Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Boa Noite, Mamãe!

 

A estranheza familiar.

Advertisement. Scroll to continue reading.

No dia 25 de fevereiro os cinemas nacionais começarão a exibir o austríaco longa “Boa Noite Mamãe (Ich Seh, Ich Seh)” lançado em 2014. O filme foi o escolhido pela Áustria para concorrer ao Oscar, mas ficou fora da disputa, mesmo sendo elogiado em vários festivais pelo mundo.

 

A história se desenvolve em uma afastada casa no interior, próximo a um milharal, onde os gêmeos Lukas e Elias vivem com a mãe que no momento está fora. Quando ela retorna a casa, após uma série de cirurgias plásticas, acontecimentos estranhos começam a ocorrer e os garotos passam a acreditar que aquela mulher não é sua verdadeira mãe e sim, uma “sombria” desconhecida.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Apresentando logo no inicio cenas de “A Famila Trapp”, a versão alemã de “A Noviça Rebelde (1965)”, como representação de uma alegre reunião familiar, já conseguimos perceber e imaginar que o roteiro de Veronika Franz e Severin Fiala, que também assinam a direção juntos, não será nada alegre. No lugar de grandes diálogos ou surpresas assustadoras, eles se propuseram a retratar uma degradante história sobre inocência e brutalidade. Em sua direção o destaque fica com a escolha de grande planos abertos da belíssima locação, para dar um tom cordial e sombrio a história.

O filme é um bom exemplar do gênero suspense psicológico, não terror como anda sendo citado, mesmo sendo longo demais. Até os acostumados ao formato “silencioso” do cinema europeu, podem considerar o “Boa Noite” uma atrativa ideia de tirar um cochilo. Não pela falta de qualidade artística, mas pela falta de acontecimentos realmente relevantes e possivelmente assustadores. É como se existisse um salto entre segurar firme e prender a respiração em algumas cenas e relaxar e ler um livro em outras.

Mas se o objetivo é assustar o elenco está de parabéns. A mãe, Die Mutter, interpretada pela atriz Susanne Wuest consegue convencer não só que é a mãe dos meninos, como também pode ser uma maligna presença na casa. Porém, o que realmente chama a atenção são os inexperientes gêmeos Elias e Lukas Schwarz, que conseguem nos deixar apaixonados e horrorizados com suas atitudes. Existe uma complexidade enorme envolta desses personagens, mesmo que a resolução final seja ok, vivenciar o olhar deles sobre a narrativa é tão angustiante quanto sob a perspectiva da mãe.

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Boa Noite Mamãe” pode ter uma boa estreia nacional, mas não irá agradar a todos. Uma boa produção com uma história bem pontuada é um ótimo gatilho, mas não segura o rojão para um publico habituado aos filmes de terror clichê americano.

Paulo Olivera é mineiro, Gypsy Lifestyle e nômade intelectual. Apaixonado pelas artes, Bombril na vida profissional e viciado em prazeres carnais e intelectuais inadequados para menores e/ou sem ensino médio completo.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Paulo Olivera é mineiro, Gypsy Lifestyle e nômade intelectual. Apaixonado pelas artes, Bombril na vida profissional e viciado em prazeres carnais e intelectuais inadequados para menores e/ou sem ensino médio completo.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Filmes

Novos nomes devem se juntar a organização em breve A partir deste ano, 397 novos profissionais devem integrar a Academia de Artes e Ciências...

Filmes

O cinema pode ser uma ferramenta  maravilhosa de quebrar preconceitos e conscientização, assim como todas as outras áreas da arte O amor deve ser...

Filmes

Vivencie histórias de amor com esses filmes para curtir no dia dos namorados É hora de separar um tempinho, para junto com o seu...

Filmes

Deixando de lado musicais e filmes sobre dança, por motivos óbvios: eles não existiriam se as músicas não fossem 2/3 do mais importante em...

Advertisement