Num primeiro momento, “Partida” parece ser apenas mais um filme feito no calor dos acontecimentos das eleições presidenciais de 2018, usando as mesmas figuras e argumentos de sempre para criticar o posicionamento de extrema-direita neoliberal de Jair Bolsonaro. O longa abre com duas cenas que apontam para essa direção, ambas protagonizadas pela atriz Georgette Fadel, figura central do filme: na primeira, ela conta um caso recente em que levou uma cadeirada de alguém e, devido ao clima tenso e intolerante no país, pensou imediatamente que fosse uma represália ao fato de ser lésbica; e na segunda, Georgette é mostrada chorando enquanto assiste pela televisão à apuração de votos em que é confirmada a vitória de Bolsonaro.

Por causa disso, toda a premissa do filme – um grupo de artistas de classe média/alta aluga um ônibus vintage para ir até o Uruguai passar a virada do ano com o ex-presidente Pepe Mujica –, inicialmente, não passa a melhor das impressões. De um lado, parece uma mistura de “Família Rodante” de Pablo Trapero com uma daquelas comédias “irreverentes” que o Festival de Sundance ama, estilo “Capitão Fantástico”; por outro, frente à “bolha” em que as personagens de “Partida” vivem, fica a dúvida de como o filme conseguiria sair do lugar-comum de um certo discurso da “esquerda artística burguesa”.

É uma boa surpresa, portanto, quando se percebe que o filme, de início, adota deliberadamente esse caminho para, em seguida, desestabilizá-lo, tanto discursiva quando esteticamente. Apoiando-se no caráter de “diário de viagem” do projeto, o diretor Caco Ciocler, aos poucos, insere elementos que apontam uma autoconsciência dos limites de seu documentário. Os áudios de WhatsApp entre o diretor e outros membros da equipe ilustram o processo de construção do longa que, devido à pressa com que foi concebido, é compreensivelmente confuso e indeciso. Um ótimo exemplo disso é a sequência na vigília a favor da libertação de Lula, em Curitiba, na qual Ciocler sobrepõe a imagens de Georgette interagindo com simpatizantes do ex-presidente, um áudio seu expondo suas dúvidas sobre manter o trecho no filme ou não, por medo de deixa-lo sem foco.

Em outro momento, durante uma briga entre Georgette e Léo, um empresário de direita, sobre a falta de representação de minorias nas artes (em especial, negros e mulheres), a câmera, por um breve instante, chama a atenção para o motorista Jefferson, o único negro no veículo, alheio à discussão, separado do grupo enquanto exerce seu ofício. Essa atitude, aliada a outros trechos do longa – como aquele em que Georgette diz que os integrantes da viagem são apenas “matizes da burguesia” –, explicitam o posicionamento de “Partida”: considerar o discurso de suas personagens, mas não torna-lo verdade absoluta, pois, numa visão macro, esse grupo preso dentro de um ônibus vintage, fazendo uma viagem impulsiva, representa uma porção ínfima da população. Quem eles representam? O que eles sabem sobre o povo? Como, ainda tão perto dos acontecimentos, eles podem saber com tanta certeza o que elegeu Bolsonaro? São esses tipos de questionamentos e uma necessidade de pensar “como os artistas podem de fato ajudar?” que parecem guiar Ciocler e separam “Partida” de textões de Facebook e filmes “politizados” que só cospem frases de senso comum. É um longa que tem coragem de dizer “só sei que nada sei”.

Levando isso em conta, torna-se ainda mais interessante a intensa metalinguagem que toma conta, em especial, da segunda parte do filme, na qual ficção e realidade são constantemente questionadas. Em um dos áudios de WhatsApp, Georgette afirma que “como atores, nós temos que grifar nossas opiniões e preconceitos”, apontando para uma construção de narrativas e manipulação de personalidades que põem em dúvida até que ponto as pessoas dentro do ônibus de fato são como se apresentam frente à câmera. Além disso, momentos como a grande briga entre Georgette e Léo que, momentos depois, é reencenada por causa de problemas técnicos apenas corroboram essa sensação de nunca saber o que é verdade, o que é mentira e o que é exagero. Uma fake news, por assim dizer.

Uma grata surpresa, “Partida” entende suas limitações e as usa a seu favor, criando menos um filme de verdades absolutas e mais um envolvente jogo de ideologias em meio à trama de ilusões que forma o cinema.

*Até o momento da publicação, não havia trailer disponível.


Imagens: Divulgação/Cisma Produções


Sympla

Partida

3.5
Bom!

Após a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018, um grupo de profissionais do cinema aluga um ônibus e decide ir até o Uruguai passar o Ano Novo com o ex-presidente Pepe Mujica.

Direção
Personagens
Ritmo
Pros
  • Personagens bem escolhidos
  • Discurso tenta fugir do lugar-comum
  • Interessante jogo metalinguístico
Cons
  • Por vezes, reitera demais os mesmos pontos
  • Demora um pouco a encontrar um ritmo satisfatório
Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
João de Queiroz

Passava tardes de final de semana na locadora. Estudou Cinema. Agora escreve sobre filmes.

Previous Os filmes de heróis mais aguardados de 2020
Next e-Sports: 5 jogadores milionários

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close