9 de dezembro de 2019

Um dos grandes males do streaming no mercado cinematográfico é a grande quantidade de produções que são disponibilizadas em bando, diariamente e sem discernimento, para a audiência. Nesse bombardeio de conteúdo, a maioria do material não impressiona,  fazendo com que, às vezes, bons filmes e séries sejam esquecidos em meio a uma onda de mediocridade. Um exemplo recente é o longa “Apóstolo” (2018), que teve sua distribuição mundial sob o selo Original Netflix e, apesar de parecer perdido na plataforma, conta uma história interessante de maneira criativa.

Se passando no início do século 20, essa narrativa é protagonizada por Thomas (Dan Stevens), filho deserdado de um homem rico que é convocado pela sua família para se infiltrar em um estranho culto em uma ilha britânica para resgatar Jennifer (Elen Rhys), sua irmã que foi sequestrada. Essa organização religiosa é liderada por Malcolm (Michael Sheen), que vende o local como uma utopia, porém, isso logo é provado falso graças a sua adoração a uma entidade estranha, aos habitantes que fazem oferendas diárias de sangue e a um grupo de homens vestidos de preto que agem como uma inquisição, liderada por Quinn (Mark Lewis Jones). O desafio de Thomas agora é conseguir soltar a sua irmã sem ser descoberto como um infiltrado nesse lugar misterioso.

A trama é bem semelhante ao clássico do terror “O Homem de Palha” (1973), desde a ilha isolada ao culto que louva uma divindade peculiar, mas em momento nenhum parece ser um plágio direto, graças aos detalhes do roteiro. O script do diretor Gareth Evans consegue equilibrar subtramas de personagens secundários que lentamente afetam a missão do protagonista, cria um clima de mistério bem satisfatório e bons personagens e ainda acrescenta um simbolismo em imagens fortes, como o homem alimentando o seu deus com sacrifícios de sangue.

Thomas é um homem com um passado obscuro e, enquanto possa parecer meio genérico, sua desilusão com a fé o torna um protagonista justo para essa história, ao mesmo tempo, Malcolm é uma figura antagônica interessante, que tem uma fé verdadeira e acredita que seus meios questionáveis se justificam pela finalidade. O verdadeiro vilão do enredo, porém, é Quinn, que apesar da boa construção como um fanático violento, decepciona no terceiro ato ao se tornar um típico antagonista de filmes de ação, que perde a oportunidade de derrotar seus inimigos para ficar discursando sobre seus motivos e planos maléficos. Porém, o que realmente dá a vida a esses personagens são as ótimas atuações do elenco, principalmente de Stevens e Lewis Jones.

A parte técnica também não deixa a desejar, com uma bela fotografia de Matt Flannery, que mostra os cenários vastos com um filtro sombrio, mas não escuro, e constrói diversos visuais macabros que criam uma atmosfera de suspense. Acrescentando a esse tom também estão a trilha sonora, os efeitos grotescos de sangue – que são constantes no longa – e o design de produção da vila antiga, principalmente nos elementos mais sobrenaturais, como a deusa e a criatura humanoide que a guarda.

Amarrando tudo isso está a direção de Gareth Evans, que também apresenta muita técnica através de movimentos de câmeras em planos mais longos e o uso paciente e preciso de jump scares, que não infestam a produção como se tornou costume para o gênero atual do terror. Evans também consegue passar bastante o que o protagonista sente, seja o desconforto com o culto através close-ups e do uso constante de câmeras de mão, ou a representação da sua perda da fé com a queda de uma cruz em chamas.

Apóstolo” é uma surpresa agradável escondida na Netflix. Com a crescente quantidade de filmes de qualidade questionável com o selo da plataforma e o seu tempo de duração mais longo do que se espera do estilo – 130 minutos – ele pode não ser muito convidativo, mas vale a experiência.

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Oswaldo Marchi

Publicitário formado no Rio de Janeiro, tem mais hobbies e ideias do que consegue administrar. Apaixonado por cinema e música, com um foco em filmes de terror trash e bandas de heavy metal obscuras. Atualmente também fala das trasheiras que assiste em seu canal do Youtube, "Trasheira Violenta".

Previous Crítica: Guerra Fria
Next Crítica: A Casa que Jack Construiu

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

Crítica: Na Selva das Cidades – em obras

30 de agosto de 2017
Close