Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Memória em Verde e Rosa

Localizada no morro da Mangueira, zona norte do Rio, uma das escolas de samba mais tradicionais da cidade, a “Estação Primeira da Mangueira”, é tema e cenário do documentário “Memória em Verde e Rosa”, que também destaca o morro, onde tudo começou.

A origem do nome Estação Primeira, vem da  estação que era a primeira parada da linha de trem que ia da Central do Brasil ao subúrbio carioca, haviam muitos pés de mangueiras por ali, deu-se origem então à um dos berços do samba.

Fundada em 28 de abril de 1928, próximo à região do Maracanã, por grandes sambistas como Carlos Cachaça e Cartola,  dentre outros, a Estação Primeira começou timidamente, com reuniões de final de semana entre amigos. A dedicação e o amor ao que faziam, levou a escola a ser a primeira campeã do Carnaval do Rio. Hoje a Mangueira possui 19 títulos, sendo o mais recente em 2016, com uma homenagem à Maria Bethânia.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O documentário reúne muitos relatos e curiosidades da época em que ainda não existia um estrelato envolvendo o samba, pelo contrário, quem fazia samba era mal visto, tendo que ter carteira assinada e um emprego reconhecido para conseguir respeito, até mesmo dentro da comunidade.

Alguns protagonistas dessa história dão seus depoimentos, que também conta com um rico material de acervo. Nomes como o lendário mestre-sala Delegado, Tia Suluca (baiana mais antiga da Mangueira), os compositores Nélson Sargento, Xangô,  Hélio Turco, Preto Rico e Jurandir, além dos músicos Carlinhos Pandeiro de Ouro, Jaguara, Cartola, Nelson Cavaquinho, Geraldo Pereira, e muitos outros.

O diretor Pedro von Krüger, contou lindamente a história do morro e da escola de samba através dos próprios sambistas, protagonistas da Mangueira, como o compositor Tantinho. Das barreiras encontradas na época, para se fazer samba, por amor, até o deslumbre e o interesse comercial e financeiro que se tornou uma escola de samba nos dias atuais.

Advertisement. Scroll to continue reading.

É possível perceber, em relatos dos sambistas, a estranheza que se tornou a escola para estes. Com a perda dos amigos e parceiros de samba, os grandes investimentos financeiros – que agora fazem parte da agremiação – e os hábitos tradicionais modificados; o gigantismo e estrelato dos desfile passou a ter atenção principal para as alegorias e não mais para o samba.

A trilha sonora não poderia ser diferente, embalado por muito samba, o documentário se torna empolgante. As imagens se intercalam durante o filme, entre desfiles na sapucaí, festas na quadra da escola, diversos materiais de arquivo – com grandes personalidades do samba – e o cotidiano do morro e seus moradores, como os próprios sambistas, que marcaram a história da Mangueira.

“Memória em Verde e Rosa” estreia 30 de março nos cinemas.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Por Bruna Tinoco

Advertisement. Scroll to continue reading.
Reader Rating4 Votes
9.8
9.4
Written By

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Papo acontecerá dentro da 16ª Edição do Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro As Lives de Cinema do Projeto de Extensão Aruandando no Campus estão...

Crítica

Paul Singer faleceu em abril de 2018, alguns meses antes de Jair Bolsonaro vencer as eleições e se tornar o trigésimo oitavo presidente do...

Filmes

Online e gratuito, festival acontece de 8 a 18 de abril O diretor-fundador do É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários, Amir Labaki, apresentou...

Séries/TV

Produção sobre Brittany Murphy será em duas partes A HBO Max, em parceria com a Blumhouse Television, produzirá uma série documental sobre a falecida...

Advertisement