11 de dezembro de 2019

Foram dois longos anos de espera até o chegado momento da estreia da última temporada de “Game of Thrones”. Após sete bem sucedidas temporadas, uma das séries mais populares de todos os tempos desenvolveu um emaranhado de tramas e personagens na disputa pelo trono de ferro – e que precisam ser concluídas em seis episódios.

A oitava temporada abre com um episódio morno, no qual mostra uma quantidade exorbitante de personagens deixando pouco tempo para diálogos. O primeiro episódio da última temporada serve também para situar o público em relação a qual caminho os personagens seguirão na atual conjuntura da série, além de aflorar alguns conflitos que já eram esperados, e pouco revela sobre batalha eminente com a aproximação dos vagantes brancos.

O prenúncio da guerra, as tropas e Daenerys chegando a Winterfell, e o primeiro embate entre Sansa e Daenerys abrem a temporada. Os dragões chegam ao norte que não se vê contente com seu rei se ajoelhando a uma Rainha Targaryem. Mas há muito pouco tempo pra desenvolver isso, uma rápida reunião de diálogos repetitivos é utilizado para demonstrar a insatisfação do povo nortenho com a situação.

Mais uma vez, da mesma forma que ocorreu na temporada anterior, a série é ágil, e não se atem a situações ou questões de tempo e espaço para acontecimentos de forma bem definida (principalmente se compararmos as temporadas iniciais).

Enquanto isso, em Westeros, Cersei ainda é uma incógnita quanto aos seus planos. A única revelação é que ela não pretende ser amistosa nem mesmo com antigos aliados, então caso a batalha com o Rei da Noite seja vencida no norte, outra batalha, desta vez pelo Trono de Ferro, deve fechar a temporada no sul.

O único personagem que realmente parece ter tudo nas mãos, ou melhor dizendo na mente, e que pode ser peça chave no desenvolvimento da história, como já foi muito útil nesse episódio, é Bran Stark – ou como o próprio se denomina, O Covo de Três olhos. Sem precisar falar muito, mas sendo preciso ele começa a movimentar as peças no tabuleiro que precede a guerra.

O episódio só possui momentos realmente importantes no fim, quando mostra que os vagantes brancos já estão próximos, e quando revela segredos antigos e importantes que podem mudar o rumo da história ao mesmo tempo que coloca frente a frente os dois personagens protagonistas da série. Mas ai já não há tempo de desenvolver mais nada, os créditos sobem e tudo fica para se desenrolar no próximo domingo.

No geral, o inicio do fim agrega pouco em história, aflora alguns conflitos e ressurge outros – além de mostrar que mesmo diante de uma batalha eminente onde todos correm ricos, o ego ainda fala mais alto. A base é criada e os personagens são encaixados para que nos próximos episódios a série se desenvolva rumo ao fim.

O segundo episódio da oitava temporada vai ao ar no próximo domingo (21), às 22 horas, pelo canal HBO e também estará disponível no HBO GO.


Fotos e Video: Divulgação/HBO

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Dan Andrade

Cursando Produção Cultural atualmente, sempre foi apaixonado por cinema e decidiu que de alguma forma trabalharia com isso. Tendo como inspiração Steven Spielberg e suas histórias que marcaram gerações, escreve, assiste, lê e aprende, para um dia produzir coisas tão grandes e que inspirem pessoas como um dia ele o inspirou.

Previous “Aves de Rapina” – Logo oficial é divulgado em cartaz do filme
Next Crítica: A Maldição da Chorona

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

#CarnaWoo: Curtindo o Carnaval com seus Artistas Preferidos! PT. II

14 de fevereiro de 2017
Close