Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Gringo – Vivo ou Morto

“Should Mexico keep us out?” – “Deve o México nos manter fora?” -, estampa a capa de uma revista nas sequências finais de “Gringo – Vivo ou Morto” (Gringo, 2018). A pergunta, propulsora do humor do longa-metragem, inverte a postura segregacionista de Donald Trump, segundo a qual os Estados Unidos deveriam se proteger do país latino com muros. Longe de repetir os chavões do presidente, portanto, o filme abre espaço para uma crítica à sua própria sociedade, a norte-americana. Com isso, os maiores vilões não comandam cartéis clandestinos, e sim luxuosos escritórios em arranha-céus.

Na sala de uma poderosa transnacional em Chicago, o executivo Richard Rusk (Joel Edgerton) atende a um telefonema. Harold Soyinka (David Oyelowo), funcionário responsável por fiscalizar a produção de maconha medicinal no México, sofreu um sequestro. Para resgatá-lo, Rusk e sua sócia e amante, a persuasiva Elaine Markinson (Charlize Theron), precisam desembolsar cinco milhões de dólares. Esse cenário, apresentado já no prólogo, serve de ponto de partida para o roteiro de Anthony Tambakis (“Guerreiro”“Em Busca da Justiça”) e Matthew Stone (“O Amor Custa Caro”“Até que a Fuga os Separe”).

Advertisement. Scroll to continue reading.

Preocupada em surpreender a todo momento o espectador com reviravoltas, a dupla cria difícil missão para o trio de montadores. Reféns de um texto irregular, Luke Doolan (“Reino Animal”“O Presente”), David Rennie (“A Montanha Enfeitiçada”“Idiocracia”) e Tatiana S. Riegel (“Eu, Tonya”“O Verão da Minha Vida”) tampouco emprestam coesão à narrativa. Os múltiplos núcleos parecem, desse modo, desconexos e fragmentários. A história do jovem casal Miles (Harry Treadaway) e Sunny (Amanda Seyfried), em especial, pouco ou nada contribui para o resultado final. De outra forma, suas cenas dificultam a construção de ritmo e obedecem apenas à lógica de improváveis casualidades.

Se falha nesse aspecto, o diretor Nash Edgerton (“O Quadrado”) beneficia-se, no entanto, de um talentoso elenco. Seu irmão, Joel (“O Presente”“O Grande Gatsby”), equilibra com competência malícia e masculinidade frágil para interpretar um traficante de colarinho branco. Contracenando com ele, a experiente Charlize Theron (“Monster – Desejo Assassino”, “Mad Max – Estrada da Fúria”) mune sua personagem de ímpar sedução para manipular parceiros de negócio. Juntos, eles superam a inconsistência dos diálogos e criam engraçadas caricaturas de uma elite empresária. David Oyelowo (“Selma – Uma Luta Pela Igualdade”“Nightingale – Peter e Sua Mãe”), por outro lado, vive com intensidade a “aura de oprimido” do protagonista. Sua descontraída performance, rica em expressividade, garante ao filme um humor sincero.

Os coadjuvantes, contudo, não repetem esse bom desempenho. A Carlos Corona (“A Guerra de Manuela Jankovic”“Pipoca Mexicana”), por exemplo, falta domínio do tempo cômico no papel de Villegas, traficante apaixonado pelos Beatles. A contradição entre violência e apreço pela música não alcança, assim, todo o potencial satírico, e o esteriótipo do mexicano mafioso não se desfaz completamente. Ao lado dele, porém, coexiste o do americano corrupto, representado por Richard. Aproveitando-se da mão de obra barata e da fiscalização frágil do país vizinho, o empresário estadunidense revela-se o principal vilão da trama. Torna-se coerente, logo, a questão final: “Deve o México nos manter fora?”.

Assistir a “Gringo – Vivo ou Morto” demanda, por fim, um desprendimento do espectador. Em primeiro lugar, ele deve deixar de lado o roteiro falho e o ritmo oscilante. Poderá, somente então, divertir-se por alguns minutos. O talento de Oyelowo, Edgerton e Theron reserva, afinal, momentos de espontaneidade em meio a um todo artificial e genérico.

Advertisement. Scroll to continue reading.

* O filme estreia dia 3 de maio, quinta-feira.

 

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating0 Votes
0
4.5
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Crítica

O personagem Predador foi sendo desgastado com o passar dos anos. Após os clássicos filmes de 1987 e 1990, estrelados por Arnold Schwarzenegger e...

Crítica

Momentos loucos em um “Trem-Bala” sangrento e divertido Em poucas palavras podemos dizer que “Trem-Bala” é o caos materializado. Esteticamente o filme traz ótimas...

Filmes

O divertidíssimo Super Quem? (Super Who?) acaba de ganhar trailer oficial divulgado pela Paris Filmes. A distribuidora também divulgou o pôster oficial da comédia que chega aos...

Espetáculos

Todas as quintas do mês de junho esse trio estará em cartaz com “Gengibre”, um stand up comedy que promete arrancar boas gargalhadas do...

Advertisement