12 de dezembro de 2019

As Malditas é uma tragicomédia que trata de assuntos bastante densos como relações familiares conturbadas, poder e dependência, amor, ódio e tantos outros sentimentos tão humanos quanto essas duas personagens. Duas irmãs que se odeiam e vivem a contragosto uma relação de dependência mútua: uma, viúva, pobre e fanática religiosa, e outra deficiente física, professora universitária aposentada e apreciadora de música clássica. Encarnadas por Junior Dantas e Maykon Renan, dois atores que apenas com trabalho corporal e voz conseguem trazer a cena essas duas figuras inusitadas, sofridas e amargas.

Na produção não é utilizada nenhuma caracterização para trazer à tona Rosa e Margarida. Os atores contam apenas com seus corpos e com um figurino, assinado por Prateleira de Estilo e Vicentini, que cria a unidade estética entre eles. Sabe-sen desde o início da peça, que trata-se de teatro e a ilusão também é quebrada pela iluminação e cenografia minimalista proposta por Gustavo Valente, onde uma cadeira é ressignificada a todo instante pelos atores que também a movimentam nos focos de luz, que ora propõem recortes no palco, criando espaço-tempos diferentes, ora são mais gerais acentuando a atmosfera seca e dura dessas duas mulheres.as-malditas5A precisão de certos movimentos realizados durante a encenação demonstram uma preparação corporal que certamente bebe um pouco na dança, e potencializa a cena, e em muitos momentos, o movimento cômico. A fisicalidade propõe uma tensão constante dos corpos e a expressividade fica, em sua maior parte, a cargo do rosto e membros superiores bem como com o esgarçar das palavras ditas por cada um. O uso de repetição e distorções silábicas são os pontos altos do espetáculo que faz o público receber aos risos a condição humana precária em que se encontram essas irmãs. Uma forma bastante inteligente do dramaturgo Saulo Queiroz e do diretor Adrén Alves que conseguiram dar leveza cômica a uma temática tão pesada.

Vale a pena conferir esse comédia que segue em cartaz até dia 21 de Dezembro sempre as 21:00 horas no Teatro Cândido Mendes.

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Adriana Dehoul

Adriana Dehoul é maquiadora, atriz e produtora desde que resolveu seguir seus sonhos na carreira artística. Sem perder a meninisse para as durezas da vida, ela gosta de subir em arvores e viajar ouvindo o canto dos pássaros e as ondas do mar. Deseja compartilhar poesias nesse mundo de inquietações que transborda amor apesar de tudo.

Previous “Leve Embora”, disco de Thiago Ramil, concorre ao 17º Latin Grammy Awards
Next Por que The Crown Prende já no Primeiro Episódio

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

Rock in Rio 2019: 10 atrações alternativas para ficar de olho

14 de setembro de 2019
Close