Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: O Limite da Traição

Imagem: Divulgação/Netflix

A ideia de fazer um filme do subgênero de suspense policial, parte da premissa de que o longa trará surpresas e criará tensão escondendo os fatos da história, enquanto instiga o público a pensar. No entanto, são tantos os longas desse tipo, que muitas saídas para criar o clima ou esconder os vilões tornaram-se corriqueiras, e por isso, se o roteiro ou a direção não sabe fugir do lugar comum, o mistério perde totalmente o sentido, pois as pistas ficam descaradas no decorrer na película. E no fim, já sabemos o que vai acontecer.

“O Limite da Traição”, novo filme com direção de Tyler Perry para a Netflix, tem uma premissa de história boa, mas a execução e tão batida e cansativa que somente o trecho final traz algum alívio – quando temos alguma ação incisiva. Na história, a advogada Jasmine (Bresha Webb) é selecionada para fazer a defesa de Grace (Crystal Fox) em um caso de assassinato com grande repercussão na cidade. Reconhecida como uma advogada que faz acordos de confissões, Jasmine e posta a prova quando começa a duvidar que sua cliente é realmente culpada.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Em uma história que é contada em dois eixos, o longa cansa o público em mais de um terço do filme. O ritmo lento não nos aproxima de nenhuma das protagonistas e, se quer serve para trazer mais detalhismo a história. Na verdade, perde-se muito tempo com os fatos que levaram Grace a prisão, desde o primórdio do seu relacionamento até o desfecho que a leva a se declarar culpada pelo crime. Enquanto isso, as cenas que apresentam os dilemas e dramas da vida de Jasmine são totalmente expositivas, como se desprezassem o fato do público conseguir entender o que está acontecendo, sem precisar transpor em palavras tão exacerbadas – como na cena de discussão entre amigos.

O roteiro, por sua vez, não faz nada além de entregar o trivial. É insosso, mesmo quando tenta ser tenso, e não consegue esconder quem é o verdadeiro “vilão” da história. Na verdade, tem a audácia de entrega-lo muito rápido, com uma cena bem torpe –  será que eles não acharam que ninguém iria desconfiar sendo que o circulo de suspeitos era bem diminuto, para não dizer único. A direção é Tyler também não apresenta nada de excepcional, no entanto, não é o pior aspecto do longa.

As atuações de Phylicia Rashad e Crystal Fox trazem algum alívio diante dos aspectos negativos. A forma como a personagem Grace vai sendo destruída por um relacionamento abusivo e a diferença apresentada no semblante da personagem nos diferentes momentos da história é uma das provas de que a atriz era maior do que o filme e/ou personagem que lhe foi dada.

Advertisement. Scroll to continue reading.

No fim, “O Limite da Traição” não é nada mais que um amarrado de clichês cansativo. Apesar disso, apresenta um desenrolar final interessante, que destoa do restante do filme, principalmente pelo ritmo dos acontecimentos. Mas nem isso ameniza o fato de ser um filme que subestima o público com um segredo mal escondido e também não entrega o que promete quanto ao subgênero ao qual pretende pertencer.


Imagens e vídeo: Divulgação/Netflix

Advertisement. Scroll to continue reading.

Written By

Cursando Produção Cultural atualmente, sempre foi apaixonado por cinema e decidiu que de alguma forma trabalharia com isso. Tendo como inspiração Steven Spielberg e suas histórias que marcaram gerações, escreve, assiste, lê e aprende, para um dia produzir coisas tão grandes e que inspirem pessoas como um dia ele o inspirou.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Geek

Vem chegando a CCXP Worlds 21, mais uma edição virtual da CCXP. E os fãs de séries sempre criam altas expectativas em cima das...

Crítica

Este texto possui Spoilers do filme Edgar Wright vem encantando os cinéfilos mais pops desde seu “Todo Mundo Quase Morto”, uma comédia sobre zumbis...

Séries/TV

É o Amor: Família Camargo chega em 9 de dezembro A partir de 9 de dezembro, na Netflix, “É o Amor: Família Camargo” vai mexer...

Séries/TV

Netflix apresenta um olhar por trás das câmeras e pôster oficial dos cinco episódios finais de “La Casa de Papel” Para Álvaro Morte, a...

Advertisement