Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Homem Livre

Filme Home Livre

“Isso que vocês acham que sentem, acham que escutam, o nome disso é medo.”

Luzes percorrem verticalmente o quadro. Entre telas pretas, um carro trafega pelo subúrbio carioca. O destino é Piedade, bairro de nome tão sugestivo quanto a estroboscopia. No porta-malas do veículo, acomoda-se Hélio Lotte, recém-saído da prisão. Hoje “Homem Livre”, o antigo astro da música precisa lidar com as consequências de seus crimes.

Para além de um território entre Madureira e Méier, Piedade nomeia uma jornada do protagonista. Mesmo após o cumprimento da pena, a condenação permanece nos tribunais do povo e da mídia. Faz-se necessária, portanto, uma busca por perdão. Nesse sentido, Hélio conta com a ajuda do pastor Gileno Maia, líder da Igreja Renovada Nossa Fé.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Longe de hermético, o processo de espiritualização enfrenta interferências. As luzes verticais, flashes de um perdurante passado, tornam-se leitmotiv sob a direção de Alvaro Furloni (“A Origem da Inspiração”). Como faróis de carro, elas relembram a noite do assassinato. Como esclarecimento, elas conduzem Hélio à assunção de seus delitos. Como brilho ofuscante, por fim, confundem, desorientam, mas também expõem.

Análoga à iluminação cegante, Jamily seduz o protagonista. Em busca de aulas de canto, a jovem estabelece o primeiro contato. Depois, Hélio a observa no coral da igreja. Corte. No plano seguinte, ele se masturba. Uma das poucas mulheres em cena, ela desperta no feminicida Hélio a violência antes em repouso. Como a luz dos faróis, ela ativa a memória do atropelamento. Como luz esclarecedora, ela confirma a incorrigível brutalidade. Como luz ofuscante, por último, incita a paranoia. Sobre esta, a cena do karaokê oferece um claro exemplo.

As duas personagens estão em um bar. Jamily resolve cantar uma música de Aguarraz, antiga banda de Hélio. Nesse momento, o protagonista se sente reconhecido pelos demais clientes. Enquanto perde o controle, a câmera, trêmula, emula seu estado de excitação. O delírio culmina com a pergunta final: “Vocês sabem com quem vocês estão falando?”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Como visto, o roteiro propõe uma interessante discussão sobre o livre-arbítrio. Hélio toma decisões tortuosas e é obrigado a enfrentar os resultados. Prefere, contudo, alienar-se. Nessa lógica, até a fé revela-se armadilha. A sentença “ninguém vai te ajudar de graça” ressoa na cabeça da personagem. Qual seria, então, o “preço” do pastor?

Por trás da ajuda sincera, esconde-se a espetacularização da piedade. Ainda que a premissa soe promissora, personagens unilaterais comprometem as boas ideias. Interpretado com comedimento por Armando Babaioff  (“Prova de Coragem”), o misógino Hélio é um tipo de difícil identificação. O pastor Gileno, por sua vez, vivido pelo mais eufórico Flavio Bauraqui (“Madame Satã”), escancara a hipocrisia religiosa, sem espaço para a contradição. A estreante Thuany Andrade, por fim, sofre com Jamily, infantilizada figura feminina a serviço exclusivo do protagonista masculino.

Entre um suspense de aparições fantasmagóricas e um drama de conflitos psicológicos, “Homem Livre” alça vôos demasiadamente altos. O encerramento com Tchaikovsky não deixa dúvidas sobre tais pretensões. Infelizmente, no entanto, os cisnes de Furloni não têm asas. Ou, se têm, não sabem voar.

Advertisement. Scroll to continue reading.

* O filme estreia dia 21, quinta-feira.


Fotos e Vídeo: Divulgação/Olhar Distribuição

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating0 Votes
0
2
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Exibido na Seleção Oficial de Cannes 2020, “Slalom – Até O Limite” aborda de maneira sensível temas relacionados à saúde mental no esporte Um...

Crítica

O cinema independente norte-americano vem há anos entregando algumas obras que superam em muito as produções vindas da midiática Hollywood. Sem depender das regras...

Filmes

Todos os filmes ruins estrelados por Nicolas Cages durante a última década fizeram com que os cinéfilos e seus fãs esquecessem que ele é...

Filmes

Mark Wahlberg é a estrela de “Joe Bell”, filmes que passou pelo Festival de Cinema de Toronto, e que estreia em 23 de julho...

Advertisement