamente fora da caixa, com temáticas tão inusitadas quanto sua execução. Definitivamente esse é o caso de “The Umbrella Academy”, idealizada e escrita por Gerard Way (da banda My Chemical Romance) e ilustrada por Gabriel Bá (conhecidíssimo quadrinhista brasileiro). Não por acaso a compilação de seis capítulos foi a vencedora do Eisner Award de “Melhor Minissérie” no ano de seu lançamento, 2008. Com uma premissa excepcional, roteiro conciso e artes maravilhosas, não tardou para que a série publicada pela Dark Horse (e pela Devir, no Brasil) se tornasse um sucesso, gerando mais dois volumes encadernados e ainda uma promessa de virar série da Netflix.

Advertisement. Scroll to continue reading.

“The Umbrella Academy” se passa em um universo alternativo onde o Presidente Kennedy não foi assassinado. A equipe de garotos liderada pelo cientista de renome mundialmente é descrita como uma “família disfuncional de super-heróis”. Embora tenhamos sete componentes, naquele momento de seu nascimento foram quarenta e três crianças geradas espontaneamente por mulheres que não apresentavam sinais de gravidez. Entretanto o Monóculo só conseguiu encontrar estes sete, os quais foram chamados de Spaceboy (Luther Hargreeves), Kraken (Diego Hargreeves), Rumor (Allison Hargreeves), Séance (Klaus Hargreeves), Número Cinco (The Boy), Horror (Ben Hargreeves), e Violino Branco (Vanya Hargreeves).

O episódio a respeito da Torre Eiffel foi a abertura do primeiro arco de histórias intitulado Volume 1: A Suite do Apocalipse, época em que os super-seres ainda eram crianças. Após uma década sem muita atividade, os sete irmãos desiludidos tomaram rumos diferentes e tentaram tocar suas vidas individuais cada qual com seus dramas pessoais. No entanto o perigo está sempre à espreita e em breve outra ameaça mundial vai exigir o reagrupamento da Umbrella Academy. Além do arco inicial, este primeiro volume encadernado possui histórias curtas raras e uma seção de desenhos e esboços apresentando trabalhos feitos por Bá, Jean e Way.

O Volume 2: Dallas começou a ser lançado no ano seguinte, também em capítulos separados. Neste roteiro o aprofundamento dos personagens é mais intenso, explorando ainda mais as questões pessoais dos irmãos Hargreeves, os quais novamente precisam superar suas dificuldades e se reunirem para salvar o mundo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Após quase dez anos de pausa, finalmente teremos o lançamento de Volume 3: Hotel Oblivion na San Diego Comic-Con de 2018. A expectativa é grande, pois ainda neste ano será o lançamento da série de TV produzida pela Netflix. Inclusive boa parte do elenco já está definida: Ellen Page será Vanya, Tom Hopper será Luther, Emmy Raver-Lampman viverá Allison, David Castañeda interpretará Diego, Robert Sheehan dará vida a Klaus e Aidan Gallagher será Number Five.

O que mais cativa o leitor em “The Umbrella Academy” é a forma como os roteiros tratam com extrema naturalidade as premissas e eventos excêntricos das tramas. É aquele tipo de história em que ficção, fantasia e realidade se misturam de forma tão harmônica e natural que fica difícil separá-las. Todos os personagens são tridimensionais, ou seja, possuem personalidades bem construídas e trabalhadas de forma a torna-los quase reais. O humor ácido presente eventualmente vem em perfeito equilíbrio com os dramas pessoais.

Um capítulo à parte são as artes deslumbrantes dede Gabriel Bá. O estilo característico do gêmeo está lá presente com seus traços angulosos e personagens deformados fazendo uma harmonia perfeita com o conceito de universo criado por Way. Valorizando ainda mais estes traços vem a colorização incrível de Dave Stewart, com paletas de cores de fazer cair o queixo, sempre em total sinergia com o clima da trama que se desenrola. Por fim, ainda que num estilo diferenciado, as capas originais de cada capítulo ilustradas por James Jean são dignas de se tornarem belos pôsteres.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Julho está logo aí, então já comece a se preparar para o lançamento do terceiro volume de “The Umbrella Academy”!

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Tercio Strutzel ama ler, escrever e desenhar histórias em quadrinhos. Foi editor do fanzine Paralelo, mas hoje quase não consegue tempo pra desenhar. Se especializou em Presença Digital, mas tem diversos projetos fervilhando na mente. Está sempre em busca de atividades culturais por São Paulo. Também é serial reader de Ficção, Fantasia e Terror e viciado em séries.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Listas

Os quadrinhos de uma turma que atravessa gerações As histórias daquela menina baixinha, gorducha e dentuça, ensinou milhares de brasileiros a gostar de ler....

Geek

Entre os dias 18 de maio e 1 de junho, serão revelados os próximos títulos para Marvel, DC e muito mais No dia 18...

Filmes

A Sequência de “Avatar” sairá já em janeiro de 2021, mas em quadrinhos. Parece que os fãs do filme de James Cameron vão ter...

Geek

Enganaram-se aqueles que acharam que o Coronavírus pararia os Nerds do mundo. Vários eventos da cultura pop, que não puderam ter suas versões físicas,...

Advertisement