Connect with us

Hi, what are you looking for?

Filmes

Brinquedos de “Toy Story” podem morrer, diz diretor

Se já não bastasse todo o clima lúgubre que a pandemia do coronavírus trouxe para a sociedade, agora há uma informação que pode deixar os mais sensíveis devastados, principalmente os fãs da série “Toy Story“. Isso porque o diretor da terceira animação da franquia, Lee Unkrich, respondeu a um fã no Twitter que perguntou se os amados brinquedos podem morrer.

Unkrich não só respondeu, como foi cruel. Seguem suas palavras:

Advertisement. Scroll to continue reading.

Eles vivem enquanto existirem. Mas se eles fossem totalmente destruídos? Digamos, em um incinerador? Fim de jogo.

A pergunta que fica, no entanto, é se a Pixar teria coragem de “matar” Woody, Buzz Lightyear, ou algum dos outros personagens da turma em um filme futuro. Bom, se isso acontecesse traria, por um lado, grande carga dramática para a história, já por outro, devastaria o coração de muita gente. Não sei se o estúdio apostaria em uma jogada tão arriscada, mas tudo é possível.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Imagem: Divulgação/Disney/Pixar

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Formou-se como cinéfilo garimpando pérolas nas saudosas videolocadoras. Atualmente, a videolocadora faz parte de seu quarto abarrotado de Blu-rays e Dvds. Talvez, um dia ele consiga ver sua própria cama.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Crítica

A Pixar mostra todo o seu esplendor com “Lightyear” Há um esforço grande das produtoras nos últimos anos em manterem franquias rendendo com inúmeros...

Filmes

O mundo evoluiu e surgiram estúdios de animações tão bons quanto a Disney Quando você lembra de animação, seja aquelas da sua infância, ou...

Filmes

Filme ainda não tem previsão de estreia A atriz Rachel Zegler (Amor, Sublime Amor) foi fotografada nos bastidores do live action de Branca de Neve caracterizada...

Crítica

O termo Universo Cinematográfico da Marvel já não é de todo correto. “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” já não lida apenas com questões...

Advertisement