Pode ser melhor que você pensa (ou não)

Se você está aí pensando na sua nova ou velha vida de solteiro e não está conseguindo aproveitá-la ao máximo, aguarde até o dia 25 de fevereiro. Por que?! Ora, porque simplesmente neste dia chega aos cinemas o filme “Como Ser Solteira” (How To Be Single) que tem o intuito de provar que existe um jeito certo e um jeito errado para atravessar essa fase.

A história se passa em Nova York, cidade cheia de corações solitários que buscam o par ideal, seja ele uma conexão de amor, uma ficada, ou alguma coisa no meio disso. E em algum lugar entre essas mensagens provocantes e saídas de uma noite só, o que todos esses solitários têm em comum é a necessidade de aprender a ser solteiro em um mundo cheio de constantes evoluções sobre a definição do amor. Badalar na cidade que nunca dorme nunca foi tão divertido. E é isso que jovem Alice (Dakota), que acabou de sair de um relacionamento e não sabe muito bem como agir estando sozinha vai descobrir. Mas, para a sua sorte (ou não), a gata tem uma animada amiga (Rebel) que é especializada na vida noturna de Nova York e vai fazer de tudo para ensiná-la a ser uma solteira de carteirinha.

“Como Ser Solteira” apresenta Dakota Johnson (“Cinquenta Tons de Cinza”), Rebel Wilson (“A Escolha Perfeita”), Alison Brie (“O Durão”), Damon Wayans Jr. (“Tiras, Só que Não”), e Leslie Mann (“Bem-vindo aos 40”), sob a direção de Christian Ditter (“Simplesmente Acontece”, “The Crocodiles”).

Ainda tem no elenco Jason Mantzoukas (“Vizinhos”, série de TV “The League”), Anders Holm (“Vizinhos”, “Um Senhor Estagiário”), Nicholas Braun (“As Vantagens de Ser Invisível”) e Jake Lacey (“Girls”, série da HBO).

O filme é uma adaptação do primeiro romance de Liz Tuccillo, “How To Be Single”, lançado em 2008. Liz também é autora do livro em que foi baseado “Ele Não Está Tão a Fim de Você”.

[divider]Ficha Técnica[/divider]

Previsão de lançamento: 25 de fevereiro de 2016 (Brasil)
Direção: Christian Ditter
Roteiro: Marc Silverstein, Dana Fox, Abby Kohn

Por: Rodrigo Zingano

Show Full Content
Previous Nostalgia à vista
Next Crítica: O Quarto de Jack

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close