7 de dezembro de 2019

Cançao da volta cartaz

Quem sou eu? Temos o costume de nos perguntar isso repetidamente até obtermos uma resposta – e nunca obtemos. Por que existo? O que estou fazendo com a minha vida? Por que eu sou assim? Por que eu fiz isso? Vivemos a vida nos questionando, nos reprimindo, tentando entender questões pra ver se encontramos a tão desejada “paz de espírito”. Noites em claro, pensamentos corriqueiros, dúvidas, incertezas, ansiedade, críticas, controle. Controle do nosso tempo, da nossa vida, dos nossos pensamentos, de nós e do outro. Já dizia Freud, nossa vida é baseada no outro. Somos dependentes dos outros. Influenciamos em seus modos de ser, de viver, o que falar e como agir e tentamos constantemente nos fazer pertencentes, desejáveis e únicos. Queremos ajudar o outro sem antes tentar nos ajudar, queremos julgar sem antes ver se não somos alvos de críticas e queremos fazer isso sem nos arrepender.

O filme brasileiro “Canção da Volta”, aprofunda em questões como essas, ao contar a história de Julia e Eduardo, um típico casal paulistano com dois filhos. Voltando de uma viagem, Eduardo descobre que a esposa tentou se matar. Após a volta dela pra casa, ele faz de tudo para que a vida siga normal e Julia se recupere, mas percebe não conhecê-la por completo. Com incertezas do passado interferindo no presente e um constante ciúme da parte de Eduardo, o que era apenas um controle passa a ser uma verdadeira obsessão.

No papel de Julia está a atriz Marina Person, que traduz fielmente a realidade de um suicida e como ele se comporta com o mundo ao seu redor, uma vez que tentou fugir dele. João Miguel faz o papel de Eduardo, o oposto, mostrando o lado de quem tem que carregar o peso dessa convivência e se esforçar para também não perder o controle. Não poderia deixar de falar da atuação do Francisco Miguez como o filho mais velho do casal, Lucas. O ator representa bem o adolescente na sua idade mais rebelde, onde a fase dos questionamentos toma conta de nossas vidas e procuramos entender porque as coisas acontecem do jeito que acontecem. O elenco funciona e dão o toque essencial de seus personagens.

O filme se passa quase todo no apartamento de Julia e Eduardo, é o cenário principal. É interessante perceber como ele é construído e desconstruído durante os momentos vividos pelo casal. É composto de muitos objetos da área da arte, como pinturas e esculturas, dando a ideia de ser uma casa com vida, com energia, muitos móveis e objetos pequenos. Ás vezes o cenário é o carro, a área de refúgio de Eduardo.

Algumas situações são expostas com rapidez e, caso o espectador se distraia, fica difícil entender a cena que se passou. A música do final, “Mora na Filosofia”, interpretada por Caetano Veloso, traduz os sentimentos que o filme tenta passar ao público, como uma síntese. O roteiro mostra em diálogos curtos e simples como um tema, antes difícil de ser trabalhado, pode ser explicado com clareza, revelando com certa fidelidade a verdadeira vivência de uma pessoa depressiva.

O filme é um pouco arriscado em relação a direção, ao causar um leve desconforto por ser rápido demais em algumas cenas, mas em geral, vale a pena assistir. Cumpre o seu papel ao expor um tema que é visto como tabu social. Prestigie! Estreia no dia 03 de novembro.

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Júlia Cruz

Acredita ser uma criação do Projeto Leda enquanto espera o Doutor com a sua Tardis. É apaixonada por cachorros, gosta de acender incensos, observar estátuas e tomar café. Descobriu que tudo é passível de crítica e desconstrói os enredos das mais de cem séries que já viu, para os leitores da Woo Magazine.

Previous Evanna Lynch, de Harry Potter, vem pra Comic Con Experience 2016
Next Zeca Pagodinho é um Poeta!

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

Anavitória: o duo que conquistou o mundo em 2017

19 de novembro de 2017
Close