Na última sexta-feira (31), Beyoncé Knowles-Carter lançou seu mais novo trabalho audiovisualBlack Is King” na plataforma de streaming Disney+. No trabalho, a cantora recria o universo do remake de “O Rei Leão” a partir da trilha sonora. Mas, é claro que Beyoncé fez algo incrível: colocou mitologia africana no contexto atual de luta antirracista. Simba não é um leão, mas um menino negro buscando forças para viver.

Cantora, compositora, ativista e dona de uma das carreiras mais bem sucedidas da música atual. Mas afinal, porquê Beyoncé é diva? Confira a lista com sete momentos incríveis da sua trajetória:

Feminista desde…. Sempre!

No hit feminista “Who Run The World? (Girls)”, Beyoncé fala diretamente sobre o empoderamento feminino e onde as mulheres realmente devem estar: no topo. Contudo, engana-se quem acha que o feminismo é algo recente na carreira da cantora. Ainda no Destiny’s Child, o grupo lançou a música “Survivor” que fala que a mulher é capaz de seguir seu caminho após o fim de um relacionamento que estava ruim. A mensagem já estava lá. Feliz quem entendeu.

O clipe de “Single Ladies”

Em 2008, Beyoncé lançou o álbum “I Am… Sasha Fierce”, que representa uma grande virada em sua carreira. É desse disco a música que talvez seja seu maior hit: “Single Ladies”. A melodia envolvente junto ao consagrado vocal da cantora já tinha potencial para o sucesso por si só. Mas o clipe veio para aumentar ainda mais a popularidade da faixa, sendo um dos mais conhecidos e também parodiados de todos os tempos. O que ele tem de tão especial? A própria Beyoncé com duas bailarinas e uma coreografia incrível, filmadas em preto e branco. Uma proposta simples que ressalta o melhor de um artista: o talento.

O álbum visual “Lemonade”

O segundo álbum conceitual de Beyoncé “Lemonade” foi lançado em 2016 causando alvoroço tanto pela criatividade quanto pelo forte ativismo político da cantora. Na obra, tratou de temas como feminismo, violência policial contra os negros e até mesmo os problemas conjugais que vivia à época com o rapper Jay Z. O chamado álbum visual veio acompanhado de um longa de 65 minutos exibido pela HBO, teve a participação da tenista Serena Williams no clipe de “Sorry”. Além disso, teve participações de James Blake, Kendrick Lamar, The Weeknd e Jack White. A música “Formation” junta racismo e patriarcado, causando um verdadeiro furor entre a parcela conservadora da população.

“Boycott Beyoncé”

Boycott Beyonce
Imagem: Reprodução/BeyLegion (Twitter)

Como já dissemos, a música “Formation” trata de temas sensíveis, entre eles a violência policial contra os negros. E justo essa música foi a escolhida da cantora para a apresentação de intervalo no Superbowl de 2016, dividindo o palco com Coldplay e Bruno Mars. Na ocasião, anunciou a Formation World Tour. Isso motivou o sindicato policial dos EUA a lançar uma (vergonhosa) campanha de boicote aos shows da turnê dela no país. E o quê ela fez? Ironizou a situação e transformou em lucro: vendeu camisetas estampando os dizeres “Boycott Beyoncé” em seus shows. E ainda vestiu o staff com elas. Uma jogada de mestre!

O documentário “Homecoming”

Em 2018, Beyoncé foi a primeira mulher negra headliner do festival Coachella, que acontece desde 1999. Em 2019, ela lançou na Netflix o documentário “Homecoming: A Film by Beyoncé”, que mostra os bastidores e a preparação para o show histórico. Mas o que se viu foi muito além dos detalhes do show. Foi um retrato sensível e honesto da artista, no qual foram abordados temas muito particulares como maternidade, sua luta para perder peso e ainda o racismo. Vale muito a pena assistir.

Beyoncé no Superbowl

Beyonce Destinys Child Superbowl
Imagem: Reprodução/AP Photo (Crédito: Gerald Herbert)

A polêmica apresentação da cantora no Superbowl de 2016 não foi a primeira. Anteriormente, em 2013, ela fez um grande show no intervalo do evento esportivo de maior audiência no mundo. O show foi um passeio por toda sua carreira e ainda convidou para a apresentação suas companheiras de Destiny’s Child Kelly Rowland e Michelle Williams para um medley incrível com as músicas do grupo.

Aquela apresentação no VMA 2016

Beyoncé no VMA 2016
Imagem: Divulgação/MTV

O ano de 2016 foi um divisor de águas na carreira de Beyoncé. Um álbum visual conceitual, turnê mundial, se apresentou mais uma vez no Superbowl. Contudo, a diva ainda tinha mais uma surpresa para os fãs: uma performance impressionante de 15 minutos no famoso prêmio Video Music Awards da MTV. O show aliou elementos já característicos dos shows da artista com a identidade visual do álbum “Lemonade”. Ah e só mais um detalhe: venceu oito das 11 categorias a que concorria, incluindo vídeo do ano por “Formation”.

A lista traz sete feitos que reforçam o porquê Beyoncé é diva. Cantora, compositora, empreendedora, ativista… Com toda certeza, uma das grandes personalidades do início do século XXI.


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Amanda Moura

Bibliotecária, doutoranda em História das Ciências, e das Técnicas e Epistemologia. Apaixonada por cinema, séries e cultura em geral. Sem Os Goonies talvez não estivesse por aqui.

Previous Lollapalooza 2020 Chicago ao vivo agora, acompanhe aqui!
Next Brinquedos de “Toy Story” podem morrer, diz diretor

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close