Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Divórcio

Igual casamento: divididos entre o lado bom e ruim

Os relacionamentos amorosos é uma fonte inesgotável de inspiração. Embora, muitas vezes, as “inspirações” sejam muito parecidas umas com a outras. De qualquer forma, essas relações fizeram com que o cinema desenvolvesse um gênero que as pudesse satirizar, sem perder o romantismo. As comédias românticas ganharam o mundo e tiveram seu auge na década de 90 e início dos anos 2000. Mesmo existente muito antes disso e com uma produção contínua até hoje, o Brasil demorou a reconhecer a relevância do gênero ao cinema nacional. Entre as novas e divertidas comédias românticas brasileiras temos “Divórcio”.

A trama começa quando Júlio (Murilo Benício) invade o casamento arranjado de Noeli (Camila Morgado) impedindo o término da cerimônia. Ela decide “fugir” com ele e juntos constroem um lar e uma grande empresa de molho de tomates, a JUNO. Com a receita de Noeli e a administração de Julio a empresa os fazem se tornarem um dos casais mais ricos de Ribeirão Preto, interior do estado de São Paulo. Mas a empresa, junto com o tempo, também os tornaram um dos casais mais infelizes das redondezas. Em determinada ocasião, voltando de um evento em São Paulo, o carro acaba a gasolina e eles ficam parados em um “atalho”, no meio do mato, sem sinal de telefone. Júlio resolve ir para casa a pé e diz que pegaria outro carro para buscar Noeli, mas ele acaba ficando não voltando e cai no sono, fazendo com que ela tenha que enfrentar seus medos e voltar pra casa. Tal situação se torna a gota d’água e ela pede o divórcio. A partir daí uma séries de confusões entre eles aumentam e conturbada relação.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Com argumento de L.G. Tubaldini Jr., o roteiro escrito por Paulo Cursino em parceria com Angélica Lopes é agradável. Temos uma criação palpável e, de certa maneira, corriqueira. Mesmo apresentando personagens caricatos, de longe, eles não caem no desgosto e/ou no excesso. Com ponderância, foi desenvolvido uma narrativa dramática com pontos cômicos para um “auto-reconhecimento”. É exatamente nesse quesito que o roteiro se apega, afinal qual casal, com alguns anos juntos, não reconhece o desgaste da própria relação? Que os defeitos ganham mais destaque e a “loucura a dois” sai da vida sexual para a correria do dia a dia?!

Se por esse lado o resultado é ótimo, por outro nem tanto. A história peca em seu ritmo cômico, uma vez que é a comédia o seu marketing. Temos piadas bem estruturadas, divertidas e leves, mas há mais pontos dramáticos que cômicos. Então, esse seria um filme de “dramédia” romântica?! Muito provavelmente poderíamos chamá-lo assim. Tal conceito acaba fazendo com que a produção perca seu ritmo várias vezes. Quando achamos que ele vai nos emplacar uma crise de risos, o roteiro com a direção, alinhada a montagem de Danilo Lemos, abaixa o fogo e deixa a comicidade de lado.

Pedro Amorim, em seu terceiro longa, consegue superar seus trabalhos anteriores. Junto a com a equipe de produção, realiza um longa que não perde em nada à produções gringas. Ele dá uma dinâmica leve e descontraída a toda confusão, além de criar climas de tensão e ação de maneira despretensiosa, mas de alta qualidade narrativa. Claro que a equipe de efeitos especiais e visuais tem sua parcela nessa qualidade, mas o fato de Amorim construir esse dinamismo visual, faz com que seu trabalho cresça e muito. Outro fato relevante é seu trabalho com o elenco, que salta os olhos, fazendo com que todos tenham seu devido mérito em tela. Pelo menos os que realmente são atores.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Nas participações da produção, podemos destacar a de Paulinho Serra, com um bandido/hacker, e Robson Nunes, como Pardalzinho, um dos funcionários da industria Juno. Os advogados Roberto Lobão e Priscila Kadisci, vividos por André Mattos e Angela Dip, são tão gananciosos quanto precisos. Eles exercem uma presença de autossuficiência que nos diverte dentro do contexto em que são apresentados, cada um a sua maneira. Thelmo Fernandes, como Milton, é uma boa caricatura de um solteirão que passou dos 40 e anda meio perdido sobre sua vida amorosa. Já Luciana Paes, como Sofia, é uma figura cômica só com sua expressão seca e suas falas bem colocadas. Mas nós sabemos que o filme é de Murilo Benício e Camila Morgado. Para sermos mais honestos, Benício tem momentos ótimos, mas é Camila que se destaca. Com uma química extraordinária em cena nos sentimos íntimos de Julio e Noeli. Eles mostram que uma caricatura bem feita consegue conquistar, arrancar risos e até emocionar. Interpretar é ser capaz de dar veracidade e isso ambos conseguiram com primor.

Para embalar a trilha da produção, o hino “Evidencias“, de Chitãozinho e Xororó, foi o escolhido. Contudo, o fato da música ter sido regravada é, literalmente, uma heresia. Se o filme não conquistasse, tal fato já o faria perder diretamente metade de sua nota de avaliação. Há canções e canções, e uma das maiores e melhores músicas sertanejas nem sempre pode ser regravada por um(a) cantor(a) do “momento”. O resultado final é desagradável aos ouvidos, embora combine com a proposta do filme. Talvez fosse mais interessante que os próprios artistas fizessem a versão rock n roll. Junto com a banda Fresno, no antigo “Estúdio Coca-Cola Zero” (2008), exibido pela MTV Brasil, Chitãozinho e Xororó fizeram uma excelente rock version de “Evidencias“, que dá de mil a zero no da Paula Fernandes.

Com coisas positivas e negativas, “Divórcio” cativa e entretém. Há bons momentos cômicos, uma narrativa interessante e um elenco afiadíssimo. Vale dizer também o quão interessante é a visão dos personagens dentro do contexto social, levando em conta os direitos e deveres de uma vida a dois e a importância da luta por direitos iguais. A experiência do público pode variar de acordo com a proximidade dele para com a história, mas sem dúvida é um filme brasileiro que merecer ser visto. Uma “dramédia romântica” para se divertir e passar o tempo de forma sadia.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating0 Votes
0
7.7
Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Paulo Olivera é mineiro, Gypsy Lifestyle e nômade intelectual. Apaixonado pelas artes, Bombril na vida profissional e viciado em prazeres carnais e intelectuais inadequados para menores e/ou sem ensino médio completo.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Com estreia marcada para 4 de março, “Lucicreide Vai Pra Marte” com direção de Rodrigo César e acompanha uma dona de casa em um...

Filmes

Com roteiro de Thalita Rebouças, “Pai em Dobro” conta com Eduardo Moscovis, Marcelo Médici e Laila Zaid no elenco e estreia 15 de janeiro...

Filmes

A Warner Bros anunciou o adiamento de “Duna” para 1º de outubro de 2021 nos EUA. Anteriormente, a estreia do filme estava marcada para...

Advertisement