Fazer quadrinhos no Brasil não é tarefa das mais fáceis. Quadrinhos underground então, é uma batalha hercúlea! E este tipo de batalha é justamente a que Francisco de Assis Marcatti Junior vem travando há 40 anos!

Nascido em 1962 no bairro do Tatuapé, em São Paulo, Marcatti começou cedo a demonstrar o gosto por ilustrações, desenhos e quadrinhos mesmo. Sua primeira publicação foi aos 15 anos na revista Papagaio, feita por alunos de um Colégio que selecionava autores iniciantes. As HQs publicadas foram Fadiga e A vela e já demonstravam uma forte tendência o traço sujo, típico do underground, ainda que Marcatti não conhecesse o movimento americano de São Francisco.

Mais tarde ele fez um curso de produção e impressão gráfica, algo que além de proporcionar amizades importantes, seria determinante em seu modo de fazer quadrinhos futuramente. As influências de Gilbert Shelton e Robert Crumb começaram a aparecer na HQ publicada pela revista Boca, em 1979. Neste mesmo ano o autor ainda lançaria sua primeira edição da revista própria chamada Refugo. Devido a dificuldades com a qualidade da impressão, o segundo número só viria a ser lançado em 1981. Foi por conta disso que Maratti acabou adquirindo sua própria impressora offset compacta. Outra dificuldade que enfrentou foi a de conseguir distribuir seus títulos em livrarias, por isso acabou adotando o método de vender suas revistas de mão em mão nas ruas de São Paulo, em portas de casas de show, bares, teatros etc.

Além de revistas próprias, Marcatti também colaborem publicações de amigos como Chiclete com Banana, Tralha, Monga, Casseta & Planeta, Mega e Mil Perigos. Ao longo do tempo também realizou trabalhos de ilustração, como as capas de discos para a banda Ratos de Porão.

A principal criação de Marcatti viria a ser lançada em 2001. Mesmo com temáticas escatológicas, Frauzio conseguiu uma revista própria pela editora Escala com tiragem de 30 mil exemplares e distribuída em bancas de jornais. Mais tarde o personagem ganhou continuidade pela editora Pro-C. Inicialmente Frauzio faria parte de um videogame que nunca chegou a ser desenvolvido.

Nos anos seguintes Marcatti lançou pela editora Conrad a sua primeira Graphic Novel intitulada Mariposa. Em 2007, ele deixa de lado a temática escatológica, para adaptar o romance A Relíquia, de Eça de Queiroz. Já em 2008 ele se torna colaborador da versão brasileira da revista Mad.

Embora os quadrinhos sejam sua grande paixão, Marcatti também possui boas habilidades em marcenaria, o que acabou lhe rendendo um trabalho extra de construís instrumentos musicais. Mais recentemente também começou a se dedicar à restauração de carros antigos em seus momentos de lazer.

Em 2017, Marcatti completa 4 décadas de produção de histórias em quadrinhos, por isso este ícone das HQs underground merece uma celebração específica. A primeira parte desta comemoração aconteceu na UgraFest: uma exposição chamada Marcatti 40, a qual reuniu 40 pinups do Frauzio desenhadas por 40 artistas diferentes. A exposição foi um sucesso e chegou também em Goiânia, participando do 2º Gibirama. Ainda em 2017 a exposição passará por Curitiba.

A segunda parte da homenagem já está em desenvolvimento, ou melhor na fase de financiamento pelo Catarse. Trata-se de um livro coletânea com 40 HQs do Frauzio criadas por quadrinistas dos mais diversos estilos e gerações e com capa do Pablo Carranza. A data de encerramento do projeto no Catarse é dia 8 de novembro, orém a produção vai acontecer independente de atingir a meta ou não. Os artistas que participam são nomes de peso do quadrinho nacional:

André Diniz, Batista, Bira Dantas, Camilo Solano, Chico Felix, Dan Heyer, Daniel Esteves + Al Stefano, Doutor Insekto, Escape HQ, Fábio Zimbres, Felipe Bezerra, Flávio Luíz + Lica de Souza, Floreal, Franco de Rosa, Galvão Bertazzi, Germana Viana, Gilmar Machado, Guabiras, Guilherme Petreca, Juscelino Neco, Kellen Carvalho, Kiko Garcia, Laudo Ferreira, Lobo Ramirez, Luciano Salles, Miolo Frito, Orlandeli, Pablo Carranza, Paulo Batista, Paulo Crumbim, Pedro Cobiaco, Pedro D’Apremont, Pietro Luigi, Ruis Vargas, Thiago Ossostortos, Tiago Elcerdo, Victor Bello, Victor Freundt + Raphael Fernandes, Vitor Valença e Will.

O livro contará também com prefácio de Antonio Vicente Seraphim Pietroforte (professor de Semiótica da FFLCH-USP) e uma sessão de extras com ilustrações e depoimentos de Allan Sieber, Arnaldo Branco, Carlos Eduardo Miranda, Edgard Scandurra, Fernando Gonsales, Glauco Mattoso, Gualberto Costa, Hunt Emerson, Laerte, Márcio Jr., Ota, Sidney Gusman e outros nomes a confirmar.

Para saber mais informações, acesse o Catarse.


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Tercio Strutzel

Tercio Strutzel ama ler, escrever e desenhar histórias em quadrinhos. Foi editor do fanzine Paralelo, mas hoje quase não consegue tempo pra desenhar. Se especializou em Presença Digital, mas tem diversos projetos fervilhando na mente. Está sempre em busca de atividades culturais por São Paulo. Também é serial reader de Ficção, Fantasia e Terror e viciado em séries.

Previous Crítica: Visages Villages
Next Cinco filmes que vão estrear até dezembro

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close