Na última sexta-feira, dia 21 de abril, a Woo! Magazine teve a honra e o prazer de prestigiar a peça Inimigo Oculto da Cia Ciclus de Teatro. E aqui, podíamos falar de um tudo. Mas estragar as surpresas e ensejos nunca foi muito a nossa cara. Essa, vocês, caros leitores, terão que pagar para ver. E o que podemos adiantar é que o dinheiro será bem gasto.

Nossa parada foi no bucólico bairro Peixoto, em Copacabana. Em um ponto de encontro pré-estabelecido pela produção, esperamos ansiosos o que estava por vir, já que não há necessariamente um palco, um teatro, um endereço fixo onde as coisas realmente irão acontecer.

De lá, fomos encaminhados para um apartamento no qual todo enredo seria passado. O grande lance começa aí: você não tem ideia do que vai acontecer. E toda essa expectativa serve de um up a mais para que a magia do teatro realmente ocorra. Agora imaginem: Um grupo de pessoas (nós, o público), esperando alguém (a produção) numa vulnerabilidade, de “o que vem agora?”. Ninguém se conhece, mas há algo que nos torna cúmplices nessa espera.

Por se passar em um apartamento, não tem como ter espaço para muitas pessoas. Logo, cada espetáculo se torna único em suas dimensões. Antes de entrarmos, nos foi passado algumas orientações, como não falar, não fotografar e filmar, desligar o telefone e a principal; caso nos sentíssemos desconfortáveis com alguma situação, caberia apenas levantar o braço e alguém vinha em nosso socorro.

A noite contava com treze ávidos expectadores. Extrapolando a lotação máxima da casa/apartamento/teatro que era de apenas dez. Mas como se tratava da penúltima semana de exibição, ninguém deveria ficar de fora. E bem… quem bom que não ficaram.

Fomos encaminhados ao apartamento de alguém. Mas de quem?  E assim começa o nosso “era uma vez”.  De cara, vemos dois atores assistindo ao futebol. Pai e filho, numa discussão acirrada sobre o tal jogo. Até então, coisas do cotidiano do domingo de noventa por cento dos brasileiros. Jogo na TV. E eis que mãe chega…

As reticências acima merecem ser respeitadas. Aliás toda peça nos trouxe muitas reticencias, aspas, exclamações (muitas!) e interjeições. E a nós, não nos cabe dar spoilers. No final, chegamos à conclusão que Inimigo Oculto não merece apenas ser vista. Merece sobretudo ser sentida.

Era tudo tão real e tão incrivelmente inacreditável, que podia facilmente se passar por ficção. Mas infelizmente a peça nos jogou na cara que a violência contra a mulher é tema que merece ser discutido sim. Que é importante sim. Que se gera desconforto (como nos gerou), é porque, então, está errado. E se está errado acaba virando problema social.

Lamentavelmente as coisas precisam ser expostas de maneira bem clara. Nossa sociedade, ainda que tenha ares de “moderninha” (!) vive em um recôncavo que é pura opressão. O povo diz que a mulher pode vestir o que quiser… mas não pode. Que ela ganha mais que o homem… mas não ganha. Mulher não é reconhecida pela dupla jornada de trabalhar dentro e fora de casa.

O fato, é que a Cia Ciclus mostrou a que veio e deu cara para bater. A Woo! Magazine os parabeniza pelo excelente trabalho de cunho social e coragem pela denúncia. Ah! E sim, pela criatividade e leveza com que os fatos nos foram passados desde o começo.

Confira em breve nossa crítica.