A Netflix funciona no Brasil desde 2011 e nesses 7 anos modificou completamente a forma que nós brasileiros consumimos produções audiovisual. Hoje, é difícil encontrar alguém que não acompanhe pelo menos uma série. Assistimos filmes e séries não só pela televisão, mas pelos computadores, tablets e celulares, e/em praticamente qualquer lugar. É possível dizer que em 2018 a Netflix é uma das maiores empresas do mundo, chegando bem perto de Google e Facebook. Contudo, a plataforma tem um grande problema: é paga, o que restringe o acesso de muitos usuários e torna o serviço bem menos democrático. Pensando nisso, o estudante paranaense Guilmour Rossi criou o Libreflix, uma plataforma de streaming de vídeos totalmente livre e gratuita. Rossi fez um levantamento de obras audiovisuais que pudessem ser transmitidas de graça na internet sem ferir nenhum direito autoral.

O site foi ao ar em 2017 e já conta com mais de 200 obras divididas em categorias como “Docs”, “Filmes”, “Curtas”, “Séries” e “Infantil” e assuntos como “Música”, “Ativismo” e “Educação”. Não há nenhuma superprodução Marvel ou alguma comédia recordista de bilheteria, mas o Libreflix disponibiliza obras renomadas como o clássico “Metrópolis”, a série infantil “Castelo Rá-Tim-Bum”, o longa nacional “Eu não quero voltar sozinho” até mesmo a série original Netflix “3%”.

O Libreflix utiliza software livre e sua plataforma tem código aberto. A plataforma é independente e não tem fins lucrativos, é desenvolvida comunitariamente e por isso tem custo de manutenção baixo. Entretanto, Guilmour analisa a possibilidade de uma “assinatura voluntária” para quem quiser pagar um valor simbólico para ajudar a iniciativa.

Além do site, o Libreflix já tem um aplicativo para Android e está sendo desenvolvido um app também para IOS.

O estudante de Engenharia de Computação também é responsável pelos projetos Guils TV (um aplicativo compila filmes, desenhos animados e séries de TV presentes em sites da internet) e Temer Golpista (um pulgin para navegadores que substitui ‘Michel Temer’ por ‘Temer Golpista’ todas as vezes que o nome aparece).

Outra alternativa à Netflix, que segue basicamente a mesma ideia de gratuidade e livre acesso do Libreflix, mas com um objetivo um pouco diferente é o Afroflix. Esta é uma plataforma de streamming com um recorte racial, um site dedicado à difundir produtos audiovisuais com temáticas envolvendo a negritude. Fundado há pouco mais de dois anos, o Afroflix divulga produções que tenham pelo menos um profissional negro nos créditos de suas áreas técnicas e artísticas. Hoje, o serviço tem mais de 100 títulos entre filmes, documentários, curtas, vlogs, webséries, clipes e até uma produção original, o filme “Batalhas”, da cineasta Yasmin Thayná, uma das responsáveis pela criação do site. A iniciativa, aliás, é predominantemente feminina, além de Yasmin, foram responsáveis pelo Afroflix a jornalista Silvana Bahia, a desenvolvedora Steffania Paola, a designer Bruna Souza, as pesquisadoras e produtoras Monique Rocco e Erika Candido, além do comunicador Bruno F. Duarte.

A plataforma não recebe nenhum tipo de apoio ou patrocínio e para quem quiser disponibilizar seu conteúdo lá basta inscrever-se no site e esperar para ser aceito. A exigência para cadastrar uma produção no catálogo segue dois critérios. O primeiro é se o produto tem pelo menos uma pessoa negra nos créditos; e a segunda é a avaliação de características mais técnicas do filme, como o roteiro, a linguagem, a experimentação e a criatividade. Há também a possibilidade de indicar alguma produção para fazer parte do site. O Afroflix já tem mais de 15 mil curtidas no Facebook e tem tudo para crescer cada vez mais.


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Cecília Quevedo

Cecília é brasileira sofredora de 7x1, eterna admiradora da seleção de 82 e de um futebol bem jogado. Gosta de samba, moda, literatura, artes plásticas e coisas que envolvam a América Latina de uma forma geral. No mais, acha extremamente difícil falar de si na terceira pessoa.

Previous Gal Gadot faz surpresa para crianças em hospital infantil vestida de Mulher Maravilha
Next Os Incríveis 2 – Filme já tem a maior bilheteria da história para um animação nos EUA

1 thought on “Livre, gratuito e inclusivo: conheça “Libreflix”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close
CLOSE
CLOSE