“500 Dias com Ela” ( 500 Days of Summer) é sobre um homem jovem insatisfeito com a própria vida, que encontra uma mulher muito segura de si e se apaixona por ela. A partir daí, são contados 500 dias desde quando ele (Tom) a vê pela primeira vez até o momento que começa a superá-la (Summer) já que eles não ficam juntos. O que é uma dinâmica muito interessante, pois é um processo pelo qual todos nós passamos.

O filme nos toca não por ser uma comédia romântica como todas as outras, mas sim porque é honesto com o espectador ao mostrar que nem tudo vai terminar do jeito que a gente quer e que nem todas as histórias são felizes.

Tom e Summer começam a se relacionar e de repente o rapaz percebe estar apaixonado por ela, uma garota perfeita, que cabe exatamente nos seus sonhos. Aí está o primeiro erro, o da projeção: enxergar na pessoa mais do que ela realmente é e por isso projetar todos os seus sonhos, o seu destino e sua felicidade nela. E aí vem uma das lições mais realistas do filme na frase dita pela irmã mais nova de Tom, também sua conselheira amorosa nas horas vagas: “Não é porque uma garota bonita gosta das mesmas porcarias que você que ela é sua alma gêmea”.

Tom tem alguns wake up calls durante o filme, o primeiro deles é quando ela afirma logo no início que não está procurando nada sério, e quando durante uma briga ele precisa saber em que pé está o relacionamento e ela diz que eles são amigos. Momentos nos quais ele poderia ter desistido e seguido seu próprio caminho.

Mas por que Tom não fez isso? Por que ele não terminou quando viu que os dois queriam coisas diferentes? Por que ele preferiu se iludir achando que em algum momento poderia mudar a visão dela sobre o que eles tinham? Querido leitor, se você já esteve apaixonado sabe de todas essas respostas. A nossa visão fica meio turva, construímos esperanças em cima de pequenos sinais, pois desejamos aquilo com todo o nosso coração. Tom deveria ter terminado sim, mas duvido que você no lugar dele faria isso, tem que ter muita força para se afastar enquanto ainda está apaixonado.

Ao mesmo tempo, temos o ponto de vista da Summer e com ele certos questionamentos. Por que ela não terminou com ele assim que percebeu que não poderia sentir o mesmo por ele? Por que logo depois começou a acreditar em relacionamentos e inclusive se casou? Dói demais aceitar isso, mas assim como qualquer um tem o direito de se apaixonar perdidamente, as pessoas também tem o direito de simplesmente não sentir o mesmo, ok? Não é o tipo de coisa que conseguimos controlar nem em nós mesmo quanto menos nos outros. Você pode estar com uma pessoa com gostos parecidos aos seus e que todos os seus amigos amem, querer sentir algo por ela e não conseguir. E esse é um gancho para a primeira pergunta, ela sabia o quanto os dois eram bons juntos e sabia do carinho imenso que sentia por ele, porém também tinha consciência de que seria muito bom se ela pudesse amá-lo e por isso ficou ali para tentar, para ver se em algum momento isso aconteceria. Não aconteceu, as coisas fugiram do controle e enquanto ela pensava em como lidar com isso a relação já estava esfriando. Acontece, galera, a Summer tem coração sim e ela foi honesta o tempo inteiro sobre o que desejava com o Tom.

Os personagens são tão humanos nos seus erros que facilmente poderíamos ser eu e você, ou que com certeza você já viveu ou viverá uma história parecida, afinal nem todas as histórias de amor tem um final feliz. As vezes as pessoas chegam, mudam a sua vida inteira, mas não permanecem e está tudo bem, por mais difícil que seja aceitar que quem a gente deseja não nos quer da mesma maneira.

A primeira vez que assisti o filme, percebi que já tinha sido Summer, as outras vezes, acabei assumindo o lugar de Tom também, e esse lugar independe das nossas personalidades, ele tem uma ligação com nossos MOMENTOS. Vai acontecer de você ser perdidamente apaixonado por alguém que não te corresponda, assim como vai acontecer de você estar num relacionamento onde não consiga corresponder alguém a altura, somos humanos é muito fácil cometer os erros do Tom ou da Summer em algum ponto da sua vida.

Mas lembre-se, amor não é suficiente, ter os mesmos gostos não é suficiente, beleza não é suficiente! Para que a pessoa seja a certa, vocês precisam estar na mesma fase da vida, querendo chegar ao mesmo lugar e se esforçando para isso. Se está sofrendo porque acha que alguém que saiu da sua vida era a pessoa certa, você provavelmente está muito enganado!

Por Leticia Nunes