Se o caro leitor não sabe o que é shippar, vou explicar. Shippar é quando você torce para um casal que apareceu em filmes, tipo o povo que torce pelo casal de “Cinquenta Tons de Cinza” (mas eles definitivamente não estarão nessa lista!). Vou falar dos casais “shippaveis” dos últimos 30 anos.

Patrick Swayze fez todo mundo mais que “shippá-lo” com alguém. Nos anos 80, exalando toda aquela masculinidade e dançando muito (Swayze, além de ator era bailarino profissional com muitos anos de estudo em dança) ele fez algum sucesso em filmes de ação, mas estourou mesmo foi em “Dirty Dancing – Ritmo Quente”, como o bad boy Johnny que acaba se apaixonando pela jovem Baby quando ela vai passar suas férias do hotel em que ele trabalha. A química entre Swayze e Jennifer Grey, que interpretava Baby, foi explosiva e fez muita gente amar o filme e o casal.

O ator ainda teve mais um filme romântico no currículo, que fez muita gente torcer por ele com outra atriz, “Ghost – Do Outro Lado da Vida”. Ao som de “The Unchained Melody”, Swayze vivia uma linda história de amor com Demi Moore a ponto de, mesmo morto depois de um assalto, voltar para protegê-la. As cenas românticas deram certo e o casal Moore-Swayze foi muito shippado durante anos (mas, Swayze era bem casado com a bailarina Lisa Nemi).

Outro ator que também tem pelo menos duas atrizes com quem forma bons pares românticos é Keanu Reeves. Em 1994 ele já era um ator conhecido por outros filmes como “Bill & Ted” e “Caçadores de emoções”, quando aceitou fazer “Speed” (Velocidade Máxima) com a novata Sandra Bullock. O filme de ação tinha alguns momentos de climinha entre casal, mas foi o bastante pra shippar os dois. Mais de 10 anos depois, “Keandra” (o nome do shipp entre Keanu e Sandra) voltaram a se encontrar em um filme romântico apaixonante, “A Casa do Lago”, e fizeram muita gente torcer (ou continuar torcendo) pelos dois.

Já em 1997, Keanu atuou com outra atriz que não era tão novata assim, mas estava ainda começando, a sul-africana Charlize Theron, em “O Advogado do Diabo”. Eles faziam um casal apaixonado que passava por provações do diabo em pessoa. Em 2001, voltaram a atuar juntos em “Doce Novembro” como os apaixonados Sara e Nelson. A história é linda e a química entre eles é simplesmente explosiva e apaixonante, fazendo a gente suspirar para que eles ficassem juntos para todo o sempre.

“Titanic” é provavelmente o filme de romance mais apaixonante que muita gente escolheria. O naufrágio do mega navio serve como pano de fundo para o romance de Jack e Kate, embalados pela voz de Celine Dion cantando “My Heart Will Go On”. Mas, nada funcionaria bem se não fosse pela química impressionante que Leonardo DiCaprio e Kate Winslet tiveram juntos. É tanta verdade em cena que chega a ser muito difícil não acreditar neles como casal. Anos mais tarde, eles fizeram um outro filme juntos, “Foi Apenas Um Sonho”, um drama romântico que mais uma vez abusou da força que ambos tinham juntos para fazer uma filme acontecer. Ouso dizer que com mais nenhuma outra atriz DiCaprio consiga passar tão bem um romance em um longa.

Outros que funcionam mais que bem juntos são Ryan Gosling e Rachel McAddams. O romântico Diário de Uma Paixão” usa e abusa do talento dos atores não só para atuar, mas para convencerem de que são realmente um casal. E tendo em vista que Gosling e McAddams realmente foram um casal e realmente tiveram um relacionamento tão intenso quanto seus personagens na obra, não é nada difícil se apaixonar por eles. Em outros projetos eles também conseguiram fazer casais apaixonantes com outros atores, mas a química que tinham um com outro foi difícil de superar. 

Obviamente existem vários outros casais antes do anos 80 que seriam bem shippaveis também. E outros que eu deixei de citar aqui, mas alguns são forçosamente shipps enquanto esses têm algo de química verdadeira entre eles.