Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Tempestade: Planeta em Fúria

Em um futuro não muito distante as condições climáticas do planeta tomam aparentemente um caminho sem volta para a catástrofe. O derretimento de calotas polares, o calor extremo, tsunamis e grandes tempestades passam a colocar em risco a vida humana na terra. Nessa pegada “filme de catástrofe” o novo longa de Dean Delvin chega às telonas com uma abordagem científico-tecnológica que mistura a fantasia de pensar o homem como Deus, à triste realidade para qual as tendências climáticas apontam.

A título de contextualização, as questões relacionadas ao clima global vêm sendo amplamente discutidas em escala mundial. Formalizada em 1997 com o Protocolo de Kyoto, uma cooperação internacional com vistas a redução da emissão de Gases de Efeito Estufa (GEEs) se estabeleceu. E em 2015, no contexto da tão falada COP 21 (em Paris) novas metas foram estabelecidas, buscando uma condição mais justa onde os países mais desenvolvidos (e principais poluidores) não só arcassem com maiores responsabilidades como auxiliassem os países em desenvolvimento em um crescimento econômico mais limpo. O Acordo foi aprovado por 195 países, com o compromisso de não permitir que a temperatura global tenha aumento de 2°C (o que teria consequências catastróficas). Contudo, como a principal causa deste cenário é a queima de combustíveis fósseis, a redução de GEEs possui um forte impacto econômico (tanto nos países desenvolvidos quanto, e especialmente, nas nações emergentes), os envolvidos no acordo apresentam propostas de redução que consideram viáveis dentro do contexto socioeconômico local – as denominadas “Pretendidas Contribuições Nacionalmente Determinadas” (iNDC, na sigla em Inglês). Apesar de considerado ambicioso, alguns especialistas afirmam que o somatório das iNDC não são suficientes para atender as demandas apresentadas pelos trabalhos científicos com vistas ao equilíbrio climático. Deve-se considerar também que desde a assinatura do acordo mudanças de governança em locais relevantes ocorreram (como nos Estados Unidos, por exemplo), e com elas propostas menos limpas também vieram à tona.

O longa parte desse contexto, mas já em um cenário otimista no qual um grupo de cientistas de muitas nacionalidades e de diversas competências desenvolvem uma rede de satélites capaz de evitar catástrofes e controlar o clima. Comandada pelo cientista Jake Lawson (Gerard Butler) o sistema apelidado de “Danny boy” consegue cumprir seu papel com excelência. No entanto, por questões políticas o cientista é afastado do cargo que passa a ser ocupado por seu irmão mais novo Max (Jim Sturgess). Algum tempo após seu afastamento, no entanto, problemas pontuais sinalizam erros graves no sistema. A morte de inocentes em uma nevasca no deserto do Afeganistão ou na extrema alta de temperatura em Hong Kong leva a coordenação recrutar de volta a base seu criador Jake. No desenrolar da trama a briga entre os dois irmãos vai dando espaço a uma cooperação intensa frente a uma ameaça muito mais grave: Uma conspiração que passa a usar o sistema para fins escusos, levando o planeta a uma tempestade global (ou “Geostorm”, seu nome original – muito mais aderente à proposta).

Advertisement. Scroll to continue reading.

Como todo filme de catástrofe que se preze, “Tempestade: Planeta em Fúria” conta com efeitos especiais de alto nível. Isso já pode ser observado no trailer que basicamente apresenta as cenas catastróficas (e bem realizadas) do filme. Mas também é feliz nas imagens em órbita, trazendo ao público cenas muito reais de um futuro nem tão distante. E nesta, a fotografia também deve ser comentada, por criar atmosferas muito distintas entre locais onde relações também diferentes se estabelecem. Por exemplo, o contraponto do ambiente ensolarado (amarelado) da casa onde Jake mora e recebe sua filha, remetendo a uma sensação leve e esperançosa, e o ambiente mais escuro e acinzentado das cenas da cúpula do governo. Nuances como estas podem ser vistas em todos os núcleos, reforçando o papel de cada um em cena.

O trabalho dos atores é bom, mas sem grandes destaques. Somente a jovem Thalita Bateman (“Anabelle 2”) que mais uma vez defendeu bem sua personagem, mostrando que sua estrada pode ser muito longa. A direção e o roteiro de Dean Delvin mostram ao público um filme que foge um pouco do clichê pela sua abordagem mais científica e próxima a realidade ambiental do planeta hoje. Trazer às telas essa discussão tão forte no governo e na academia foi uma proposta diferente (especialmente por relacionar os desastres naturais às ações antrópicas de formas diferentes), e tem seus méritos por isso. Outra característica interessante (e que destoa radicalmente do padrão hollywoodiano) é que durante toda a narrativa se reforça que o projeto não é estadunidense, mas sim fruto de uma cooperação entre 17 países, e que somente com essa união é possível pensar em uma saída para esse problema que é global. Uma crítica negativa que pode ser feita é sobre a inserção de pequenas comicidades em momentos de tensão do filme. Isso o torna mais blockbuster, mas quebra o clima e o foco da narrativa.

“Tempestade: Planeta em Fúria” é uma boa opção de entretenimento para todos os públicos.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating0 Votes
0
8
Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Geógrafa por formação, bailarina por amor e crespa por paixão, Lorena é uma estudante carioca que passa a vida em busca de soluções capazes de melhorar a qualidade de vida. Como boa taurina: é boa de garfo (e como come!) e amante das artes. Por isso se aventura em danças e circos para deixar a vida mais leve! Tem uma cabeça grande que nunca para de trabalhar e divide aqui na WOO suas loucuras e delícias.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Crítica

Antes da estreia, “Mulher-Maravilha” (de 2017) era um filme recheado de desconfianças. Despois do Universo Estendido da DC  (DCEU) ter fracassado, aquele longa chegava...

Filmes

Durante a CCXP Worlds houve painéis sobre séries de TV, quadrinhos, novelas e cinema. Especificamente falando dos filmes, todos os dias algum ator ou...

Filmes

Após sua reabertura, o tradicional e amado cinema paulistano, Petra Belas Artes, está passando por dificuldades para se manter funcionando devido à falta de...

Filmes

Amanhã começa a 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que será majoritariamente online. Por isso, a quantidade de filmes que podem ser...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.