Connect with us

Hi, what are you looking for?

Música

Green Day arrebata público na Jeunesse Arena e esbanja simpatia

O Curioso caso do Green Day

Na última quarta (01/11), a banda Green Day se apresentou na Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro. A noite marcou a primeira apresentação da turnê “Revolution Radio” no Brasil. Além disso, essa foi a terceira vez que a banda de punk rock passou pelo Brasil, depois de um hiato de 7 anos sem vir para as terras tupiniquins. Como já era de se esperar tivemos um show energético, político, cheio de ironias, mas de extrema simpatia e vibração. A casa não teve sua lotação esgotada, mas isso facilitou para o público que pode “explodir”, no melhor sentido da expressão, e curtir a apresentação. Em 1998, eles vieram com a turnê do disco “Nimrod” e, em 2010, com “21st Century Breakdown”. Dessa vez, a turnê recebeu o título do mais recente álbum, lançado no ano passado.

Nesse processo, presenciamos o curioso caso do Green Day, que ironicamente usamos aqui como subtítulo. A primeira questão se deve ao fato de seu vocalista estar com 45 anos e ter a mesma energia, assim como os demais integrantes, Mike Dirnt (45) e Tré Cool (44). Mas nessa ocasião também presenciamos a dualidade de idades que dividia o público entre jovens e adultos depois dos 35/40. Isso sem contar um grande número de pais que fizeram questão de levar os filhos pré-adolescentes para curtir o show da banda com eles.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O show de abertura foi da banda The Interrupters, que entreteve a platéia enquanto muitos ainda estavam chegando ao local. Para anunciar a chegada do Green Day o som ecoou uma gravação de “Bohemian Rhapsody“, do Queen, e “Blitzkrieg Bop“, dos Ramones, e ainda contou com um “coelho” para animar o público. Com a experiência de quase 30 anos de estrada, a banda mostrou mais uma vez que sabe o que está fazendo e ao longo de quase duas horas e meia de show conseguiu fazer o público urrar de empolgação. E o mix de pessoas presentes mostrou que a banda continua prestigiada pelo público, mesmo que ela não tenha a mesma explosão mundial, como em “American Idiot” (2004).

A post shared by Paulo Olivera (@opauloolivera) on

Mas não foi essa música que abriu o espetáculo. Com um show de luzes, explosões e muitas chamas, a performance começou ao som de “Know Your Enemy“. Nela, tivemos ainda a presença de um fã que foi convidado para subir ao palco. E, a partir daí, foi hit atrás de hit, com grande parte sendo cantada com todas as forças. À frente da banda, Billie Joe Armstrong conquista o público com muita facilidade. Ele percorre todo o palco e faz a galera cantar e entoar muitos “hey-hos“. Esse é um grande ponto para a banda, além de muitos anos de estrada, eles cantam sua setlist, animando os presentes. Eles juntam a potência do rock ao entretenimento do espetáculo, ajudados pelos calorosos brasileiros.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Billie aproveitou muitos momentos para levantar algumas questões. Depois de “Demorou muito, sete anos! Vamos nos divertir e enlouquecer.” ele solta “Chega de negatividade, de coisas ruim. Chega de Facebook e Instagram. Estamos aqui para nos divertir, enlouquecer. Estamos todos juntos essa noite. Todos os punks, todos os bizarros, pois somos uma família!“. E não seria um show do Green Day se não houvesse um discurso político. Até porque a identidade punk veio exatamente como um movimento social e musical político de contracultura. As músicas que abordavam tal tema foram as mais entoadas. “Hollyday” foi introduzida após um discurso de Billie contra o racismo, o fascismo, o sexismo e, principalmente, contra Donald Trump.

A post shared by Woo! Magazine (@woomagazine) on

No decorrer do show, outros dois fãs foram chamados para subir ao palco. O primeiro fã substituiu Billie nos vocais. Na segunda ocasião, foi uma fã que aproveitou para abraçar os ídolos, tocou os acordes da música na guitarra de Billie e ainda saiu do palco com a mesma de presente. Aproximando-se do final do show, a banda resolve fazer outra “graça”. Com uma pausa maior, eles voltam ao palco fantasiados, com destaque para o baterista Tré Cool, com uma fantasia que lembrava passistas de escolas de samba. Com esse clima, eles deram um tom carnavalesco, a la New Orleans. No meio de “King For a Life” rolou um sax faraônico tocando “Garota de Ipanema“. Também nessa parte tivemos ainda um pot-pourri que misturou quatro músicas e entre elas “Satisfaction“, dos Rolling Stones, e “Hey Jude“, dos Beatles.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Com direito a dois “bis“, o show chegou ao fim com “Good Ridence“. Foram só 25 músicas, sem contar o pot-pourri, passando por quase todos os álbuns da banda. Nesse show de trajetória, o que levamos na memória foi um show relativamentre simples, apesar dos muitos fogos soltos no ar, mas de energia abundante. Nesse curioso caso, a banda mostra que já pode ser considerada uma classic rock. Sua estranheza, para alguns, é um ótimo gatilho de extravasamento, sem perder seu teor político. Com muita simpatia e “obrigados” tivemos um show fantástico!

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Paulo Olivera é mineiro, Gypsy Lifestyle e nômade intelectual. Apaixonado pelas artes, Bombril na vida profissional e viciado em prazeres carnais e intelectuais inadequados para menores e/ou sem ensino médio completo.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Música

Atração confirmada no Rock in Rio Demi Lovato anunciou hoje (20) mais um show em São Paulo. Ela que está com a turnê HOLY...

Música

Gravação acontece dia 18 de junho com participações de Daniel, ANAVITÓRIA, Marcos & Belutti, Melim e Tiago Abravanel Falar em Roupa Nova sem cantarolar...

Música

O Rock in Rio surgiu em uma época onde o país passava por mudança, a esperança renascia, e soube se modernizar para o mundo...

Música

Super Bowl acontece nesse domingo com show de Kendrick Lamar e Snoopy Dogg Lá se vão quase 30 ano, quando Michael Jackson, em 1993,...

Advertisement