Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espetáculos

Caixa Cultural Rio de Janeiro recebe o espetáculo “Os Analfabetos”

Imagem: Divulgação/Os Analfabetos (Créditos: Marcelo Machado)

Peça inspirada em obras de Ingmar Bergman reflete sobre a incomunicabilidade e os papéis que somos obrigados a representar nos dias atuais

A Caixa Cultural Rio de Janeiro recebe, de 7 a 23 de junho, o espetáculo “Os Analfabetos”, com direção do curitibano Adriano Petermann e dramaturgia inédita de Paula Goja. A autora, que também está em cena e assina a produção, se inspirou em obras do cineasta sueco Ingmar Bergman, em especial em os filmes “Persona” e “Cenas de um casamento”. As apresentações acontecem de sexta a domingo, às 19h, com ingressos a partir de R$ 15.

A peça gira em torno do jantar promovido pelo ator Deco (Douglas Silveira), que finalmente consegue seu primeiro papel na televisão. Ele reúne os amigos na casa de Mariana (Stella Mariss), uma famosa atriz que, durante uma apresentação de “Vestido de noiva”, resolve calar-se perante o mundo. Não se sabe ao certo se ela está doente ou se, simplesmente, optou pelo silêncio. A sonhadora enfermeira Beth (Mariana Rosa) a acompanha em seu tratamento e, em paralelo, o casal Eva (Paula Goja) e Max (Paulo Maia), convidados para o evento, está prestes a assinar os papéis do divórcio, mas ainda dependem emocionalmente um do outro. A essa comemoração, junta-se o personagem Luciano (Antonio Pina), que representa o alter ego do cineasta controlador que aparenta ser o mais bem sucedido de todos. Mas só aparenta.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Para a autora Paula Goja, todos os seis personagens querem romper com seus padrões, porém há uma enorme falta de conexão emocional entre eles.

“Por isso o título analfabetos. Em tempos atuais, de tanta intolerância e falta de escuta, a única coisa que pode nos salvar é o afeto”, reflete.

Apesar dos poucos elementos cênicos, o clima é sombrio, com referências diretas ao dark dos anos 80. O diretor Adriano Petermann criou uma realidade própria para a encenação, fugindo dos padrões habituais, com uma linguagem cheia de contrastes que alternam entre o surrealismo e metalinguagem e interferências Rodriguianas. Em sintonia com a atmosfera do espetáculo, a trilha traz canções postpunks que se encaixam perfeitamente à iluminação de Fernanda Mantovani, que também é operada pelos atores em cena, e ao figurino com ares góticos de Maurren Miranda.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Entrevistas

Alexandre Amaral, carioca, nascido no subúrbio do Rio de janeiro no Bairro do Engenho Novo, é ator, cantor e músico. Além disso, nas horas...

Entrevistas

Atriz já esteve presente em inúmeros projetos na TV e no Teatro Linda Lú já esteve em novelas como “Segundo Sol“, “Joia Rara” e...

Espetáculos

Seguindo recomendações do Ministério da Saúde, produção adiaprovisoriamente todas suas apresentações A produção do espetáculo “Entre o Céu e o Inferno” vem a público...

Espetáculos

A Wallaroo Corp., produtora responsável pelo espetáculo “Entre o Céu e o Inferno”, vem a público informar que as apresentações da peça marcadas para...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.