Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Pai em dose dupla

Crianças adultas

Todos os anos centenas de filmes classificados como comédia assolam o mercado do cinema mundial. Algumas dessas comédias, extremamente exageradas, conquistam um boa fatia do público que curte o tipo de filme. Em outros casos, em quantidade bem menor, aparecem produtos com roteiros mais inteligentes, narrativa estruturada e uma direção segura. E, também, existe o caso de filmes como “Pai em dose dupla”, que fica no meio termo entre esses dois estilos.

O filme, estrelado por Will Ferrell e Mark Wahlberg, traz a disputa entre um pai biológico e o adotivo pela atenção da mesma família. Enquanto Brad, trabalha como executivo de uma rádio e faz de tudo por sua esposa Sarah e pelos filhos adotivos, tentando criá-los de forma justa, Dusty reaparece como uma espécie de super-pai, focando em fazer da diversão uma garantia para os filhos. Com isso, Brad acaba precisando aprender a fazer a diferença em uma briga praticamente injusta.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Produzido por Will Ferrell, Adam McKay (que está concorrendo o Oscar como melhor diretor esse ano por “A Grande Aposta”), entre outros, o filme tende a ser um grande sucesso familiar, principalmente dentro dos Estados Unidos e aqui no Brasil (uma vez que nosso país faz crescer cada vez mais oportunidades para filmes cômicos e o publico apoia lotando os cinemas).

O roteiro, escrito por Brian Burns, Sean Anders e John Morris, embora cumpra o seu objetivo com diálogos engraçados conectados a uma sequência de acontecimentos hilários e surreais, possui diferentes falhas estruturais no centro de sua narrativa, deixando a história consideravelmente fraca até um final bonitinho.

Com uma direção ágil e bem definida, trabalhada por Sean Anders, o filme até consegue se manter esperto durante diversas cenas. Contudo, sofre um engasgo crucial no mesmo patamar do roteiro, no meio da história, impedindo o desenvolvimento do mesmo com facilidade. Nesse ponto, a química existente entre o elenco preenche alguns erros e fornece energia suficiente para a produção se transformar completamente e seguir até o final.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Will Ferrell, ao interpretar o carismático Brad, nos faz lembrar de seus melhores personagens desde que começou, com olhares específicos e trejeitos particulares, é difícil não enxergar determinadas realidades em sua atuação. Já Wahlberg, coloca em Dusty a vestimenta do típico machão – algo que sempre esteve acostumado a viver. Entretanto disputa com facilidade as cenas com os outros atores. Todavia, é importante chamar a atenção para o coadjuvante Hannibal Buress, na pele do ajudante Giff, que consegue com poucas falas tornar suas cenas mais interessantes que muitas outras.

Fotografia, direção de arte e figurino, coincidem com clareza em um trabalho simples e aceitável. Um certo charme pode ser visto através de um recorte entre um estilo mais retrógrado, um teor vintage, e um conceito mais moderno, criando uma barreira de épocas entre as personagens.

Com ingredientes perfeitos para agradar diferentes pessoas, efeitos bem trabalhados e muita diversão, independente da falha no roteiro, “Pai em dose dupla” consegue garantir muitas risadas e, por assim dizer, a sua ida ao cinema. E isso sem exagerar no contexto comédia.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating1 Vote
6.1
6
Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Daniel Gravelli é um brazuca que parle français e roda uns filmes por aí. Apaixonado pelos universos da escrita e da atuação, tem um caso com o teatro e morre de amores pelo cinema. Fotógrafo e crítico nas horas vagas, gosta de cozinhar, apreciar um bom vinho e trocar ideias interessantes.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Com estreia marcada para 4 de março, “Lucicreide Vai Pra Marte” com direção de Rodrigo César e acompanha uma dona de casa em um...

Filmes

O teaser insinua a presença de Tails em “Sonic 2” Sucesso de crítica e bilheteria, o filme do ouriço mais querido dos games, “Sonic”,...

Crítica

Antes da estreia, “Mulher-Maravilha” (de 2017) era um filme recheado de desconfianças. Despois do Universo Estendido da DC  (DCEU) ter fracassado, aquele longa chegava...

Filmes

Com roteiro de Thalita Rebouças, “Pai em Dobro” conta com Eduardo Moscovis, Marcelo Médici e Laila Zaid no elenco e estreia 15 de janeiro...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.