Este ano te um genuíno super herói brasileiro das história em quadrinhos completando 20 anos de existência: Lagarto Negro!” E para celebrar a importante data, o personagem vai ganhar duas edições especiais comemorativas, a primeiro intitulada Lagarto Negro Especial e um cross-over com o nome Alfa – A Primeira Ordem, o qual irá contemplar o mais recente grande encontro de super-heróis nacionais.

Lagarto Negro é um personagem brasileiro do gênero super-heróis que foi criado em 1998 pelo advogado Gabriel Rocha quando ainda era estudante e estava lançando seu primeiro fanzine, Impacto. Lagarto Negro recebeu este nome de um réptil típico da América Latina com o objetivo de salientar algumas características comportamentais comuns entre eles. O lagarto real é um predador de hábitos noturnos, enquanto o personagem caça criminosos que praticam seus crimes durante a noite.

A idéia para a concepção do personagem era criar um herói nacional para que o leitor do gênero dos super-heróis pudesse se identificar. Com isso foi decidido ambientar as tramas das HQs exatamente no Brasil, mais especificamente o Rio de Janeiro, usando como pano de fundo as questões sócio-políticas. Dessa forma o universo fantástico de um herói seria mesclado a uma realidade crua e bem conhecida dos leitores. Os veículos de ligação entre estes dois mundos são nada mais nada menos do que os noticiários policiais. O personagem em si não tem super poderes, mas para lutar contra as facções do crime organizado da Cidade Maravilhosa ele passou por treinamento em guerrilha urbana. Sua principal arma é o nunchaku, pois ele tem como princípio não fazer uso de armas não letais.

O distinto uniforme cobre toda e qualquer parte do corpo que possa revelar alguma pista sobre a verdadeira identidade do herói mascarado. A fim de potencializar sua camuflagem, o uniforme é quase todo cinza e conta com importantes acessórios como os braceletes de liga de fibra de titânio e o “Lagarto-cinto-de-utilidades”, que guarda praticamente tudo o que o herói precisa, desde agulha e linha para sutura cirúrgica até componentes infravermelho para visão noturna, além de componentes militares, algemas, bomba de fumaça, gás lacrimogêneo, chave mestra, lanterna, bússola, faca, pederneira, câmera digital e finalmente seu inseparável nunchaku. Sua máscara tem abertura para boca e esconde um discreto comunicador que usa par manter falar seu contato, o homem conhecido como Controle.

Pouco se sabe a respeito do alter-ego que se esconde por trás da máscara de Lagarto Negro. O autor da HQ nunca revelou o nome real e nem mesmo sua história. Apenas algumas passagens das histórias vão dando pequenas pistas sobre seu passado. Por exemplo, sabe-se que ele foi  instrutor do batalhão de operações especiais da elite da Polícia Federal e que fez especialização em guerrilha urbana e antiterrorismo em Israel. Lagarto tem como princípio que a disciplina conduz à força. Como também se dedicou a combater a corrupção policial, se viu incriminado pela própria corporação. Por isso decide forjar a própria morte para ressurgir recrutado por uma organização não governamental e trabalhar como gente especial no combate ao crime organizado e à corrupção.

Atualmente, o Lagarto Negro é publicado pela Editora Kimera, na revista Lagarto Negro Especial (formato americano, 32 páginas). Mas ao longo destes 20 anos ele já passou por diversas editoras nacionais – Universo Editora de Publicações Independentes, Júpiter II, PADA – Produtora Artística de Desenhistas Associados, SG Arte Visual, Syndicate Ink, AQL – Associação dos Quadrinhistas de Londrina e Kan Editora. Nessa longa trajetória o Lagarto Negro participou de diversas histórias de encontros com outros heróis brasileiros, como “Heróis na Berlinda” (2000), na saga “Campo de Batalha” (2000) com roteiro de Francinildo Sena e desenhos de Marcelo Salaza, “Guerra Cósmica dos Super-Heróis Brasileiros”. Participou ainda do projeto Álbum “DQB – Heróis Brasileiros: A Ordem” (2014); desse trabalho resultou o álbum “Protocolo – A Ordem”. Este último foi vencedor dos 1º Prêmio ABRAHQ 2015 e do 33º Troféu Angelo Agostini.

Complementando as comemorações, em 2018 o personagem vai estrear sua primeira versão em games para desktop e celulares, em estilo adventure com RPG e exploração. O herói também conta com um acordo de parceria com a empresa Æsyr Customs para produção de estatuetas e itens colecionáveis.


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Tercio Strutzel

Tercio Strutzel ama ler, escrever e desenhar histórias em quadrinhos. Foi editor do fanzine Paralelo, mas hoje quase não consegue tempo pra desenhar. Se especializou em Presença Digital, mas tem diversos projetos fervilhando na mente. Está sempre em busca de atividades culturais por São Paulo. Também é serial reader de Ficção, Fantasia e Terror e viciado em séries.

Previous Resenha: Caraval, de Stephanie Garber
Next Crítica (2): Jogador Nº 1

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close
CLOSE
CLOSE