Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Obsessão Secreta

Imagem: Divulgação/Netflix

“Obsessão Secreta”, o novo filme de suspense da Netflix, conta a história de Jennifer (Brenda Song) que acorda com amnésia após um ataque traumático, desde então é o seu marido, Russel Williams (Mike Vogel), que cuida dela. Mas logo ela percebe que o perigo ainda não terminou. 

Apesar de ser um original da Netflix, o filme não possui um pingo de originalidade. O diretor Peter Sullivan, que infelizmente também é o roteirista, não teve vergonha em reciclar enredos batidos de psicopatas e os piorar ao ponto de beirar o ridículo de tão óbvio. Desde o primeiro ato ele deixa claro quem era o assassino, e isso fica evidente pela atuação forçada de Mike Vogel. Mike necessitava entregar um psicopata inteligente e calculista com expressões suaves, mas apenas deixa transparecer um nervosismo duvidoso e uma preocupação exagerada, permitindo ao espectador a chance de desconfiar dele desde o princípio.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Porém o ator não leva toda a culpa, já que o roteiro não o ajuda nem um pouco ao descartar matando o único suspeito, além de Russel, no segundo ato. Sendo assim, o espectador, fica mais da metade do filme aguardando o momento que a protagonista descobrirá a verdade e de qual modo irão deter o assassino – pois todos já sabem de quem se trata.

A tensão que já era quase nula, se torna inexistente com a sua quebra para cenas desnecessárias que poderiam ter sido encaixadas em momentos mais pertinentes, até mesmo, ou então nem estarem no filme, por não acrescentaram nada ( já que serviram apenas de reforço para uma ideia apresentada anteriormente). E isso se torna mais evidente com a personagem interpretada por Brenda Song, que  fuge tantas vezes, a ponto de cansar quem está assistindo, criando uma antipatia por ela. 

Imagem: Divulgação/Netflix

Como o roteiro e direção foram realizados pela mesma pessoa, os diversos close-ups desnecessários combinaram como as frases de efeito repetitivas e fora de hora. Além da introdução de soluções que não faziriam sentido na vida real, como a fita isolante que não tem o poder de imobilizar um tornozelo em caso de torções (mas para Sullivan pareceu ser uma excelente ideia).

Também vale ressaltar a inserção de um suposto drama no arco do policial Frank Page (Dennis Haysbert), mas esse não é explorado, sendo descartado em seguida. Deixando de fora algo que poderia dar maior profundidade para a trama, e que apenas serve de motor para que Frank se esforce ao máximo no novo caso, mesmo que não exista nenhuma ligação entre esse e o anterior. O Furo revela mais uma vez a fragilidade do roteiro, totalmente sem imaginação e que deixa a desejar durante todo trajeto do filme.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Em meio a tantas falhas a atuação de Dennis Haysbert é uma luz no fim do túnel. Seu personagem é o que mantém o espectador em frente da tela até o fim do filme – torcendo para que o vilão seja desmascarado. O mesmo não podemos dizer sobre Brenda Song, esta apenas entrega o que se pede sem nenhuma paixão adicional. Atuação correspondente a cinematografia mediana, que não corre o riscos de errar por invencionices descabidas, mas também não acertar, pois não ousar. 

E esse medo de ousar, que poderia mascarar os erros do roteiro ou pelo menos dar equilibrio ao filme, porém, como Sullivan preferiu se manter no confortável, tornou evidente o que tinha de pior – quase tudo – e fez do longa uma verdadeira perda de tempo para a equipe de produção e para todos que o assistiram.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Por Ynara Bispo


Imagens e Vídeo: Divulgação/Netflix

Advertisement. Scroll to continue reading.
Reader Rating0 Votes
0
2
Written By

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Geek

Vem chegando a CCXP Worlds 21, mais uma edição virtual da CCXP. E os fãs de séries sempre criam altas expectativas em cima das...

Crítica

Este texto possui Spoilers do filme Edgar Wright vem encantando os cinéfilos mais pops desde seu “Todo Mundo Quase Morto”, uma comédia sobre zumbis...

Séries/TV

É o Amor: Família Camargo chega em 9 de dezembro A partir de 9 de dezembro, na Netflix, “É o Amor: Família Camargo” vai mexer...

Séries/TV

Netflix apresenta um olhar por trás das câmeras e pôster oficial dos cinco episódios finais de “La Casa de Papel” Para Álvaro Morte, a...

Advertisement