241687

Aquarius é um filme sobre memória e resistência.  O longa já começa trazendo ao público a sensação de nostalgia, até mesmo do que não viveu. Fotos antigas e em preto e branco da praia de Boa Viagem (em Recife, onde se passa a história) que já nos fazem pensar em tempos idos que deixam saudade, seguido de uma lembrança do passado de Clara (Sônia Braga), a protagonista, que aparece dentro de uma carro na praia com o irmão, a cunhada e o sobrinho, partindo depois para uma festa de aniversário em família que acontece em seu apartamento, não tem melhor jeito de falar sobre memória do que esse.

A aparição da jovem Clara (Bárbara Colen) tem o brilhante toque de uma fotografia que remete à época (anos 80), fora cabelo, maquiagem e figurino que foram perfeitas contribuições para nos fazer embarcar nessa viagem no tempo, principalmente pelo visual da protagonista lembrando o estilo da saudosa cantora Elis Regina, como é mencionado no filme, com o cabelo curtinho após ter superado um câncer.

A mudança na fotografia acontece com a passagem de tempo, nos trazendo para os dias atuais e mostrando Clara  aos 65 anos, vivendo seu dia-a-dia normalmente, ignorando a inexistência de vizinhos que aos poucos é revelada no filme. A personagem é a última moradora do prédio chamado Aquarius, que está sob a mira de uma construtora que deseja derrubar o prédio e levantar um novo espaço, porém clara não está interessada em sair do apartamento e se recusa a vendê-lo.554889.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxxPor ser uma personagem fortemente ligada às suas lembranças, pode parecer à primeira vista que Clara é alguém que vive presa ao passado, entretanto suas memórias servem para mostrar que ela sabe valorizar o que já viveu, mas também sabe viver muito bem o presente. Ela é uma mulher forte e com essa força é que vai enfrentar Diego (Humberto Carrão), neto do dono da construtora e autor do projeto que pretende realizar no lugar do prédio. À princípio parece que nada é feito, mas ocorre uma guerra silenciosa que aos poucos vai tomando forma e vamos reconhecendo o modo de agir de cada um dos lados.Clara com sua força e Diego com assédio e ameaças. O único incômodo se deve a um momento do filme em que fica subentendido que algo de grave pode ter acontecido com a personagem, mas não fica claro. Ficamos pensando que isso será revelado em algum momento e será um ponto importante no filme, porém não é  que acontece, contudo esse fato não estraga a qualidade do filme.

O filme segue intercalando momentos de evocação à memória e os dessa guerra. Tem um bom elenco passando pelo prédio e arredores, fazendo parte da vida de Clara na construção de todas as lembranças. Traz uma mulher forte, brilhantemente interpretada por Sonia Braga e é repleto de críticas e reflexões.  Entrega um final fora do esperado, mas que ressalta ainda mais a garra da protagonista.

Aquarius estreia no Brasil dia 1º de setembro de 2016. Confira o trailer oficial.

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Gleicy Favacho

Gleicy Favacho é uma maquiadora com alma de artista. Quando pequena sonhava em descobrir um mundo fantástico através do armário muito antes de se ouvir falar em Nárnia. Essa imaginação a levou a seguir uma profissão onde ela pudesse participar da construção de vários mundos e histórias diferentes, sendo apaixonada por cinema, teatro e outras artes. Claro que, sendo adulta, já mantém um pouco mais os pés no chão, mas sempre olha dentro de um armário ou outro, afinal, vai que… né?

Previous FICA 2016 – Saiu a lista dos vencedores da mostra competitiva
Next Por que os Estados Unidos tem apenas 2 partidos?

1 thought on “Crítica: Aquarius

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close