Este ano te um genuíno super herói brasileiro das história em quadrinhos completando 20 anos de existência: Lagarto Negro!” E para celebrar a importante data, o personagem vai ganhar duas edições especiais comemorativas, a primeiro intitulada Lagarto Negro Especial e um cross-over com o nome Alfa – A Primeira Ordem, o qual irá contemplar o mais recente grande encontro de super-heróis nacionais.

Lagarto Negro é um personagem brasileiro do gênero super-heróis que foi criado em 1998 pelo advogado Gabriel Rocha quando ainda era estudante e estava lançando seu primeiro fanzine, Impacto. Lagarto Negro recebeu este nome de um réptil típico da América Latina com o objetivo de salientar algumas características comportamentais comuns entre eles. O lagarto real é um predador de hábitos noturnos, enquanto o personagem caça criminosos que praticam seus crimes durante a noite.

A idéia para a concepção do personagem era criar um herói nacional para que o leitor do gênero dos super-heróis pudesse se identificar. Com isso foi decidido ambientar as tramas das HQs exatamente no Brasil, mais especificamente o Rio de Janeiro, usando como pano de fundo as questões sócio-políticas. Dessa forma o universo fantástico de um herói seria mesclado a uma realidade crua e bem conhecida dos leitores. Os veículos de ligação entre estes dois mundos são nada mais nada menos do que os noticiários policiais. O personagem em si não tem super poderes, mas para lutar contra as facções do crime organizado da Cidade Maravilhosa ele passou por treinamento em guerrilha urbana. Sua principal arma é o nunchaku, pois ele tem como princípio não fazer uso de armas não letais.

O distinto uniforme cobre toda e qualquer parte do corpo que possa revelar alguma pista sobre a verdadeira identidade do herói mascarado. A fim de potencializar sua camuflagem, o uniforme é quase todo cinza e conta com importantes acessórios como os braceletes de liga de fibra de titânio e o “Lagarto-cinto-de-utilidades”, que guarda praticamente tudo o que o herói precisa, desde agulha e linha para sutura cirúrgica até componentes infravermelho para visão noturna, além de componentes militares, algemas, bomba de fumaça, gás lacrimogêneo, chave mestra, lanterna, bússola, faca, pederneira, câmera digital e finalmente seu inseparável nunchaku. Sua máscara tem abertura para boca e esconde um discreto comunicador que usa par manter falar seu contato, o homem conhecido como Controle.

Pouco se sabe a respeito do alter-ego que se esconde por trás da máscara de Lagarto Negro. O autor da HQ nunca revelou o nome real e nem mesmo sua história. Apenas algumas passagens das histórias vão dando pequenas pistas sobre seu passado. Por exemplo, sabe-se que ele foi  instrutor do batalhão de operações especiais da elite da Polícia Federal e que fez especialização em guerrilha urbana e antiterrorismo em Israel. Lagarto tem como princípio que a disciplina conduz à força. Como também se dedicou a combater a corrupção policial, se viu incriminado pela própria corporação. Por isso decide forjar a própria morte para ressurgir recrutado por uma organização não governamental e trabalhar como gente especial no combate ao crime organizado e à corrupção.

Atualmente, o Lagarto Negro é publicado pela Editora Kimera, na revista Lagarto Negro Especial (formato americano, 32 páginas). Mas ao longo destes 20 anos ele já passou por diversas editoras nacionais – Universo Editora de Publicações Independentes, Júpiter II, PADA – Produtora Artística de Desenhistas Associados, SG Arte Visual, Syndicate Ink, AQL – Associação dos Quadrinhistas de Londrina e Kan Editora. Nessa longa trajetória o Lagarto Negro participou de diversas histórias de encontros com outros heróis brasileiros, como “Heróis na Berlinda” (2000), na saga “Campo de Batalha” (2000) com roteiro de Francinildo Sena e desenhos de Marcelo Salaza, “Guerra Cósmica dos Super-Heróis Brasileiros”. Participou ainda do projeto Álbum “DQB – Heróis Brasileiros: A Ordem” (2014); desse trabalho resultou o álbum “Protocolo – A Ordem”. Este último foi vencedor dos 1º Prêmio ABRAHQ 2015 e do 33º Troféu Angelo Agostini.

Complementando as comemorações, em 2018 o personagem vai estrear sua primeira versão em games para desktop e celulares, em estilo adventure com RPG e exploração. O herói também conta com um acordo de parceria com a empresa Æsyr Customs para produção de estatuetas e itens colecionáveis.