Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Não Olhe para Cima

Não Olhe para Cimea 3
Imagem: Divulgação/Netflix

Lançado especialmente para o streaming, com reprodução limitada nos cinemas, “Não Olhe para Cima” ou “Don’t Look Up” é a mais nova aposta da Netflix de sucesso instantâneo — não se fala de outro acontecimento na indústria de entretenimento na última semana. O público, a princípio talvez atraído pelo elenco de grande peso, há de ficar pela ácida trama satírica à modernidade, ao passo que não irá tardar para que se compadeça dos protagonistas, em um teatro do absurdo que o telespectador é também personagem.

Imagem: Divulgação/Netflix

Desde as primeiras divulgações, o filme conseguiu aproveitar bem o buzz que veio, entre outros, pela comparação estabelecida entre a presidente desse EUA paralelo, Janie Orlean, interpretada por Meryl Streep, e Donald Trump — e os recortes possíveis desse paradigma não são poucos. Há de se adiantar que embora essa seja a referência de mundo mais escrachada, “Não Olhe para Cima” chega a ser literal nas correlações propostas, algo que não é inerentemente ruim, mas no contexto oferece uma fábula moderna mastigada por completo para uma audiência que não necessariamente está interessada em ouvir.

Além da já mencionada diva de Hollywood, Meryl Streep, o elenco conta com outros nomes consagrados, como Leonardo DiCaprio, Jennifer Lawrence, Rob Morgan e Cate Blanchett, além do novo queridinho da indústria: Thimothée Chalamet. Nesse aspecto não há muito o que se discutir: dentro dos exageros que o roteiro exige, todos estão imperfectivelmente imersos na trama e conseguem dar credibilidade à sátira.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A participação de Ariana Grande também contribuiu para repercutir o filme, e marcaria o grande retorno da estrela na atuação desde sua época na Disney, que desde então fez várias pequenas participações especiais como si mesma e papéis curtos, dedicando-se à carreira musical. No entanto, mais uma vez Ariana tem um papel de menor destaque e em uma certa zona de conforto, no qual se mostrou, entretanto, muito competente, inclusive sendo possível cotada para indicação a uma estatueta de melhor canção original referente à faixa homônima ao longa.

Leia Também: Alguns Dos Melhores Filmes De 2021 Que Você Talvez Não Tenha Visto

Embora seja vendido com comédia como um de seus gêneros, há pouco, senão nada, para se rir nas quase duas horas e meia de “Não Olhe para Cima”, que nessa premissa apocalíptica tenta alertar que “o fim do mundo não é engraçado” — sobre a manipulação midiática, cultura de alienação em massa, valorização do dinheiro sobre a vida e outros, em subtramas que aos poucos vão construindo uma narrativa de maneira muito eficiente, capaz de devorar o telespectador no sentimento de impotência — mesmo que algumas tramas sejam apressadas e/ou mal exploradas. As críticas, ainda que bem amarradas, possuem algo de superficial e fácil percepção, não inventando a roda mas retomando uma mensagem importante que há de ser discutida, com suas devidas concessões.

Uma antiprofecia autorrealizável?

Fazendo uma (aparente) breve digressão, há pouco mais de 100 anos, por acaso Monteiro Lobato publicava “A propósito da exposição Malfatti” n’O Estado de São Paulo, onde teceria duras críticas à exposição de Anita Malfatti e o que chamava de “psicose” e “produto de cérebros transtornados a arte moderna da artista — tal crítica, aliás, foi propulsor para a Semana da Arte Moderna, em 22. Décadas mais tarde seria Portinari que produziria o quadro “Os Retirantes” e afetaria o público com o horror de uma família devastada pela fome e miséria.

Advertisement. Scroll to continue reading.

É de se pensar que se uma vez a arte moderna foi uma vez um farol do pensamento alternativo, ela também foi aderida pela classe dominante, tornou-se produto e perdeu o impacto e a energia iconoclasta. Colocando de outra modo, quando os alvos do direcionamento crítico aderiram as expressões modernistas, e essas foram incorporadas como parte da alta cultura, o que antes era chocante aos poucos vai dando lugar a apatia do cotidiano e uma destruição pela autoironia, e isso vale para o anticapitalismo. Novamente simplificando: ao passo que maldiz a influência dos bilionários no poder e sua utilidade no mundo, “Don’t Look Up” é também produto de uma indústria cinematográfica multibilionária e está longe de ser uma reflexão profunda sobre temas já amplamente discutidos em outras mídias, quiçá de forma mais bem trabalhada: “Parasita” (Bong Joon Ho), “Pure Heroin” (Lorde), “O conto de Aia” (Margaret Atwood) ou até “Vale Tudo”, de Gilberto Braga.

Há duas espécies de artistas. […] A outra espécie é formada pelos que veem anormalmente a natureza, e interpretam-na à luz de teorias efêmeras, sob a sugestão estrábica de escolas rebeldes, surgidas cá e lá como furúnculos da cultura excessiva. São produtos de cansaço e do sadismo de todos os períodos de decadência: são frutos de fins de estação, bichados ao nascedouro. Estrelas cadentes, brilham um instante, as mais das vezes com a luz de escândalo, e somem-se logo nas trevas do esquecimento.LOBATO, Monteiro. O Estado de S. Paulo, 20 de dez. de 1917.

Em retrospecto, “Não Olhe para Cima” promete e entrega grandes atuações, com um elenco competente e um enredo coeso dentro do absurdo que se propõe — a tal “suspensão de descrença” — e uma sátira política interessante, porém longe de ser inovadora ou sutil. Impressiona nos efeitos e consegue prender na telinha a audiência em uma profunda sensação de angústia e impotência do início ao fim, sobretudo para o contexto que foi produzida. As percepções do coletivo mudam com o tempo, só ele dirá com certeza o veredito, mas para os entusiastas ou não, “Don’t Look Up” é uma dessas obras muito particulares sobre um período da história.

Trailer de “Não Olhe para Cima” – Vídeo/Divulgação: Netflix

Advertisement. Scroll to continue reading.
Não Olhe para Cimea 3
Crítica: Não Olhe para Cima
Sinopse
Quando a estudante Kate Dibiasky (Jennifer Lawrence), sob supervisão de seu professor Mindy (Leonardo DiCaprio), descobre um meteoro de grandes dimensões em rota de colisão com a Terra, os cientistas têm a tarefa de avisar as autoridades sobre a ameaça e ajudar a elaborar um plano para evitar a extinção em massa — mas por trás das cortinas há interesses maiores que tentarão tirá-los da jogada e tornarão a missão nada fácil.
Prós
Atuações impecáveis com elenco de grande peso.
Roteiro relativamente coeso e bem desenvolvido.
Argumentação crítica bem amarrada.
Visuais deslumbrantes, fotografia competentes.
Contras
Ao que a argumentação é boa, as críticas não são bem aprofundadas, além de literais.
Algumas tramas são apressadas e relativamente descartáveis; aspecto de fanservice.
3.8
Nota
Written By

Linguista em formação e PhD em shoujo de baixa qualidade. Obcecado por cultura pop e leituras clichê; ainda por descobrir que talvez Kakegurui não seja um traço de personalidade.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Leonardo DiCaprio e Jennifer Lawrence encabeçam o elenco A Netflix divulgou o primeiro teaser de Não Olhe para Cima (Don’t Look Up), um dos principais títulos da gigante...

Advertisement