Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Knives and Skin

Knives and skin 66
Imagens e Vídeo: Divulgação/Zeta Filmes

O cinema independente norte-americano vem há anos entregando algumas obras que superam em muito as produções vindas da midiática Hollywood. Sem depender das regras de um grande estúdio, e sem a pressão de arrecadar fortunas em bilheteria, filmes como “Donnie Darko” se tornaram cultuados por críticos e cinéfilos. O sucesso dos independentes é devido à criatividade empregada nos roteiros (como no caso de “Darko”) e ao empenho dos cineastas estreantes em fazer a diferença em uma indústria tão surrada pela repetição. Jennifer Reeder, apesar de não ser uma estreante, é mais uma, com seu Knives And Skin, a tentar entrar na prateleira dos cineastas que quebram paradigmas. Bom, dá para dizer que ela quase consegue.

Imagem: Divulgação/Zeta Filmes

“Knives And Skin” não possui uma trama específica. A narrativa é recortada para mostrar as vidas de alguns personagens em uma pequena cidade dos EUA. Todos eles são afetados pelo desaparecimento de uma garota. Ali, naquela sociedade melancólica, eles parecem perdidos no tempo e espaço. Os mais jovens querem fugir para longe, mas não encontram caminhos para tal. As famílias são destroçadas por traições, falta de comunicação e conflitos. A escola está cheia de adultos pervertidos, que compram lingeries das jovens ou tentam abusar delas. Quem mais sofre são exatamente as mulheres, adolescentes ou adultas. Seus corpos são perseguidos, machucados, subjugados. É uma quase história sobre o que é ser mulher na América, e ter que enfrentar maridos ou os garotos imaturos e idiotas. Esses últimos são os clichês em forma de jogadores de futebol americano.

Knives and skin 33
Imagens: Divulgação/Zeta Filmes

O universo feminino é atacado de todos os lados. Os espaços seguros para elas ficam limitados às partes de suas casas que são iluminadas pela cor rosa intensa. Sem esses locais, elas simplesmente desapareceriam, como o corpo da jovem que todos procuram. Há ainda os elementos surreais do longa, que aparecem em frases ditas pelos seus personagens, ou nos elementos visuais, como objetos que brilham para enfatizar a mensagem pretendida por Reeder. A música incidental também é um elemento que causa certa estranheza e angústia, já que ela é quase frequente.  Não é uma música agradável, ela incomoda através do tom e da frequência empregados. Já os atores possuem momentos conjuntos de canto, mas que parecem muito com o que foi feito em “Magnólia” de Paul Thomas Anderson. Em síntese: cada um dos personagens canta a mesma música em locais diferentes, e são unidos em cortes suaves pela montagem.

Veja Também: Spike Lee Classifica Bolsonaro Como Gângster Em Cannes

“Knives And Skin” é construído de forma diferente, mas bem que poderia ser um daqueles filmes tradicionais que falam da juventude sem perspectivas de futuro. Isso é bom e ruim ao mesmo tempo. Se por um lado há a tentativa de inovação, por outro parece que o roteiro e a direção enveredaram por caminhos forçados só para não ficar comum demais.  É certo, no entanto, que há discussões e lições importantes deixados após os créditos finais, o que pode ajudar muitos que estão nas mesmas situações daqueles personagens. Infelizmente, com sua mensagem muito enigmática para cérebros jovens e digitalizados, o filme de Jennifer Reeder pode não atingir tantas pessoas como ela talvez pretendesse.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O filmes é de 2019, mas só hoje estreia nos cinemas brasileiros.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Knives and skin 66
Crítica: Knives and Skin
Sinopse
Na área rural de Illinois, o desaparecimento da jovem Carolyn traumatiza os moradores de uma pequena cidade. Os segredos começam a ser revelados, algumas relações são destruídas e outras se fortalecem. Três meninas, Charlotte, Laurel e Joanna, criam fortes laços após a tragédia.
Prós
Tenta ser diferente em meio a uma Industria que prega pela repetição
Roteiro com temas relevantes
Boas atuações
Contras
Transforma uma mensagem que poderia ser simples e potente em algo forçadamente enigmático
Pode não agradar aos mais jovens, que são exatamente o público para quem o filme fala
3
Nota
Written By

Formou-se como cinéfilo garimpando pérolas nas saudosas videolocadoras. Atualmente, a videolocadora faz parte de seu quarto abarrotado de Blu-rays e Dvds. Talvez, um dia ele consiga ver sua própria cama.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement
Advertisement

Você também pode ler...

Filmes

Exibido na Seleção Oficial de Cannes 2020, “Slalom – Até O Limite” aborda de maneira sensível temas relacionados à saúde mental no esporte Um...

Filmes

Todos os filmes ruins estrelados por Nicolas Cages durante a última década fizeram com que os cinéfilos e seus fãs esquecessem que ele é...

Filmes

Mark Wahlberg é a estrela de “Joe Bell”, filmes que passou pelo Festival de Cinema de Toronto, e que estreia em 23 de julho...

Crítica

Não é de hoje que o cinema chileno vem chamando a atenção dos cinéfilos mundo afora. Para citar o sucesso mais recente, basta lembrar...

Advertisement