Hoje vamos falar sobre uma web tira que concorreu não menos que cinco vezes ao Troféu HQ Mix e que já rendeu dois livros. A Vida de Logan é uma obra sensível e verdadeira, que cativa o leitor no momento em que esse começa a conhecer esse relacionamento tão sincero entre pai e filho.

Flavio Soares, criador da obra, está no mercado editorial há mais de vinte anos e é ilustrador, arte-finalista, roteirista, além de atuar de outras maneiras nessa área. Ele e o roteirista Lucio Luiz venceram juntos o Segundo Prêmio Abril de Personagens e o Prêmio Angelo Agostini de melhor lançamento em 2013 com o projeto Meninos & Dragões. Desde 2009 produz a web tira A Vida de Logan, que pode ser classificada por algumas pessoas como quadrinhos que tratam sobre a vida de um pai e seu filho com síndrome de down, porém, não há maneira mais errada de classificar a obra, pois ela vai muito além disso. É o relacionamento de um pai com seu filho, mostrado nessas tirinhas da maneira mais honesta possível.

A coletânea “A Vida com Logan – Para Ler no Sofá” lançada pela Jupati Books/Marsupial Editora levou o Troféu HQ Mix como “Melhor Publicação de Tiras” e está disponível na plataforma Social Comics. A publicação traz um prefácio bem bacana e uma introdução por Flavio Soares que vale a pena você conferir! Além das tirinhas, há também algumas páginas de quadrinhos mostrando de uma forma muito divertida como foi o processo de financiamento da obra, desde o momento em que o valor foi arrecadado até a produção do livro e das recompensas.

Os desenhos tem um estilo bem particular, são traços simples, que nos lembram um pouco trabalhos como Calvin e Haroldo de Bill Watterson ou Tintin de Hergé, um estilo bem apropriado para a proposta! O trabalho com as cores e a arte-final ficou muito bom, a leitura é bem agradável e nem um pouco cansativa! Temos personagens muito carismáticos presentes nessa HQ, Logan, o filho mais velho e protagonista das tirinhas; Flavio, o cartunista, que às vezes dá mais trabalho para a fisioterapeuta e para a pediatra do que seu filho; Camila, a esposa de Flavio; Max, o filho mais novo; Barney, o cão, e Mignola, o gato, os animais de estimação da família. Além dos personagens recorrentes, há alguns que aparecem ocasionalmente e que proporcionam boas risadas, como o pai de Flavio e a fisioterapeuta baixinha que precisa sempre lembrar a todos que não é uma criança, apesar de seu tamanho.

As tirinhas tem um ótimo timing de humor e são bem originais. Ainda que por vezes o final seja até previsível, a maneira como as ideias são apresentadas conseguem surpreender e arrancar risadas do leitor. Flavio aproveita algumas das tirinhas para ir além da diversão: Mostrar às pessoas o quanto podemos ser preconceituosos sem termos consciência disso. Alguns personagens falam coisas que estamos acostumados a ouvir sempre, repetindo o que ouvem “por aí”, na TV, etc… É quando o autor mostra com muito humor e leveza o quanto ainda precisamos aprender, não só sobre Síndrome de Down, mas sobre respeito, amor, tolerância e muitas outras coisas.

Interessante ver como o autor abre as portas de sua vida para que o leitor possa conhecê-la. Ainda que exista uma boa dose de imaginação e exagero em algumas situações, podemos acompanhar vários momentos importantes do dia-a-dia de Flavio nessas tirinhas: Quando ele levou Camila, sua esposa, pela primeira vez em sua casa. A gravidez de Camila seguida pelo nascimento de Max. Reuniões de família, que sempre rendem boas piadas… Essa é uma das características mais envolventes nessa obra de Flavio. Quanto mais vemos a vida desses personagens, mais queremos ver. Para finalizar, uma frase retirada de uma das melhores tirinhas da série… Quando uma senhora questiona se Logan tem “problema”, Flavio fala sobre vários problemas políticos e sociais, e finaliza com essa frase sensacional: “Agora, o que ele tem chama-se síndrome de down. E isso, minha senhora… Não é nenhum problema.”