Connect with us

Hi, what are you looking for?

Séries/TV

Orange is the New Black e a Liberdade

Escrita e protagonizada por mulheres, Orange is the New Black é uma das mais iconoclastas obras de arte produzidas pela cultura de massa, inclusive pelo tom singular em contar suas histórias: transita entre o drama e a comédia com incrível habilidade. Como um espelho, o cotidiano de presidiárias nos revela muito sobre a sociedade que está fora das grades. Nos E.U.A., entre 1980 e 2016, a população carcerária feminina aumentou 800%. No Brasil, entre 2000 e 2014, o número de detentas subiu 567%. Quase 70% está ali por tráfico de drogas. Por essa razão, Piper Chapman foi encarcerada. Ela faz parte de um grupo que, em geral, não vai para a cadeia: é branca, da classe média alta.

Piper Chapman: Estou aqui há duas semanas. Passei fome, fui apalpada, provocada, perseguida, ameaçada e chamada de Taylor Swift.”

Advertisement. Scroll to continue reading.

Seu confronto com a realidade e a diversidade cultural não é o único ponto de vista da série e, assim, a riqueza polifônica da narrativa alcança o espectador ampliando campos de visão. É através dessa pluralidade que percebemos como fomos educados para pasteurizar as diferenças, empurrando a alteridade para a margem mais afastada possível.

Red: Todos os problemas são entediantes enquanto não são seus problemas.”

Quando Foucault descreveu a sociedade disciplinar, mostrou como as instituições modernas se fortaleceram ao regular e excluir o que não faz parte do projeto de quem tem poder econômico. Deleuze aponta de que maneira essa lógica funciona na contemporaneidade. O controle exercido em nossos corpos é mais bem efetivamente realizado através do desejo construído por campanhas publicitárias. “Mad Man é exatamente sobre esse processo. É apavorante como, não importa a origem, todos nós queremos o carro do ano ou a nova invenção cosmética. Nós escolhemos perder a liberdade para, entre dívidas, desfrutar bens de consumo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Piper Chapman: Nem toda pessoa latina quer a mesma coisa.

Lorna Morello: Claro que querem. Todos querem vir para os Estados Unidos.”

Orange is the New Black” denuncia, sem medo, a falta de humanismo em processos de privatização de penitenciárias. Assusta entender como, em uma estrutura tão corrupta, o mais doce dos homens pode se tornar assassino.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Com a mesma coragem, a série ilustra como o feminismo só se fortalece com a sororidade entre mulheres (não importa se são cis, trans, hétero, homo, bissexuais, negras, brancas, jovens, velhas, religiosas ou não…). Em um dos momentos mais delicados e arrebatadores da série, as carismáticas Pensattucky e Big Boo nos dão a pensar sobre a natureza do estupro: não é apenas uma violência sexual, é um crime de ódio produzido pela misoginia.

A relevância de “Orange is the new black” é imensurável. Com sua riqueza artística, sem qualquer traço de propaganda, a série encena como ser hipócrita é bem diferente de ser politicamente correto. Revisar, inclusive linguisticamente, valores que oprimem mulheres, negros, índios, gays, pobres… é o caminho para a liberdade.

Por Carmen Filgueiras

Advertisement. Scroll to continue reading.

Written By

6 Comments

6 Comments

  1. Patricia Janiques

    8 de abril de 2017 at 21:14

    Genial! 🙂

  2. Carmen Filgueiras

    9 de abril de 2017 at 02:28

    Que bom que curtiu! Estou aqui aguardando a próxima temporada.

  3. aldisio gomes filgueiras

    9 de abril de 2017 at 10:58

    “Revisar, inclusive linguisticamente”, lá no finzinho do artigo é uma sacada que precisa subir para as preocupações prioritária da critica. Muito boas as digressões desde Foucault

  4. Júlia Cruz

    10 de abril de 2017 at 10:07

    Quando comecei a ver essa série, gostava muito do ritmo e da discussão que ela apresentava. Tenho achado que a Netflix negligenciou um pouco, uma vez que tem na produção a própria Piper, e explorou um lado sombrio em algo que originalmente era apresentado como comédia. Tem um livro chamado “Presas Que Menstruam”, da Nana Queiroz, que expõe a realidade do sistema carcerário brasileiro, vale muito a pena a leitura pra perceber que, infelizmente, essa triste realidade é igual para todas as presas. Espero que agora na quinta temporada a série tome outros rumos e explore mais as outras presas, além de uma redenção para a própria Piper.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Séries/TV

Estrelada por Ademara e Mel Maia, produção vai mostrar a vida de uma família virando de cabeça pra baixo após a filha se tornar...

Séries/TV

Seis meses depois da batalha de Starcourt, que deixou um rastro de terror e destruição em Hawkins, o grupo de amigos se separa pela...

Geek

Mais sugestões da Woo! de doramas good vibes pra você

Filmes

Halftime terá exibição no Festival de Cinema de Tribeca em 8 de junho, e chega ao streaming logo depois “Eu vivia sob os olhos...

Advertisement