Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: “Um Lugar Silencioso – Parte II”

Um Lugar Silencioso - Parte II
Imagem: Divulgação/Paramount Pictures

John Krasinski sai da zona de conforto na direção e entrega um ótimo filme, mesmo com roteiro estagnado

Um Lugar Silencioso - Parte II
Imagem: Divulgação/Paramount Pictures

Em 2018, “Um Lugar Silencioso” provou que filmes de terror podem – e devem – ser muito mais que jumpscares e gritos. Pelo contrário, colocou a sobrevivência dos personagens no silêncio, diante de uma ameaça alienígena. Curiosamente, a chegada aos cinemas da sequência “Um Lugar Silencioso – Parte 2” foi sucessivamente adiada ao longo de 2020, por uma ameaça invisível do mundo real, a Covid-19. O texto a seguir pode conter spoilers.

Leia também: Crítica: Um Lugar Silencioso

E o filme começa no dia da chegada dos monstros, num flashback. De maneira brilhante, a cena inicial faz referência a cena de início do primeiro filme, trazendo vários elementos daquela farmácia abandonada para um supermercado, com Lee (John Krasinski) fazendo todo tipo de barulho. Enquanto no primeiro filme a estrela é o silêncio, o grande protagonista da parte 2 é acertadamente o som e todo o caos que traz consigo nesse primeiro contato da família Abbott com as criaturas, após a interrupção abrupta de um jogo de beisebol de um típico dia em família.

Outra decisão acertada da direção, foi colocar a tensão em movimento com mais cenas de ação e confrontos das pessoas com as criaturas. Além disso, como agora os protagonistas já sabem o que fazer para enfrentar esses seres, já se permitem sussurrar para se comunicarem e se movimentarem de forma menos calculada. Tecnicamente, tudo certo. A qualidade do som foi ainda melhor que o primeiro e o filme tem bons movimentos de câmera. Mas tudo foi pensado para a experiência nos cinemas, o que é ótimo, mas pode ser um problema em tempos de pandemia.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O ponto fraco aqui é certamente o roteiro. Quando o filme retorna para o ponto onde parou o primeiro, a história se arrasta, se torna repetitiva e beira o ridículo, especialmente em uma cena em que Marcus Abbott (Noah Jupe) decide dar um passeio pelo novo abrigo, mantido por Emmett (Cillian Murphy). Afinal, eles já conhecem muito bem como esses seres agem após mais de 1 ano nessa situação (474 dias, para ser exata). Inclusive, a adição do Emmett à história serviu mais para desdobrar a cisão entre ele e Lee no inevitável terceiro filme.

Um Lugar Silencioso 2
Imagem e Vídeo: Divulgação/Paramount Pictures

O roteiro só se salva quando Emmett e Reagan (Millicent Simmonds) saem em busca de levar o que sabem para uma comunidade que faz transmissões via rádio de uma ilha, onde conhecemos mais uma fraqueza desses alienígenas. Mas a sensação que dá é que o filme foi escrito para ser um filler, ou seja, serve mais para ganhar um tempo para o próximo filme aproveitando o inesperado sucesso do primeiro.

Apesar do roteiro fraco, as atuações fazem um verdadeiro milagre. Dão tudo de si com o pouco que receberam. Emily Blunt entrega muita verdade vivendo uma mãe em constante luta para proteger o que lhe resta, sem tempo sequer de chorar mais uma perda familiar. Mas o grande destaque é, com toda certeza, Millicent Simmonds, com expressividade ímpar e muito carisma, Reagan é merecidamente promovida a heroína da história. Um presente considerando toda a jornada da personagem. Cillian Murphy tem bons momentos mas não chega a impressionar. Infelizmente, todo o potencial que conhecemos de Djimon Hounsou não foi aproveitado pelo pouco tempo de tela do personagem, que sequer tem nome.

Por fim, “Um Lugar Silencioso – Parte 2” é um entretenimento de alta qualidade, que privilegia a ação ao terror com excelentes atuações, mas não avança na narrativa e tem uma conclusão óbvia para trazer mais um filme para a franquia. Agora é aguardar que o desenrolar ou a conclusão dessa história aconteça em um mundo mais tranquilo e pós-pandêmico, onde uma ida ao cinema volte a ser normal.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Um Lugar Silencioso - Parte II
Crítica: “Um Lugar Silencioso – Parte II”
Sinopse
A família Abbott precisa enfrentar os terrores do mundo exterior enquanto luta pela sobrevivência em silêncio. Forçados a se aventurar no desconhecido, eles percebem que as criaturas que caçam pelo som não são as únicas ameaças no caminho da areia.
Prós
Excelente trabalho de direção
Grandes atuações
Equilíbrio entre ação e tensão
Contras
Roteiro muito ruim
Alguns personagens são subutilizados na trama
4.2
Nota
Written By

Bibliotecária, doutoranda em História das Ciências, e das Técnicas e Epistemologia. Apaixonada por cinema, séries e cultura em geral. Sem Os Goonies talvez não estivesse por aqui.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

“My Little Pony : A New Generation” é o título oficial da nova versão da animação clássica Então, mais uma animação clássica ganhará uma versão...

Filmes

Spin-off da franquia G.I. Joe estreia em agosto “G.I. Joe Origens: Snake Eyes”, novo filme da franquia G.I. Joe, acaba de ter seu trailer...

Filmes

A sequência do suspense de sucesso da Paramount chega aos cinemas do Brasil em 15 de julho! A Paramount Pictures liberou nesta segunda-feira (dia...

Advertisement