Crítica: Mistério no Mediterrâneo

Imagem: Divulgação/NetflixImagem: Divulgação/NetflixImagem: Divulgação/NetflixImagem: Divulgação/NetflixImagem: Divulgação/NetflixImagem: Divulgação/NetflixImagem: Divulgação/NetflixImagem: Divulgação/Netflix

Ao que parece, Adam Sandler encontrou um porto seguro para suas comédias no serviço de Streaming da Netflix. A mais recente delas, Mistério No Mediterrâneo”, estreou em 14 de Junho de 2019 e é o sexto projeto do ator com a plataforma.

Um casal, em seu 15° ano de casamento, decide fugir da monotonia de sua rotina e parte para uma viagem pela Europa, na qual conhecem o sobrinho de um bilionário, são convidados para a festa particular de sua família em um luxuoso Iate e acabam se envolvendo com um misterioso assassinato. 

Assim como os filmes “Gente Grande”, “Cada Um Tem A Gêmea Que Merece”, “Os Seis Ridículos” e vários outros da Happy Madison (produtora de Sandler, responsável por esses filmes), “Mistério No Mediterrâneo” é um longa que conseguiu atenção pela expectativa positiva que gerou antes e durante seu lançamento. Essa empolgação com o projeto foi criada primeiramente pela história a ser apresentada, uma comédia investigativa ambientada na Europa e, principalmente, pela força de seus protagonistas, Adam Sandler e Jennifer Aniston, que já trabalharam juntos em Esposa de Mentirinha”. Basicamente, o filme tenta seguir o caminho do gênero de investigação, neste caso sobre um misterioso assassinato, tentativa essa que não mantém muito seu foco por se tratar de uma comédia feita, em sua grande parte, por uma mesma equipe que já tem a bagagem de comédias mal avaliadas. 

Em seu primeiro ato, a direção de Anne Fletcher e Kyle Newacheck se dedica a apresentar o quão chata é a rotina do casal protagonista em uma levada igualmente chata e sem nenhuma empolgação por parte da montagem e de boa parte de seus personagens. Essa decisão não passa de uma tentativa mal-sucedida de fazer o espectador sentir o quão desanimada é a vida do casal.

Assim que se estabelece um motivo para a história seguir seu rumo, o roteiro apresenta uma explicação que, embora não seja impossível, é totalmente improvável e inverossímil para fazer com que os mocinhos estejam no lugar e momento exatos quando o grande acontecimento ocorre. Apesar da inconsistência das situações criadas pelos roteiristas, esses procuraram fazer uma referência a obras clássicas sobre crimes ao apresentar personagens singulares e únicos entre si. Infelizmente, essa apresentação é feita de forma superficial e completamente caricata salvo poucos casos. O maior erro do roteiro é, sem dúvida, a falta de criatividade em explorar o “grande mistério” do filme e criar uma história que realmente instigue o público. A pretensão do roteirista James Vanderbilt foi tão grande que até há uma tentativa de subversão de expectativa para o final do filme que é facilmente previsível, uma vez que o espectador é subestimado por esse mesmo roteiro que não dá a chance para o público tentar deduzir os fatos e ser surpreendido ou não no final, já que toda a informação é dada da forma mais expositiva possível. 

A comédia do filme apela para piadas clichês e estereotipadas de seus coadjuvantes e a maioria delas é feita pelo casal principal ao referenciar a diferença entre as duas classes que estão convivendo juntas. Algumas poucas situações conseguem tirar alguns risos do público mas, em sua maior parte, são forçadas e gratuitas demais para serem consideradas relevantes para a história e para dar o mínimo de seriedade para a situação em que os personagens se encontram (mesmo para um filme leve de comédia). 

O único acerto do filme é a dinâmica do casal. Adam Sandler que, apesar de não oferecer nenhuma novidade além de sua atuação usual em quase todos os seus filmes, dispõe de alguns bons momentos de humor como um policial simplório e nada romântico que está infeliz com seu emprego. Enquanto Jennifer Aniston cativa o público logo em seus primeiros momentos de tela interpretando uma cabeleireira que sonha em ter a lua de mel prometida por seu marido há 15 anos. Luke Evans, Gemma Arterton, John Kani e Terence Stamp também compõe o elenco do filme. 

Mistério No Mediterrâneo” é uma comédia rasa, previsível e nada misteriosa que tenta ser surpreendente, mas só consegue ter alguma relevância pelo peso e dinâmica de seus protagonistas. 


Imagens e vídeo: Divulgação/Netflix

Crítica: Mistério no Mediterrâneo
4Pontuação geral
Votação do leitor 4 Votos
5.8