7 de dezembro de 2019

Para quem ama terror, a última semana trouxe mais um ingrediente para os fãs do gênero. A divulgação de mais um trailer do remake do clássico It, a coisa”. A obra é uma adaptação do livro do mestre do terror, Stephen King. E para entrar no clima, listamos 5 filmes baseados em obras do escritor que foram sucesso.

1. À espera de um milagre (1999)

Um dos filmes mais conhecidos do autor, “À espera de um milagre” mexe com as emoções e reflexões dos espectadores, especialmente por tratar da morte. É um daqueles filmes que fazem a gente ficar extremamente imerso na trama.

Sinopse

Ambientado em 1935, no corredor da morte de uma prisão da Louisiana, conta a história da relação entre Paul Edgecomb, o chefe de guarda da prisão, e um de seus prisioneiros, John Coffey.

Coffey é um homem negro de grandes proporções, condenado à morte pelo assassinato de duas garotas brancas. Aos poucos, desenvolve-se entre Edgecomb e Coffey uma relação incomum, baseada na descoberta de que o prisioneiro possui um dom mágico que é, ao mesmo tempo, misterioso e milagroso. O guarda se debate em um conflito moral entre o cumprimento do dever e a consciência de que o prisioneiro – que deverá morrer pelas suas mãos – pode não ser o culpado de um crime tão brutal.

A história é contada em flash-back por Edgecombe, durante sua velhice em um asilo. Além da relação com Coffey, Edgecomb relata as histórias de outros guardas e condenados.

2. O nevoeiro (2007)
Este é um filme que faz refletir sobre a perda da racionalidade humana em tempos de desespero. Ao assistir o longa, é importante observar a reação dos personagens a cada momento de escolha para sobreviverem.

Sinopse

Após meses longe de sua casa, o artista David está de volta, mas é surpreendido por uma forte tempestade, que chega a derrubar árvores e causar grandes estragos na construção. Sem luz ou telefone, ele decide ir até a cidade com seu filho Billy e o vizinho, Brent, com quem não tem uma convivência pacífica, enquanto a esposa fica em casa. No mercado, a confusão se instaura já que há numerosas filas de pessoas comprando suprimentos para o caso de o problema se alongar.

Enquanto isso, do lado de fora, algumas névoas vão se tornando cada vez mais presente no ar e diversos grupos de militares agem como se algo estivesse errado nas proximidades. Quando Dan aparece dizendo que “O Nevoeiro” esconde uma terrível criatura, o pânico começa a tomar conta de todos, que se trancam dentro da loja para evitar mal maior. David tenta acalmar seu filho e os demais, mas a presença da Sra. Carmody, uma fanática religiosa que acredita ser uma vingança de Deus, dificulta a missão.

Sem saber o que o espera do lado de fora, o grupo discute para estabelecer o que será melhor para todos. Os que não aguentam a angústia da espera e saem, lançam gritos de dor e não voltam para informar o que está acontecendo. Com o tempo, as brigas entre todos começa a aumentar, principalmente entre David e Brent, que acha que tudo não passa de uma vingança dos amigos do vizinho. Além disso, a Sra. Carmody vai arrecadando mais fiéis em sua teoria da justiça divina. Então, David começa a perceber que as pessoas se tornaram mais perigosas que O Nevoeiro.

3. Carrie, a estranha (1976)

Este é um dos maiores clássicos do terror, tanto na literatura quanto no cinema. O filme é uma aula sobre como o bullying afeta nas relações das pessoas com outras, e como isso traz consequências ao psicológico humano. Claro, sem a fantasia de uma pessoa com superpoderes.

Sinopse

Carry White (Sissy Spacek) uma jovem que não faz amigos em virtude de morar em quase total isolamento com Margareth (Piper Laurie), sua mãe e uma pregadora religiosa que se torna cada vez mais ensandecida. Carrie foi menosprezada pelas colegas, pois ao tomar banho achava que estava morrendo, quando na verdade estava tendo sua primeira menstruação. Uma professora fica espantada pela sua falta de informação e Sue Snell (Amy Irving), uma das alunas que zombaram dela, fica arrependida e pede a Tommy Ross (William Katt), seu namorado e um aluno muito popular, para que convide Carrie para um baile no colégio. Mas Chris Hargenson (Nancy Allen), uma aluna que foi proibida de ir festa, prepara uma terrível armadilha que deixa Carrie ridicularizada em público. Mas ninguém imagina os poderes paranormais que a jovem possui e muito menos de sua capacidade de vingança quando está repleta de ódio.

4. O iluminado (1980)

Perturbador. Essa talvez seja a melhor palavra para definir este filme. É realmente uma obra que te tira do lugar comum e coloca num ponto de reflexão de como o afastamento do mundo e da realidade pode levar a pessoa a desenvolver instintos jamais vistos. Sem dúvidas, uma das melhores obras já produzidas pelo cinema e pela literatura.

Sinopse

Durante o inverno, um homem (Jack Nicholson) é contratado para ficar como vigia em um hotel no Colorado e vai para lá com a mulher (Shelley Duvall) e seu filho (Danny Lloyd). Porém, o contínuo isolamento começa a lhe causar problemas mentais sérios e ele vai se tornado cada vez mais agressivo e perigoso, ao mesmo tempo que seu filho passa a ter visões de acontecimentos ocorridos no passado, que também foram causados pelo isolamento excessivo.

5. A colheita maldita (1984)

Esse filme é só mais um que mostra a obsessão de King por histórias de terror com crianças. Apesar da crítica ter pegado pesado por conta da violência, o filme foi um sucesso de bilheteria e gerou bastante repercussão. Imagina se houvesse redes sociais naquela época.

Sinopse

Isaac Chroner (John Franklin), um menino pregador, vai para Gatlin, Nebraska, e consegue que as crianças assassinem todos os adultos da cidade. Um jovem casal tem de comunicar um assassinato e vai para Gatlin, a cidade mais próxima, em busca de ajuda. Porém, a localidade parece abandonada e logo eles são aprisionados, com poucas chances de escaparem vivos, pois as crianças praticam um culto que utiliza sangue humano para adubar a terra.

E aí, gostou da lista? Não deixe de comentar e deixar sua sugestão de filmes baseados na obra de Stephen King.

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Diego Andrade

Uma pitada de esportes, duas colheres de redes sociais e uma xícara de mundo geek. Esses foram os elementos que o criaram. Seu computador é o reflexo dos seus gostos: está sempre conectado às redes sociais, aos sites de notícias e as novidades do universo geek e otaku (até porque ninguém é de ferro, só o Tony Stark)

Previous O crescimento da moda sem gênero
Next Crítica: Lady Macbeth

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

Crítica: Death Note

9 de outubro de 2017
Close