Muitos pensam que para se tornar escritor é preciso apenas ter dom e talento. É claro que essas duas coisas são importantíssimas, mas existe muito além disso por trás de cada parágrafo, cada folha, cada capítulo escrito. Antes de um artigo, uma matéria, um roteiro ou um livro chegar a ser publicado e a ser lido, tem muito estudo e muita preparação. São noites e noites sem dormir e fins de semana sem sair, dedicando todo o tempo aos estudos de técnicas de escrita, de narrativa e da língua portuguesa.

Além de todo o estudo, o que acontece também muitas vezes é que o escritor tem uma ideia super bacana e senta em frente ao computador cheio de energia e de vontade de escrever. Mas um tempo depois começa a ficar desmotivado e meio perdido sobre que caminho tomar no livro, o que fazer com o destino dos personagens e que rumo tomar na história. E aí é que o bloqueio criativo aparece com tudo. A pessoa fica, ali, parada, olhando para o editor de texto do computador totalmente vazio.

Então é nesse momento que entra o método Snowflake, criado pelo escritor israelense Randy Ingermanson, que promete trazer de volta lá do início, todo aquele amor e desejo de conquistar o mundo através da escrita, sem perder o seu estilo próprio de contar histórias.

A ideia consiste em escrever uma narrativa como um floco de neve em formação.

A técnica é dividida em 10 etapas graduais e complementares, que servem para dar suporte na construção da narrativa. É importante também para liberar a criatividade.

No início pode parecer que planejar todo o processo de escrita antes de qualquer coisa é perda de tempo, mas na verdade essa organização feita anteriormente é justamente para poupar tempo e energia lá na frente. E também muitas páginas jogadas no lixo.

Snowflake em 10 passos:

1º passo: Escreva uma frase que resuma a história
• O recomendado é usar menos de 15 palavras
• Não coloque nome de personagens ainda
• Tente unir a visão geral e pessoal

2º passo: Extenda a frase escolhida para um parágrafo
• Escreva onde se passa a história, os principais desastres e o final
• Pode utilizar a estrutura de 3 desastres e 1 final
• De início, o parágrafo pode ter 5 frases. Na primeira, damos uma visão geral de onde tudo vai acontecer. Depois é uma frase para cada um dos dos desastres e para o final

3º passo: Faça algo parecido com o passo anterior, só que dessa vez para os personagens principais.
• Crie fichas para os personagens
• Coloque o nome do personagem
• Uma frase que resuma a história dele
• A motivação do personagem: O que ele quer de forma abstrata; O objetivo dele: O que ele quer de forma concreta; O conflito dele: O que o impede de alcançar seu objetivo; A epifania dele: O que ele vai aprender e como vai mudar
• Um resumo de um parágrafo com a história

4º passo: Agora é hora de voltar na história para expandir o parágrafo inicial em vários parágrafos
• Pegue cada frase do parágrafo e extenda para um parágrafo cada.
• A ideia é que eles terminem em um desastre, com exceção do último que deve contar como o livro termina

5º passo: A mesma coisa agora com os personagens
• Expandir as fichas dos personagens em sinopses mais ricas
• Usar uma página para descrever cada personagem principal
• Usar meia página para descrever personagens secundários
• Contar a história do ponto de vista do personagem

6º passo: Expandir cada parágrafo em uma página
• Já temos a trama principal e as tramas dos personagens.
• Por isso essa é a hora de voltar ao 4º passo e encaixar as tramas dos personagens e transformar os parágrafos em uma página inteira

7º passo: Construa uma ficha detalhada dos personagens
• Escreva tudo o que precisa saber sobre os personagens com detalhes, expandindo o que fez no 3º passo
• Acrescente informações comuns e também as que achar interessante
• Identifique como ele irá mudar ao fim da história
• A partir daqui todos começam a criar vida

8º passo: Outline – Faça uma planilha com os capítulos e cenas
• Com as páginas-resumo, faça uma lista das cenas que acha que podem transformar a história do livro
• Na planilha, escreva cada cena em uma linha, com detalhes como, quem estará na cena, onde será e que ponto de vista pretende usar e quantas páginas terá

9º passo: Desenvolva as cenas como base para um primeiro rascunho
• Aumente as cenas com vários parágrafos, diálogos, objetos, conflito principal, tudo o que conseguir lembrar de detalhes, já com o ponto de vista escolhido
*Esse é um passo opcional para escritores mais experientes

10º passo: Escreva seu primeiro rascunho
• Aqui é que escrevemos de fato a nossa história. O primeiro rascunho. Onde podemos consertar o não tiver bom e tirar ou incluir detalhes

E voilà, temos uma história!

Uma observação muito importante:
Não precisa estar perfeito. O planejamento pode sempre ser feito de novo e podemos voltar todas as vezes que for preciso pra revisar e consertar o for necessário. Agora é só colocar as ideias em prática, ok?!


Sympla

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Erika Kohler

Jornalista (com diploma), escritora metida a cronista e decoradora. Não necessariamente nessa ordem. É uma artista múltipla! Tem a arte no DNA e por isso é amante do mundo das artes. De todas as formas: Cênicas, Visuais e Plásticas.
Carioca, já foi rata de praia, mas hoje prefere o inverno. É gateira de carteirinha e apaixonada por pinguins. Os livros fazem parte da sua vida e estão sempre por perto. Talvez tenha nascido no século errado porque ama o Vintage e o retrô. Adora assistir filmes e séries, sempre acompanhada por um baldão de pipoca. Torce para encontrar com o gato da Alice, pra ele indicar a estrada dos tijolinhos amarelos, que vai direto para a Fantástica Fábrica de Chocolate!!

Previous Crítica: Homem Livre
Next Crítica: Alita Anjo de Combate

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close