Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: O Caso Richard Jewell

Não é de hoje, e tem sido assim nos últimos anos, que Clint Eastwood tem seguido um padrão bastante regular em sua filmografia. Antes de mais nada, é importante dizer como é impressionante ver um homem com quase 90 anos ainda produzindo bastante trabalho e que não demonstra vontade de parar. Depois de ter consolidado sua carreira como ator, e também cineasta, Eastwood vem fazendo um trabalho muito pessoal acima de tudo, focado em figuras que o inspiram e o interessam. A maior parte delas são espécies do que poderia ser genericamente chamado de “herói americano”, que é aquele indivíduo cuja trajetória supostamente louvável chama a atenção para si. Muitas vezes, como em “O caso de Richard Jewell”, apenas um ato é responsável para que seu diretor romantize sua imagem.

Por mais admirável que seja a vida de Richard Jewell, como é evidentemente provado durante a projeção, fica difícil se questionar até que ponto as coisas se deram do jeito que foram mostradas. O protagonista é aqui colocado desde o início como extremamente solícito, bondoso e até mesmo ingênuo, o que se contrapõe aos seus antagonistas que vão sempre se mostrando com más intenções. Clint Eastwood nos dá, aqui, uma história sem nuances e sem tons de cinza, sem espaço para humanizar devidamente seus personagens e esse talvez seja um dos grandes defeitos do longa. Há certo apelo ao emocional que não possui a força que poderia por conta dessa construção prévia. Essa é a alma central do longa e é o motivo pelo qual ele até pode ser considerado eficaz, porém limitado.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Para além disso, a direção consegue ser fluida, mas é mais do mesmo que o realizador já vinha mostrando em seus lançamentos mais recentes.

Contudo, a montagem em “O Caso Richard Jewell” impressiona ao mesclar imagens e vídeos de arquivo, da realidade, com o que Eastwood filmou enquanto ficcção. Muitas vezes, o espectador pode ficar confuso e sem saber o que é realidade e o que é ficção, mesmo que por apenas alguns segundos. Não só a transição entre realidade e reconstituição é muito bem feita como também a própria reconstituição, que conta com impecáveis trabalhos de figurino e maquiagem.

“O Caso Richard Jewell” não é brilhante e é mais uma daquelas tramas edificantes que apelam para o emocional. Entretanto, não é ruim e nem ofensiva para seu público, uma vez que Clint Eastwood ainda consegue trazer qualidade para seus trabalhos. Isso, claro, considerando o modo automático que vem sendo mostrado por ele. É um filme problemático, mas nem tão ruim assim.

Advertisement. Scroll to continue reading.


Imagens e Vídeo: Divulgação/Warner Bros. Pictures

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Ser envolto em camadas de sarcasmo e crises existenciais. Desde 1997 tentando entender o mundo que o cerca,e falhando nisso cada vez mais.

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Confira os vencedores do Oscar 2020 | Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Seleção da Mostra Premiére Brasil será anunciada em 21 de dezembro A direção do Festival do Rio anuncia que a edição de 2020, que...

Crítica

O western spaghetti foi o subgênero do western responsável por atrelar a imagem de Clint Eastwood, como ator, à esse tipo de filme através de sua parceria...

Crítica

Giacomo Casanova é uma daquelas figuras históricas que, mesmo sem saber exatamente quem foi ou o que fez de relevante para a sociedade, todo...

Crítica

Num primeiro momento, “Partida” parece ser apenas mais um filme feito no calor dos acontecimentos das eleições presidenciais de 2018, usando as mesmas figuras...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.