Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Tá Rindo de Quê? Humor e Ditadura

“A obra de arte que não corrompe não me interessa”
(Paulo César Pereio)

Em close, o cartunista Sérgio Jaguaribe concede uma entrevista. A voz ao fundo pergunta: “Você é saudosista, Jaguar?”. A experiência, atestada pelas rugas, facilita uma saída de mestre. Bem-humorado, o octogenário olha para a câmera e nega a nostalgia dos tempos passados. Explica: hoje, por exemplo, o serviço de táxi é melhor.

Após a piada, Tá Rindo de Quê?” caminha para uma sólida conclusão. Todo o clima nostálgico aparenta, finalmente, refutado. No lugar dos créditos, contudo, surge Evandro Mesquita. Para o líder da Blitz, os anos de chumbo deixaram saudades. E assim se encerra o filme.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Como indica o subtítulo, “Humor e Ditadura”, a abordagem recai em um humor subversivo, capaz de driblar a censura militar. Nesse sentido, a inventiva arte dos créditos iniciais já antecipa a temida caneta vermelha. Para cada rasura, entretanto, há uma reverência à “Revolução”. Alguém recorda, em seguida, o sentimento geral de incerteza. Para cada receio, porém, há a saudade do “respeito”, verbalizada por Roberto Guilherme. “Qualquer improviso será castigado”, sentencia o sempre lúcido Paulo César Pereio. Para cada Pereio, no entanto, existe um Boni, temeroso da implantação de uma “república socialista” no Brasil.

Criando uma falsa simetria entre a violência de Estado e a violência do humor, o filme parece escusar qualquer ação repressiva. Na visão de Boni, um dos grandes “narradores” da história, eram dois lados em disputa. Carlos Alberto de Nóbrega chega mesmo a afirmar que “quem não era comunista era mal visto no meio artístico”. Nesse campo de batalha, o chumbo não passa de munição para as armas da comédia. A sátira política se torna muito mais difícil durante a democracia, lamentam os entrevistados.

Para além da problemática política, a grande falha do longa-metragem reside no recorte. Sua proposta – qual seja, a de falar sobre duas décadas em diversas mídias – soa hercúlea. Entre o jornalismo, o teatro, a televisão e o cinema, assuntos se apressam e pouco se desenvolvem. Em determinada sequência, por exemplo, inicia-se uma válida discussão sobre a representatividade feminina. Naquela época, segundo Fafy Siqueira, as mulheres se dividiam em dois estereótipos: a gostosa ou a feia engraçada. Limitada pelo tempo, porém, a abordagem não sai da superfície.

Advertisement. Scroll to continue reading.

É então que o documentário caminha para seus último momentos. Com nítido preconceito de classe, confunde popular com popularesco e, ao fim, endossa todo o saudosismo anteriormente construído. “Este filme é dedicado a todos que nos fizeram rir quando a situação não tinha a menor graça”, estampa a hipócrita cartela de encerramento.

Findados os créditos, um trailer anuncia “Rindo à Toa – Humor sem Limites”, uma continuação sobre a comédia a partir de 1988. Alguma dúvida sobre a trilha musical? Ultraje a Rigor, claro. Julgado o primeiro segmento, dificilmente interessantes depoimentos e ilustrativas imagens – com um ótimo trabalho de animação dos cartuns, vale mencionar – compensarão o confuso e simplista discurso. Para a infelicidade do público, o trio de diretores formado pelo casseta Cláudio Manoel e pelos publicitários Alvaro Campos e Alê Braga pouca justiça faz à riqueza do material.

* O filme estreia dia 28, quinta-feira.

Advertisement. Scroll to continue reading.


Fotos e Vídeo: Divulgação/Bretz Filmes

Advertisement. Scroll to continue reading.
Reader Rating0 Votes
0
1
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Séries/TV

Comédia promete divertir com as situações hilárias de uma sogra bem peculiar na casa do filho durante a quarentena  Se conviver 24 horas com...

Filmes

Dirigido por Marcos Prado, filme inspirado em um dos casos reais mais assustadores do Rio de Janeiro, conhecido como “Irmãos Necrófilos”, aborda temas como...

Crítica

Paul Singer faleceu em abril de 2018, alguns meses antes de Jair Bolsonaro vencer as eleições e se tornar o trigésimo oitavo presidente do...

Séries/TV

O Amazon Prime Video divulga o vídeo de making of de “5X Comédia”, série brasileira Original Amazon que estreia no dia 26 de março. O...

Advertisement