Os games foram criados para diversão. No entanto, com o passar do tempo, os games foram evoluindo e ganhando histórias complexas. Assim sendo, os games são muito mais que diversão nos dias de hoje, sendo considerados um esporte, distribuindo prêmios e salários altíssimos aos mais habilidosos. A seguir, listamos cinco jogadores que já ficaram milionários com os esports:

N0tail

Imagem: Divulgação/Liquipedia

Johan “N0tail” Sundstein é dono de quatro Majors e dois Internacionais de Dota 2. Como resultado, ele é o jogador mais rico dos esports da atualidade. O jovem de 26 anos já alcançou uma fortuna de quase 7 milhões de dólares. Nada mal.

JerAx

Imagem: Divulgação/Liquipedia

Mais um jogador de Dota 2 na nossa lista e companheiro de N0tail na equipe OG Esports. Aos 27 anos, Jesse “JerAx” Vainikka já passou dos 6 milhões de dólares em premiações e salários.

Bugha

Imagem: Divulgação/Epic Games

O jogador Kyle “Bugha” Giersdorf é o campeão mundial solo de Fortnite em 2019 e já tem um patrimônio de mais de 3 milhões de dólares. Tudo isso aos 16 anos de idade!

XYP9X

Imagem: Divulgação/Astralis

O dinamarquês Andreas “XYP9X” Højsleth da equipe Astralis de CS:GO já ganhou mais de 1,4 milhão de dólares. Além disso, o jogador também é membro fundador da Counter-Strike Professional Players’ Association.

Faker

Imagem: Divulgação/MSI – League of Legends 2017

O koreano Lee “Faker” Sang Hyeok de 23 anos é um dos dois jogadores a ganhar três vezes o campeonato mundial de League of Legends. Por seu desempenho, o jogador da equipe SKT T1 já ganhou mais de 1,2 milhão de dólares.

Nessa lista, optamos por um panorama dos jogadores milionários em diferentes competições e jogos. Entretanto, os jogadores mais ricos do mundo são os de Dota 2. São eles que estão no topo das maiores fortunas dos esports. No Brasil, o destaque é o jogador Gabriel “Fallen” Toledo de CS:GO, do time MiBR. O player já conquistou mais de 988 mil dólares (mais de 3 milhões de reais na atual conversão!).


Sympla

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Amanda Moura

Bibliotecária, doutoranda em História das Ciências, e das Técnicas e Epistemologia. Apaixonada por cinema, séries e cultura em geral. Sem Os Goonies talvez não estivesse por aqui.

Previous Crítica: Partida
Next Crítica: Deerskin – A Jaqueta de Couro de Cervo

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close