Ações visam o estímulo à leitura e à doação de sangue

No Riocentro, a XIX Bienal do Livro do Rio de Janeiro tem início na sexta-feira, 30. No entanto, pela cidade, o maior festival literário do Brasil já começou a mostrar sua forte presença através de projetos que extrapolam os famosos pavilhões que abrigam o evento a cada dois anos. Na última terça-feira (27), o evento deu mais uma espécie de abraço literário na Cidade Maravilhosa. “Embarque na Leitura”, ação conjunta com o Metrô Rio, contou com a distribuição de 1.000 livros pelas estações terminais de Botafogo, Pavuna e Jardim Oceânico.

Entre os títulos que foram “encontrados” pelos viajantes estavam “O Caçador de Pipas”, de Khaled Hosseini; “A Culpa é das Estrelas”, de John Green; “O Povo Brasileiro”, de Darcy Ribeiro; “Dom Casmurro”, de Machado de Assis, para citar alguns. Muitos deles tinham mensagens de incentivo à leitura escritas por nomes como Gilberto Gil, Sheron Menezzes, o ex-jogador do Flamengo, Juan e Fábio Porchat.

No mesmo dia, o BRT Rio distribuiu outros 1.000 livros aos passageiros. No balcão de informações que eles possuem na Estação Alvorada, também foram disponibilizados exemplares.

Doação de sangue

A Bienal também uniu forças com o Hemorio para aumentar os estoques do hospital, por meio da campanha “Doe uma História”. O objetivo é despertar conhecimento sobre a necessidade de doação de sangue. Todos os doadores que comparecerem ao Hemorio até o dia 30 de agosto, quando começa a feira, vão ganhar um livro. Ao final do evento, no dia 8 de setembro, todas as doações serão contabilizadas e convertidas em livros que serão distribuídos em escolas públicas do Rio de Janeiro. Ao todo, 1.500 exemplares foram cedidos pela Bienal do Livro Rio, organizada pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros e pela GL Events, para a realização da campanha.

Bienal mais acessível

Em sua 19ª edição, a Bienal escreve um capítulo relevante para a história do maior festival literário do país: todas as sessões terão tradução simultânea em libras. Com uma programação diversa e para todos os públicos, o evento também se torna ainda mais acessível, oferecendo visitas guiadas para deficientes visuais no espaço infantil, que ocupa um pavilhão inteiro e é uma das principais atrações deste ano.

Nos dias 2 e 3 de setembro, 40 crianças com deficiência visual que estudam no Instituto Benjamin Constant, em Laranjeiras, vão explorar a floresta que ganha vida no espaço “Pela estrada a fora”, um convite à experiência sensorial para estímulo à leitura.