PEDAÇOS

Aprenda a não procurar

A “metade da laranja”.

Somos inteiros que buscam

Outros inteiros para que possamos

Transbordar.

(Ester Barroso)

 

NASCENTE

Poesia nasce a quem sente

E converte emoção em grafia.

Versando em sua mente vigente,

O poeta tece em harmonia.

 

Poesia nasce na alvorada da alma,

Onde as brechas das paixões humanas ganham vida.

É chama linguística quem ao queimam nos acalma.

É a essência da palavra, então polida,

Que cativa em lindos versos e se destaca,

Podendo ser tudo, temendo ser nada.

 

É lira que semeia o coração e enfloresce o espírito;

Proclamação universal de pensamento irrestrito.

Faz da angústia uma boa aliada, e atira da realidade,

Transformando-a na beleza singular de uma exímia arte,

Ganhando espaço entre amor e a amizade,

Encontrando o seu valor e deixando a contraparte.

 

É pérola que escapa da concha e sobe à superfície,

Encanta o mundo todo e o distrai de sua imundice.

Arrepia a pele da menina, alegra homens tristonhos

E devaneia amores impossíveis e segredos que ninguém sabe.

Deixe para trás todos os seus preceitos mais enfadonhos

E venha conosco, sob as estrelas, antes que o mundo se acabe.

– Poesia nasce na morada dos sonhos.

(Douglas Jefferson)

Lendo essas duas poesias, já conseguimos ter um vislumbre sobre o livro “Nacente”, publicado pela Editora Penalux. Trazendo assuntos relevantes para os dias atuais.

Ler poesia não é para qualquer um, escrever muito menos. Não são todos os dias que encontramos pessoas capazes de escrever sobre coisas da vida cotidiana de uma forma plena, leve e que mesmo assim passe o recado que precisa dar.

Em um mundo em que o faz de conta se torna um refúgio para muitas pessoas, os autores trazem em “Nascente” uma construção de identidade própria, falando sobre as suas agonias, medos e mostrando a realidade para todos por meio de uma poesia singela a completa.

“Nascente” é um livro de poesia escrita por dois jovens autores Ester Barroso e Douglas Jefferson, um livro lindo não só no seu conteúdo, mas também em sua capa e o cuidado tido na sua produção. Assim, a Editora Penalux tem mostrado para o que veio ao publicar jovens artistas e mostrando a qualidade de seus livros.

Esses jovens autores começaram publicando pela internet e em pouco tempo alcançaram um público cativo, levando também a publicação do livro com suas poesias. Assim, esse livro traz uma coletânea conjunta reunindo uma seleção dos seus melhores poemas; e nesses poemas encontramos crítica social, amor e um pouco da realidade de ambos.

Outro fato importante de ser falado é que ambos autores já ganharam prêmios importantes pelas suas poesias, o que é algo louvável uma vez que eles são super novos, mas mostram muita maturidade.

“O ‘Nascente’ surgiu, como os demais projetos, a partir de conversas nossas sobre poesia, sobre o cenário literário atual. Conversamos sobre como ainda há uma burocratização da escrita, da literatura, e sobre tentarmos lançar também um livro, reunindo alguns poemas nossos. De início parecia arriscado, tivemos receio de encontrarmos muitas recusas ou cobranças para fora de nosso alcance financeiro.” Ester Barroso

Além do projeto do livro, eles também estão a frente de outros projetos super importantes. Ester Barroso, por exemplo, deu início em 2014 a projetos de poesia e literatura nas redes sociais e é idealizadora das páginas “Moça, você é mais poesia que mulher” e “Elas na literatura”, além de escrever para a “poesia que te pariu”.

Já, Douglas Jefferson é idealizador do projeto “Caixa Carpe Diem”, em que hoje está presente em 7 – sim pessoal 7 – países e em todos os estados do nosso querido Brasil. E também é coadministrador da Página “Moça, você é mais poesia que mulher”.

Em “Nascente” temos diferentes histórias, passando por diferentes temas do cotidiano de nossas vidas.

*A fala da autora foi retirada da entrevista feita pela Divulga Escritor.

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Sabrina Queiroz

Leitora voraz, que faz mil e uma tarefas. Apaixonada por filmes, séries e leitura em geral. Cacheada de nascença e por amor.

Previous Teatros do SESI comemoram dia nacional do teatro acessível com programação gratuita
Next Crítica: O Nevoeiro

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close