Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Duna

Imagem do Filme Duna
Imagem: Divulgação/Warner Bros.

Frank Herbert é considerado um dos maiores escritores de ficção cientifica de todos os tempos por causa de seu clássico “Duna”. A história e os conflitos interplanetários da família Atreides fez tantos fãs que Hollywood logo se interessou em fazer adaptações cinematográficas da obra. Então, em 1984, o grande David Lynch lançou sua versão, mas como todo cinéfilo sabe, o diretor e roteirista amargou o maior fracasso de crítica e público da sua carreira. O resultado foi tão negativo que “Duna” simplesmente desapareceu nas gavetas dos estúdios por mais de trinta e cinco anos – durante todo esse tempo até houve uma série de TV, mas ela é tão irrelevante que quase ninguém lembra da sua existência. Tudo mudou, no entanto, quando o aclamado Denis Villeneuve decidiu fazer outro filme baseado na obra-prima de Herbert.

Imagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures

Villeneuve foi perfeito para a empreitada, já que é um dos poucos na indústria que consegue dar suas pinceladas autoriais mesmo quando faz filmes comerciais, basta ver o que ele fez em “A Chegada”, “Blade Runner 2049”, entre outros. Por isso, em “Duna” há a garantia de diversão através das grandiosas cenas de ação, ao mesmo tempo em que os subtextos inseridos no roteiro dão aquelas espetadas no espectador mais atendo e politizado. Não daria para esperar menos de uma ficção cientifica, que é um gênero usado especificamente para a construção de utopias e distopias que servem como análise e crítica da sociedade real.  

A história, pautada na política, é sobre a poderosa e respeitada família Atreides, que é designada pelo império para administrar Arrakis, o planeta de onde sai a substância que possibilita com que as naves façam viagens longas pelo espaço. A especiaria, como é chamada a tal substância, é retirada da areia do deserto, que também é habitado pelo povo local e por vermes gigantes. Os nativos sofrem desde sempre com a invasão de estrangeiros que chegam com suas enormes naves e máquinas, retiram o que querem da terra e depois vão embora. Os Atreides, entretanto, são mais justos e honrados, principalmente porque querem desenvolver Arrakis e não só se aproveitar dele. Evidentemente, há forças contrárias que querem o poder para si, além do instável e ciumento império, que pode interferir a qualquer momento.  Duque Leto (Oscar Isaac), Lady Jessica (Rebecca Ferguson) e o herdeiro Paul (Timothée Chalamet) são a família Atreides. A mãe e o filho, além dos títulos de nobreza, possuem o dom da premunição e de fazer com que qualquer pessoa obedeça às suas ordens. Tais habilidades são primordiais, principalmente para salvar a vida de seus usuários.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Leia também: Crítica de Halloween Kills – O Terror Continua

Herbert coloca os poderosos Atreides como invasores de um planeta pobre e envolto em uma religião milenar. Villeneuve usa a história e constrói visualmente uma analogia às várias ocupações das forças militares e imperialistas norte-americanas e europeias aos países do oriente médio. Até as naves parecem os helicópteros usados pelo exército americano, com a diferença de que os seus formatos lembram os de vespas. Não foi aleatório o uso desse inseto como modelo, já que as vespas podem destruir outros ecossistemas facilmente se estiverem em grande quantidade. A diferença entre ficção e realidade é que os Atreides querem a especiaria e não petróleo, que até ganha uma menção quando Barão Vladimir Harkonnen (Stellan Skarsgård), o vilão da história, se banha com uma substância negra e pegajosa. O Negro também faz parte da morada, das roupas e dos móveis dos Atreides em seu planeta natal.  Os ambientes são fúnebres, como se algo muito ruim estivesse para acontecer. Mortes realmente acontecem aos montes posteriormente, e os planos nobres são substituídos pela guerra e pela fuga desesperada.

Imagem: Divulgação/Warner Bros Pictures

É durante as cenas de batalhas, inclusive, que a direção de Villeneuve segura as pontas em sequências de ação bem executadas, mesmo que não sejam brilhantes. As atuações, principalmente de Rebecca Ferguson e sua lady hora apavorada, hora destemida, são outros pontos positivos. “Duna” só não alcança a excelência porque é o primeiro capítulo de uma história extensa. Portanto, quando o espectador está imerso em seu universo e empolgado com o que está por vir, o filme termina sem uma conclusão. Só quando os créditos começam a subir é que vem a triste constatação de que será preciso aguardar alguns anos para saber o destino daqueles já amados personagens. Talvez, a frustação seria menor se o roteiro escrito pelo próprio Villeneuve, junto com Jon Spaihts e Eric Roth, tivesse usado o cliffhanger típico dos finais de temporada das séries televisivas para manter o espectador ansioso para os próximos episódios. É um artificio batido, mas poderia dar certo em um texto com tanta substância.

Vídeo: Divulgação/Warner Bros Pictures

Imagem do Filme Duna
Crítica: Duna
Sinopse
Paul Atreides é um jovem brilhante, dono de um destino além de sua compreensão. Ele deve viajar para o planeta mais perigoso do universo para garantir o futuro de seu povo.
Prós
Filme alia conteúdo politico e social com boa diversão
Atuações muito boas, principalmente de Rebecca Ferguson
Direção sempre acima da média de Denis Villeneuve
Contras
Filme carece de uma conclusão por ser o primeiro de uma possível trilogia
4
Nota
Written By

Formou-se como cinéfilo garimpando pérolas nas saudosas videolocadoras. Atualmente, a videolocadora faz parte de seu quarto abarrotado de Blu-rays e Dvds. Talvez, um dia ele consiga ver sua própria cama.

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Duna Parte 2 é confirmado pela Warner - Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Personagens ganham pôsteres individuais Hoje foram divulgados os pôsteres individuais dos personagens do filme “Duna” que será dirigido por Denis Villeneuve. Na adaptação do...

Crítica

Quando alguém pensa em fazer um filme como “A Guerra do Amanhã”, provavelmente não se preocupa com um roteiro que faça algum sentido logicamente...

Filmes

Marte é realmente o próximo destino da humanidade, que ensaia sua ida ao planeta há anos por meio de envio de satélites e robôs....

Filmes

A Warner Bros. divulgou o trailer de “Reminiscence”, filme que mostra um investigador de mentes, interpretado por Hugh Jackman, que vasculha suas próprias memórias...

Advertisement