Quando o passado teima em ficar, deixe o amor falar mais alto 

O drama “Pais e filhas” traz Russell Crowe no papel do escritor Jake Davis, que após um acidente no qual perdeu a esposa, passa a ter surtos psicóticos e a sofrer convulsões e ainda luta para criar a filha Katie. Vinte anos depois, Katie (Amanda Seyfried), ajuda crianças com problemas psicológicos, mas também sofre na tentativa de superar o próprio passado.

Um filme que tem um escritor como protagonista costuma ser muito bom quando parece que estamos folheando as páginas de um livro, e é justamente o que “Pais e filhas” nos proporciona. A maneira de contar a história, alternando o tempo todo entre a infância e a vida adulta de Katie, o que faz com que o público fique cada vez mais envolvido, aguardando cada detalhe a ser revelado.

Amanda Seyfried tem a responsabilidade de dar continuidade à trama, carregando o peso do passado da personagem, o que ela faz com muita competência. Conforme o filme avança, é possível entender como a Katie de ontem se tornou a Katie de hoje. E, por falar em competência, a atriz Kylie Rogers, que interpreta Katie na infância, atua em pé de igualdade com Russell Crowe, que está brilhante em seu papel. Os dois criam uma linda e apaixonante relação de pai e filha.

O elenco todo é de atores brilhantes, com nomes como Octavia Spencer, Diane Kruger e Aaron Paul, além da outra atriz mirim do elenco, Quvenzhané Wallis, que com apenas cinco anos brilhou em “Indomável sonhadora” e continua a mostrar seu talento nas telonas.

“Pais e filhas” é emocionante e vale a pena assistir.

 


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Gleicy Favacho

Gleicy Favacho é uma maquiadora com alma de artista. Quando pequena sonhava em descobrir um mundo fantástico através do armário muito antes de se ouvir falar em Nárnia. Essa imaginação a levou a seguir uma profissão onde ela pudesse participar da construção de vários mundos e histórias diferentes, sendo apaixonada por cinema, teatro e outras artes. Claro que, sendo adulta, já mantém um pouco mais os pés no chão, mas sempre olha dentro de um armário ou outro, afinal, vai que… né?

Previous Nem só de TV vive Mariana Ximenes
Next Woo! Casual: Teatro Rival sob nova direção e com programação gratuita

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close
CLOSE
CLOSE