Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica (2): O Doutrinador

“Eu sei o que aconteceu com você, mas isso não justifica o que você está fazendo.”

Miguel (Kiko Pissolato) é o retrato do brasileiro médio. Policial da Divisão Armada Especial (DAE), separou-se de Isabela (Natália Lage) e com ela divide a guarda de Alice (Helena Luz). Ou melhor: dividir, na verdade, não parece o verbo mais adequado. Quando a ex-esposa busca a menina na casa do pai, agradece, afinal, o tempo passado com ela. Em poucas palavras, obrigações parentais convertem-se em favores. Progenitor negligente, como muitos, Miguel ignora as restrições alimentares da filha. Mais grave que comidas com glúten, porém, é o desrespeito à autoridade materna. Apesar de todas as preocupações da ex, o protagonista insiste em levar a filha a um jogo da seleção. No caminho, uma bala perdida atinge Alice. Inconformado com a morte da criança, Miguel desvela mais uma de suas facetas. Além de machista,“O Doutrinador”, encarnação do senso comum nacional, é também truculento.

Mesmo antes da tragédia, a personagem já aspirava à condição de herói. Miguel integra a Operação Linfoma, responsável por investigar o governador Sandro Corrêa (Eduardo Moscovis). Depois de prenderem o político, no entanto, os policiais voltam a lidar com situações corriqueiras, como uma reintegração de posse. Motivo de orgulho da filha, Miguel desdenha esse “trabalho de PM”. A vontade de lutar por algo maior ganha força quando ele perde sua grande admiradora. Com a menina ensanguentada nos braços, uma música exageradamente melodramática pontua a indignação do protagonista. Não há leitos para sua filha. E a culpa é de Sandro Corrêa, agora solto por um habeas corpus.

Advertisement. Scroll to continue reading.

De forma previsível, então, “O Doutrinador” – codinome para o mascarado “herói” – busca vingança. A primeira vítima, igualmente previsível, é o governador. Movido tanto pelo ego quanto pelo ódio, Miguel não para, contudo, por aí. Prefeito, senador, presidenciável: todos perecem nas suas mãos. Nesse sentido, ele não pode dispensar a parceria de Nina Souza (Tainá Medina). Machista e truculento, como previamente descrito, o policial abusa de sua autoridade para ameaçar a jovem hacker. Nina se vê, assim, obrigada a colaborar, ainda que isso a coloque em risco.

Contraponto ao protagonista, a jovem questiona, durante a maior parte do filme, as suas atitudes. Função semelhante desempenha o policial Edu (Samuel de Assis). Em determinado diálogo, por exemplo, as duas visões contrastam-se. Se, por um lado, Edu defende o imperativo “proteger as pessoas”, Miguel, por outro, acredita no “atirar para matar”. A contestação mais eficaz, no entanto, parte da ex-esposa: “Que bom que a Alice não está aqui para não ver no que o pai dela se transformou”, afirma Isabela. Não obstante essas didáticas falas, porém, o privilégio de um único ponto de vista mantém intacto o “heroísmo” da personagem. Mesmo o voice-over final de Nina reitera essa condição.

O roteiro, adaptação da HQ homônima de Luciano Cunha, obviamente diz respeito à situação política do Brasil, em especial do Rio de Janeiro. As referências, demasiadamente explícitas, soam até ingênuas: um governador de iniciais SC, “não seja leviana” durante um debate, entre outras. Nem o product placement, escancarado aos olhos do espectador, escapa da abordagem superficial e preguiçosa. É quase inacreditável, portanto, que o cineasta Gustavo Bonafé tenha também dirigido o bom “Legalize Já – Amizade Nunca Morre”, ainda em cartaz.

Advertisement. Scroll to continue reading.

“O Doutrinador” merece, por fim, um único elogio: não ter estreado antes das eleições. Tamanha descrença na política e semelhante fé na violência representam, em especial nos dias de hoje, um enorme desserviço.

* O filme estreia dia 1 de novembro, quinta-feira.

Advertisement. Scroll to continue reading.

 

Reader Rating6 Votes
4.9
1
Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação, e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

3 Comments

3 Comments

  1. Frank Castle (Terra-200111)

    30 de outubro de 2018 at 15:33

    Crítica horrível e tendenciosa!
    Parece que um lacrador partidário de militância falida escreveu esse texto ridículo!
    Problematizando coisas banais e criticando de forma errônea o descredito na democracia apresentado no filme.
    De longe é uma das piores e mais idiotas críticas que já vi na minha vida!

  2. Miguel Borges

    6 de julho de 2019 at 13:21

    Crítica detestável, hora nenhuma criticou a qualidade da direção, roteiro ou produção, apenas perdeu tempo apontando os traços falhos de personalidade de um personagem no qual você não concorda, mesmo o próprio filme fazendo questão de mostrar que o personagem é falho por natureza. Uma crítica infantil, tendenciosa e raza, o roteirista não tem a obrigação de escrever um personagem para agradar o seu ideal de mundo perfeito, embora o filme do Doutrinador não seja perfeito, merece muito mais que isso.

  3. Pingback: "O Doutrinador: a série" chega ao Canal Space | Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Geek

Em 1982, Ridley Scott comandou uma obra que entraria para o olimpo da ficção cientifica em audiovisual: “Blade Runner”. O filme, que até hoje...

HQ

No mês de conscientização sobre a prevenção e diagnóstico precoce do câncer, livro mostra o impacto emocional da doença para a vítima e suas...

Filmes

A Sequência de “Avatar” sairá já em janeiro de 2021, mas em quadrinhos. Parece que os fãs do filme de James Cameron vão ter...

Séries/TV

Bryan Cranston se mostrou um grande ator depois de seu icônico Walter White de “Breaking Bad“. Agora ele coloca todo seu talento em “Your...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.