Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Albatroz

“Não dorme. Acorda.”

Como Alex DeLarge, protagonista de de “Laranja Mecânica” (A Clockwork Orange, 1971), Simão se senta acorrentado em uma cadeira. Sobre seus olhos, acavalam-se as mais variadas imagens. No filme de Stanley Kubrick, a violência figurada desestimulava a concreta. Em “Albatroz”, por sua vez, ao clique da câmera corresponde o do gatilho.

Fotógrafo profissional, Simão Alcóbar (Alexandre Nero) visitava Jerusalém quando um retrato mudou radicalmente sua vida. O registro, acusado de “impulsivo e irresponsável”, rendeu-lhe uma série de premiações internacionais. Em contrapartida, porém, colocou em xeque um importante compromisso: aquele firmado entre arte e realidade.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Arrependida, a personagem toma a significativa decisão de fotografar sonhos. E o filme a acompanha. A montagem de Fernando Stutz (“TOC – Transtornada Obsessiva Compulsiva”) investe em uma collage de inspirações surrealistas. O recurso, embora instigante, torna-se quase insuportável quando usado em excesso. Pesadelo para o espectador fotossensível, o artifício tampouco deixa ileso o público comum. Apesar da duração relativamente curta – pouco mais de 90 minutos -, o longa revela-se uma estonteante prova de resistência.

Simão não é, contudo, o único artista em conflito. Narradora da história, a escritora Alicia Henricksehn (Andrea Beltrão) também transita entre o imaginário e o real. Seu mais novo livro, “Albatrozes”, muitas vezes se confunde com a sua vida. Enquanto conversa com o detetive Kenny (Gustavo Machado), portanto, ela desperta ainda mais dúvidas acerca do relato.

Além de Alicia, outras duas mulheres se relacionam com o protagonista. A atriz de teatro Rénne (Camila Morgado), por um lado, simboliza a crença no poder transformador da arte. Nesse sentido, o dramaturgo norueguês Henrik Ibsen é seu grande aliado teórico. A cantora Cats (Maria Flor), esposa de Simão, representa, por outro, uma arte falida, entregue às normas do mercado. No lugar de canções autorais, afinal, ela compõe jingles publicitários.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Para apresentar o conflito entre arte e mercado, o roteirista Bráulio Mantovani (“Tropa de Elite”) mergulha no campo da neurociência. A sinestesia – fenômeno no qual pessoas associam cores a notas musicais – acomete Simão. Quando conhece Catarina, assim, sua voz equivale a um tranquilizante azul arroxeado. Na cena (foto), Cats performa em uma pouco criativa cópia do Club Silencio, enigmático cenário do clássico lynchiano “Cidade dos Sonhos” (Mulholland Drive, 2001). Uma vez entregue à indústria, no entanto, essa cor inicial jamais se repete.

Apesar de referenciar-se a David Lynch, “Albatroz” nunca parece entender a dimensão do onírico no cineasta. Dissociada de um anarquismo surrealista, a busca por explicações científicas de Mantovani converte a collage de Stutz em mero maneirismo estético. Em vez de uma obra aberta, então, tem-se um quebra-cabeças – de ordenações diversas, é verdade, mas todas pré-definidas. De todo modo, as complexas personagens, fortalecidas por sólidas atuações – especialmente da dupla Nero (“João, o Maestro”) e Beltrão (“Jogo de Cena” emprestam novas camadas ao texto.

“Albatroz” é, em suma, um filme de imagens tão violentas quanto aquelas que pretende denunciar. Nessa lógica, a publicidade de Cats remete à de Goebbels, e gritos em alemão contrapõe-se à capital israelense e à judia Rénne. Não obstante seu vasto repertório intelectual, porém, o diretor Daniel Augusto (“Não Pare na Pista – A Melhor História de Paulo Coelho”), doutorando em Filosofia pela USP, fracassa em salvar “Albatroz” de seu inevitável destino: tornar-se algo atroz.

Advertisement. Scroll to continue reading.

* O filme estreia dia 7 de março, quinta-feira.


Fotos e Vídeo: Divulgação/Globo Filmes

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating2 Votes
5.15
3
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação, e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

A distribuidora Downtown Filmes e as produtoras Gaya Filmes e Ligocki Entretenimento divulgam o trailer e anunciam que “Pureza” está entrando na disputa pela...

Crítica

Manfredo (Eduardo Moreira) é um homem solitário, mas também um feliz e realizado mulherengo, que vive em um bom apartamento com empregada doméstica (interpretada...

Filmes

“Detetive Madeinusa” tem história criada por roteiristas do Sensacionalista e do Zorra As filmagens de “Detetive Madeinusa”, coprodução da Galeria Distribuidora com a Formata...

Advertisement