Uma coisa a se notar sobre as críticas de cinebiografias é o fato de que dificilmente se aborda o filme sem se falar sobre a vida do biografado. Isso em particular me incomoda, pois em alguns
casos a crítica acaba deixando de ser uma análise sobre o filme como obra isolada e passa a ser uma comparação de filme, em como os eventos que o filme se baseia versus a opinião do crítico sobre o autor e sua obra. Então eu aproveitei a chance de ter visto  um filme sobre Egon Schiele, de quem eu mesmo só conhecia os quadros, e me desafiei a não pesquisar nada sobre a vida do artista antes de terminar o meu texto.

O filme nos traz o jovem e talentoso Egon Schiele (Noah Saavedra), que conduziu sua vida e obra de acordo com as mulheres que o cercavam, como Gerti (Maresi Riegner), sua irmã mais
nova e primeira musa, e Wally (Valerie Pachner), paixão de sua vida, eternizada na famosa
pintura “Morte e a Donzela”.

Utilizando uma estrutura narrativa à la “Jogo da Imitação”, o filme começa no fim da vida de Egon, e através de diversos flashbacks, vai nos levando aos momentos mais importantes de sua
vida, o que acarreta no maior erro do filme: tentar abordar todos esses momentos, sem dar o devido impacto emocional para cada um deles. Isso é muito visível nos relacionamentos do nosso protagonista com suas musas. Estes, quando não sofrem por serem muito abruptos – vide o que acontece com a personagem Moa – sofrem por terem de ser reduzidos, no problemático roteiro de Dieter Berner, que também é diretor do filme.

Outro problema na abordagem de Berner é a própria obra de Egon, que acaba sendo engolida no filme, em pró dos relacionamentos que as geram. E o diretor parece ter a noção do quão superficial é sua abordagem da obra do artista, já que joga para os diálogos a responsabilidade de elucidar as mudanças no estilo de Egon, bem como o fascínio que o público deveria sentir pela arte em si, mas que o filme não tem tempo de construir.


E se se Berner não se esforça para trazer novos elementos para a a estrutura do filme, e falha na composição dos relacionamentos, o mesmo não pode ser dito de seu senso estético para a direção das cenas, desde uma cena em zenital de um quarto, aos tracking shots que nos levam de um cômodo para o outro. Ainda tem a montagem, que prepara o espectador para mudança de tempo nos dando indicativos do estado do personagem na próxima cena, como na cena em que antes de voltarmos para Egon doente, a câmera para em uma planta que está morrendo,
dando uma fluidez poética ao filme.

Visualmente poético e com um senso artístico afinado, a tentativa falha do diretor Dieter Berner, de abordar os pontos mais importantes da vida do artista título pode cair nas graças de quem já conhece a sua vida e vai ler essas tentativas como piscadelas, mas como eu já disse no começo do texto, eu não sou uma dessas pessoas.

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Deivid R. Purificação

Cinéfilo assíduo desde que se conhece por gente,e um amante da nona arte.
É da linha de David Lynch que acredita no potencial onírico das artes.

Previous Crítica: Os Intocáveis
Next Missão Impossível: Efeito Fallout – Filme conquista 97% de aprovação no Rotten Tomatoes

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close