Connect with us

Hi, what are you looking for?

Música

Musicando: As Marchinhas mais conhecidas do Brasil

Musicando

E é Carnaval!

carnaval-700x400-fotolia

Mais um carnaval chegando e muita folia é esperada por todos. Mas, ele não seria essa festa tão grande se não tivesse começado de algo menor e, que hoje, ainda existe e é carregada quase como uma tradição, nossas tão queridas marchinhas.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Com origem no século XIX, muito antes dos sambas-enredo e os trios elétricos baianos, as marchinhas surgiram e vieram a partir da cadência da marcha portuguesa, sendo acrescentados instrumentos de sopro inspirados em bandas de Jazz americanas.

A primeira música reconhecida foi “Abre Alas”, composta por Chiquinha Gonzaga, em 1899, para o Rosa de Ouro. Mas, o verdadeiro auge para esse gênero, aconteceu nas décadas de 1920 e 1960.

Com o passar do tempo, as músicas não foram esquecidas, fazendo com que ano após ano fossem relembradas em cada carnaval. Os sucessos foram considerados caricaturas da sociedade brasileira, tornando as letras divertidas e maliciosas. Nesse caso, o politicamente correto não existe e qualquer tema pode se transformar em brincadeira.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Talvez por tamanha liberdade de expressão, essas marchinhas conseguiram fixar seu lugar em nossa história. E o que seria do carnaval sem elas?!

Confira as marchinhas mais cantadas nos carnavais:

ALLAH-LÁ-Ô (Haroldo Lobo-Nássara, 1940)

Advertisement. Scroll to continue reading.

Allah-lá-ô, ô ô ô ô ô ô
Mas que calor, ô ô ô ô ô ô
Atravessamos o deserto do Saara
O sol estava quente
Queimou a nossa cara

Viemos do Egito
E muitas vezes
Nós tivemos que rezar
Allah! allah! allah, meu bom allah!
Mande água pra ioiô
Mande água pra iaiá
Allah! meu bom allah

AURORA (Mário Lago-Roberto Roberti, 1940)

Advertisement. Scroll to continue reading.

Se você fosse sincera
Ô ô ô ô Aurora
Veja só que bom que era
Ô ô ô ô Aurora

Um lindo apartamento
Com porteiro e elevador
E ar refrigerado
Para os dias de calor
Madame antes do nome
Você teria agora
Ô ô ô ô Aurora

ABRE ALAS (Chiquinha Gonzaga, 1899)

Advertisement. Scroll to continue reading.

Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Eu sou da lira não posso negar
Eu sou da lira não posso negar

Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Rosa de ouro é que vai ganhar
Rosa de ouro é que vai ganhar

Ô BALANCÊ (Braguinha-Alberto Ribeiro, 1936)

Advertisement. Scroll to continue reading.

Ô balancê balancê
Quero dançar com você
Entra na roda morena pra ver
Ô balancê balancê

Quando por mim você passa
Fingindo que não me vê
Meu coração quase se despedaça
No balancê balancê

Você foi minha cartilha
Você foi meu ABC
E por isso eu sou a maior maravilha
No balancê balancê

Advertisement. Scroll to continue reading.

Eu levo a vida pensando
Pensando só em você
E o tempo passa e eu vou me acabando
No balancê balance

MAMÃE EU QUERO (Jararaca-Vicente Paiva, 1936)

Mamãe eu quero, mamãe eu quero
Mamãe eu quero mamar
Dá a chupeta, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebe não chorar

Advertisement. Scroll to continue reading.

Dorme filhinho do meu coração
Pega a mamadeira e vem entrá pro meu cordão
Eu tenho uma irmã que se chama Ana
De piscar o olho já ficou sem a pestana

Olho as pequenas mas daquele jeito
Tenho muita pena não ser criança de peito
Eu tenho uma irmã que é fenomenal
Ela é da bossa e o marido é um boçal

ME DÁ UM DINHEIRO AÍ (Ivan Ferreira-Homero Ferreira-Glauco Ferreira, 1959)

Advertisement. Scroll to continue reading.

Ei, você aí!
Me dá um dinheiro aí!
Me dá um dinheiro aí!

Não vai dar?
Não vai dar não?
Você vai ver a grande confusão
Que eu vou fazer bebendo até cair
Me dá me dá me dá, ô!
Me dá um dinheiro aí!

CACHAÇA (Mirabeau Pinheiro-Lúcio de Castro-Heber Lobato, 1953)

Advertisement. Scroll to continue reading.

Você pensa que cachaça é água
Cachaça não é água não
Cachaça vem do alambique
E água vem do ribeirão

Pode me faltar tudo na vida
Arroz feijão e pão
Pode me faltar manteiga
E tudo mais não faz falta não
Pode me faltar o amor
Há, há, há, há!
Isto até acho graça
Só não quero que me falte
A danada da cachaça

CABELEIRA DO ZEZÉ (João Roberto Kelly-Roberto Faissal, 1963)

Advertisement. Scroll to continue reading.

Olha a cabeleira do zezé
Será que ele é
Será que ele é

Será que ele é bossa nova
Será que ele é maomé
Parece que é transviado
Mas isso eu não sei se ele é

Corta o cabelo dele!
Corta o cabelo dele!

Advertisement. Scroll to continue reading.

A JARDINEIRA (Benedito Lacerda-Humberto Porto, 1938)

Ó jardineira porque estás tão triste
Mas o que foi que te aconteceu
Foi a camélia que caiu do galho
Deu dois suspiros e depois morreu

Vem jardineira vem meu amor
Não fiques triste que este mundo é todo seu
Tu és muito mais bonita
Que a camélia que morreu

Advertisement. Scroll to continue reading.

LINDA MORENA (Lamartine Babo, 1932)

Linda morena, morena
Morena que me faz penar
A lua cheia que tanto brilha
Não brilha tanto quanto o teu olhar

Tu és morena uma ótima pequena
Não há branco que não perca até o juízo
Onde tu passas
Sai às vezes bofetão
Toda gente faz questão
Do teu sorriso

Advertisement. Scroll to continue reading.

Teu coração é uma espécie de pensão
De pensão familiar à beira-mar
Oh! Moreninha, não alugues tudo não
Deixe ao menos o porão pra eu morar

Por tua causa já se faz revolução
Vai haver transformação na cor da lua
Antigamente a mulata era a rainha
Desta vez, ó moreninha, a taça é tua

O TEU CABELO NÃO NEGA (Lamartine Babo-Irmãos Valença, 1931)

Advertisement. Scroll to continue reading.

O teu cabelo não nega mulata
Porque és mulata na cor
Mas como a cor não pega mulata
Mulata eu quero o teu amor

Tens um sabor bem do Brasil
Tens a alma cor de anil
Mulata mulatinha meu amor
Fui nomeado teu tenente interventor

Quem te inventou meu pancadão
Teve uma consagração
A lua te invejando faz careta
Porque mulata tu não és deste planeta

Advertisement. Scroll to continue reading.

Quando meu bem vieste à terra
Portugal declarou guerra
A concorrência então foi colossal
Vasco da gama contra o batalhão naval

SACA-ROLHA (Zé da Zilda-Zilda do Zé-Waldir Machado, 1953)

As águas vão rolar
Garrafa cheia eu não quero ver sobrar
Eu passo mão na saca saca saca rolha
E bebo até me afogar
Deixa as águas rolar

Advertisement. Scroll to continue reading.

Se a polícia por isso me prender
Mas na última hora me soltar
Eu pego o saca saca saca rolha
Ninguém me agarra ninguém me agarra

Aimée Borges gosta de dançar ao vento, beber água gelada e sorrir para Lua. Apaixonada por contos e fadas, deixa-se levar por sua curiosidade que a transporta para um mundo ainda mais louco que o da Alice.

 

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Aimée Borges gosta de dançar ao vento, beber água gelada e sorrir para Lua. Apaixonada por contos e fadas, deixa-se levar por sua curiosidade que a transporta para um mundo ainda mais louco que o da Alice.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Especiais

O Carnaval está de volta na terra da garoa com o desfile das escolas de samba de São Paulo 2022 São mais de dois...

Filmes

Nova comédia brasileira “Carnaval”, que estreia dia 2 de junho, mostra que a amizade vale mais que milhões de seguidores nas redes sociais Quatro...

Premiações

Terça-Feira de Carnaval é sempre o dia em que lamentamos o fim de uma das festas mais aguardadas no ano. E, para quem trabalha...

Destaques

Mulheres, negros, índios, quilombos, favelas, terreiros, Bahia, lavadeiras… O carnaval 2020 do Grupo Especial se anuncia como o diabo gosta: negro, forte e destemido,...

Advertisement