Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Atentado ao Hotel Taj Mahal

“- É só um hotel.
– Parece o paraíso.”

Ferido, um jovem se senta sobre uma cama de hotel. Teme que aqueles possam ser seus últimos momentos. Resolve, então, ligar para o pai. Viciados pelas convenções do cinema comercial, os olhos do leitor imaginam uma vítima do “Atentado ao Hotel Taj Mahal”. Para a sua surpresa, trata-se, de fato, de um dos perpetradores.

Interrompendo a ação violenta, a conversa enriquece a personagem. Longe de causalidades unívocas, desvela-se uma complexa realidade social. Envolver-se com o atentado, para além dos ideais revanchistas, traduz-se como o vislumbre de condições outras – não para si, já que o sacrifício é tão coletivo quanto pessoal, mas para os familiares, a quem se prometeu recompensa financeira.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Em vez do esteriótipo dos árabes malvados – título, por sinal, de um interessante documentário -, manifesta-se, portanto, uma fina ironia. Na ficção histórica do australiano Anthony Maras, caricaturais são os brancos. Vasili (Jason Isaacs), o russo, David (Armie Hammer), o estadunidense, e Eddie (Angus McLaren), o australiano: a apresentação de cada um desses homens muito revela sobre a reversão em jogo.

Minutos antes da invasão terrorista, Vasili e David jantam no luxuoso restaurante do hotel. O primeiro, misógino empresário, folheia imagens de mulheres enquanto vocifera, ao telefone, perguntas sobre seus mamilos. Por sua vez, o segundo, em um lapso de memória, ordena um cheeseburger ao garçom. Ainda fora do hotel, por último, o australiano Eddie contesta o valor cobrado em uma lanchonete.

Em comum, transparece nos turistas patente oportunismo. Se um aproveita-se da miséria para explorar a prostituição, os demais tentam se valer da máxima “o cliente tem sempre razão”. Falaria Eddie a verdade ao negar ter comido tal prato? Como David, um recorrente hóspede, não se lembraria da sacralidade da vaca? Mais que mero desconhecimento, trata-se um de desrespeito à cultura local – e tudo bem, já que “o hóspede é deus”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Garçom do hotel, Arjun (Dev Patel) se atrasa. A babá faltou, e ele precisa correr para deixar a filha com a esposa. Não percebe, assim, durante o caminho, a perda de um sapato, indispensável parte de seu uniforme. A manutenção do emprego depende, então, de uma súplica, seguida pelo empréstimo do calçado adequado.

Muito menor que seus pés, o par disponível demanda violência para neles caber. Essa violência física, disposta em primeiro plano, acompanha outra, esta de ordem simbólica. Ao fundo do quadro, imagens do atentado interrompem a artificial propaganda televisiva do hotel. Entende-se, nessa sequência: o verdadeiro terrorismo é o das imagens.

Tal crítica metalinguística não seria possível, contudo, sem um apurado trabalho visual. Por um lado, a fotografia de Nick Remy Matthews (“The Chaperone”) contrasta os tons sépia dos exteriores à multicolorida suntuosidade do hotel. Por outro, a montagem, a cargo do próprio Maras, em parceria com o mais experiente Peter McNulty (“O Mestre”), alterna com constância a violência “de fora” e o refinamento “de dentro”. Há, ainda, os brilhantes planos de multidões aglomeradas ao redor da televisão, cujas notícias – sempre estrangeiras – exploram como entretenimento a desgraça de outrem.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A radicalização da proposta é tanta que, em última instância, “Atentado ao Hotel Taj Mahal” converte-se ele mesmo em um espetáculo da violência. Para tanto, esquece a vergonha e usa e abusa de clichés do gênero: inserções de localização espacial e temporal, imagens de arquivo texturizadas, cartelas finais sobre o destino dos envolvidos, bem como, é claro, uma mensagem final de superação. Infelizmente, muitos entenderão essa sem-vergonhice como opção pelo convencionalismo. Uma pena. Ela é, antes de tudo, uma enorme ironia às práticas exploratórias.

* O filme estreia dia 2 de maio, quinta-feira

Advertisement. Scroll to continue reading.

Fotos e Vídeo: Divulgação/Imagem Filmes 

Reader Rating0 Votes
0
7
Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Carioca de 24 anos. Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Crítica

Não é de hoje que o cinema chileno vem chamando a atenção dos cinéfilos mundo afora. Para citar o sucesso mais recente, basta lembrar...

Crítica

A ideia de fazer um filme do subgênero de suspense policial, parte da premissa de que o longa trará surpresas e criará tensão escondendo...

Crítica

A dubiedade é o ponto mais interessante em “A Caça”, e sem dúvidas é por onde seu enredo gravita. Tal ambiguidade vai mostrando, inclusive, como...

Crítica

O filme “Tarde para Morrer Jovem” pode ser descrito basicamente como uma história pautada em um recorte de vida de uma comunidade chilena logo...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.